Imprimir

SINTESE lança vídeo denunciando modelo excludente de ensino médio em tempo integral adotado em Sergipe

Ligado . Publicado em Rede Estadual

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Oficial de Ensino videoensinomediodo Estado de Sergipe (SINTESE) lança vídeo no qual mostra as problemáticas e o modelo excludente de ensino médio em tempo integral adotado pela Secretaria de Estado da Educação de Sergipe (SEED/SE), por meio dos Centros Experimentais de Ensino Médio em Tempo Integral.


O SINTESE tem denunciado de forma sistemática o modo como a SEED tem usado de manobras ilegítimas e conduta antidemocrática para implantar a qualquer custo seu modelo de ensino médio em tempo integral. Além disso, o sindicato denúncia também às péssimas condições físicas, estruturais e pedagógicas das unidades de ensino onde a SEED implantou ou deseja implantar seus Centros Experimentais de Ensino Médio em Tempo integral.

Outra grande preocupação do sindicato é o fato de que este modelo de tempo integral exclui estudantes e professores, pois a SEED não fez nenhum diagnóstico sobre qual o destino dos alunos do Ensino Fundamental que não poderão estudar nos Centros Experimentais e também daqueles estudantes que não puderem estudar em tempo integral. Isso sem contar com a discriminação que sofrem os professores e professoras com dois vínculos (direito amparado pela Constituição), eles são obrigados a deixarem as unidades de ensino.

Outro problema já apontado pelo sindicato é que a imposição deste modelo pela SEED já tem se mostrado prejudicial para a rede.

Em 2017 a previsão do Ministério da Educação para a rede estadual sergipana era que 3040 estudantes estivessem matriculados no ensino médio em tempo integral nas 17 unidades escolares que funcionam como Centros Experimentais de Ensino Médio, mas somente 1949 estudantes foram matriculados.

Com isso a educação da rede estadual deixou de receber em recursos do FUNDEB mais de R$4 milhões (R$4.612.988,22). Esse valor é calculado com base no custo aluno do ensino médio integral para 2017. Cada matrícula equivale a R$4.228,22 (valor mínimo nacional investido por estudante).

“A SEED ao não dialogar com as comunidades escolares e impor um modelo de ensino médio tem tempo integral excludente traz prejuízos financeiros e pedagógicos para a rede estadual de ensino”, aponta a presidenta do SINTESE, Ivonete Cruz.