Imprimir

“Nem uma mulher a menos, nem um direito a menos”

Escrito por Iracema Corso - CUT/SE Ligado . Publicado em Sociedade

A Central Única dos Trabalhadores convoca trabalhadoras e lideranças sindicais a participar da luta no Dia Internacional da Mulher, dia 8 de março (próxima quarta-feira), que neste ano será marcado por greve geral internacional e grandes protestos em mais de 30 países. Em Sergipe, o movimento sindical e social somam forças na construção de uma grande marcha pelas ruas de Aracaju, com concentração marcada para as 8h, na Pça Camerino.

A retirada de direitos trabalhistas, o retrocesso conservador machista, a violência doméstica, a cultura do estupro e a misoginia não dizem respeito apenas ao cenário nacional brasileiro. São problemas comuns vivenciados por mulheres de diferentes nacionalidades e culturas.

A Secretaria da Mulher da CUT está alertando às mulheres trabalhadoras sobre o contexto nacional de perda e retirada de direitos decorrentes da Reforma da Previdência. Outros assuntos foram discutidos em reunião da Frente Brasil Popular como pauta do protesto em Aracaju, a exemplo da Casa da Mulher Brasileira, Violência Contra a Mulher, Por Creches nos municípios sergipanos e Reforma do Ensino Médio. “Dia 8 é dia de luta, de movimento, é dia das mulheres se manifestarem contra a Reforma da Previdência, uma reforma que marginaliza a mulher, principalmente a mulher do campo, então estaremos todas juntas na Praça Camerino”, convocou a secretária da Mulher da CUT/SE, Ana Luzia Costa Santos.