Professores se organizam para enfrentar as armadilhas da Avaliação Desempenho

Ligado . Publicado em Avaliação de desempenho

Professores do Colégio Estadual Tobias Barreto tiraram algumas horas da tarde de ontem (9) e da manhã desta quarta-feira (10), e se debruçaram sobre o atual projeto de avaliação que o governo estadual pretende implantar nas escolas públicas de Sergipe.

O Sintese continua se organizando para combater essa política de avaliação tão falsa, quanto ineficaz. Segundo a direção da entidade “a intenção é criminalizar professores e alunos e privatizar o ensino público” e não necessariamente avaliar o ensino da rede pública em Sergipe.

O modelo da Avaliação Desempenho tem origem no grupo Pitágoras, leia-se empresa privada de ensino, e um de seus mentores já desenvolveu projetos semelhantes em Minas Gerais com recursos públicos e do Banco Mundial. Esse parentesco não é mera coincidência, ao contrário, tem a ver com o que pensa o atual governo sobre políticas para educação - alinhado a uma linha internacional, importante frisar.

Em vez de uma avaliação sistêmica do ensino, um discurso de qualidade da gestão total. Uma entrada para o empreendedorismo na educação básica. O documento prevê, inclusive, que a escola disponha de gerentes administrativos.

Em Minas Gerais e na Bahia, estados que já operam com esse caráter, empresas de auditorias fiscalizam se as escolas cumprem ou não as metas estabelecidas no documento. Os professores além dos péssimos salários que recebem, trabalham num ambiente de pressão e monitoramento, com a responsabilidade de solucionar problemas que não são de sua competência, mas sim do Estado.

Para Ana Luzia Costa (diretora do departamento financeiro do Sintese) “A partir da efetivação da avaliação de desempenho através do Índice Guia, a escola se tornará uma variável independente. Independente de recursos públicos, independente de assessoramento pedagógico via secretaria de educação e de política de valorização dos professores. O sucesso ou o fracasso educacional será responsabilidade dos professores”, reclama.


Confira a agenda de debates:

Dia 11 de Agosto: a partir das 15h no Colégio Estadual 24 de Outubro em Aracaju;

Dia 11 de Agosto: a partir das 9h na Escola Estadual Francisco Portugal em Aracaju;

Dia 11 de Agosto: a partir das 15h na Escola Estadual Francisco Portugal em Aracaju;

Dia 12 de Agosto: a partir das 14h debate no CERES em Aracaju;

Dia 15 de Agosto: partir das 9h na Escola Estadual Judite Oliveira em Aracaju;

Dia 19 de Agosto: a partir das 9h em Maruim;

Dia 20 de Agosto: a partir das 9h em Propriá;

Dia 20 de Agosto: a partir das 14h em Japaratuba;

Dia 20 de Agosto: a partir das 8h no Colégio Estadual Leandro Maciel em Aracaju;

Dia 20 de Agosto: a partir das 8h no Colégio Estadual Augusto Franco em Aracaju;