Prefeitos atrasam pagamento dos professores

52

Os professores do município de Riachão do Dantas estão enfrentando dificuldades para receberem seus salários. A prefeitura dispõe dos recursos do FUNDEF, dos quais é retirado o salário dos professores, mas continua atrasando o pagamento. A situação do município está sendo analisada pela Justiça e, segundo o SINTESE, a prefeitura tem condições de pagar os salários em dia. Em agosto, a prefeitura de Riachão do Dantas recebeu R$ 347.945,79 referentes aos 15% dos recursos destinados ao FUNDEF, mas o salário do mesmo mês não foi pago aos professores, que estão recebendo metade apenas este mês. Em setembro, o valor foi de R$ 330.358,42 e em outubro R$ 168.122,00. De janeiro a setembro, o município recebeu o total de R$ 3.039.385,30, devendo retirar 60% para o pagamento de salário dos professores, de acordo com a legislação federal. No município de Pacatuba, a prefeita Diva de Santana Melo foi proibida, por decisão judicial, de gerenciar os recursos destinados ao município para uso em qualquer setor da prefeitura. A Justiça estabeleceu um acordo com a administração municipal para o pagamento dos salários, mas a determinação não foi cumprida, então o Ministério Público bloqueou a chegada de recursos no município. Em seguida, o MP formou uma comissão, incluindo um representante do SINTESE, para ajudar na definição sobre o pagamento dos funcionários. No momento, os salários estão sendo pagos, priorizando os dos professores e dos serviços gerais, e alguns programas sociais estão funcionando, com autorização do promotor. Em Graccho Cardoso, o prefeito José Eunápio dos Santos também não está cumprindo acordo feito entre SINTSE, Ministério Público e prefeitura para regularizar o pagamento dos salários e de direitos trabalhistas dos professores do município. Além disso, o prefeito não demonstra interesse na aprovação do plano de carreira e remuneração dos professores.