SINTESE realiza pré-conferência de educação em Glória

25

Evento recebeu mais de 400 professores e abordou a importância da ação coletiva desses profissionais nas escolas O SINTESE realizou dia 24 de setembro, em Nossa Senhora da Glória, a Pré-Conferência de Educação, dando seqüência à política de formação continuada para os professores. O tema ‘A Educação e a Comunicação para a Transformação Social’ foi exposto pela professora Regina Leite Garcia, da Universidade Federal Fluminense – UFF, do Rio de Janeiro.

O evento aconteceu no Clube Glória e reuniu mais de 400 professores do alto sertão, agreste sergipano, do município de Pão-de-Acúcar (Al), estudantes da Universidade do Vale do Acaraú – UVA – e do Projeto de Qualificação Docente – PQD. A pré-conferência contou também com a presença de diretores do SINTESE, da deputada estadual professora Ana Lúcia Menezes e com apresentação de reisado de um grupo de alunos da região.

As discussões abordaram a política de educação adotada nas escolas, apontando o que os professores podem fazer para romper com os valores criados pelo neoliberalismo para a educação. “Um dos caminhos de resistência à política neoliberal é o resgate e fortalecimento da cultura popular nas escolas”, disse a educadora Regina Leite. A conferencista destacou a importância da ação coletiva dos professores nas escolas, no sindicato, nas associações, como mecanismos para frear os projetos, chamados educacionais, que são feitos por encomenda e impostos aos educadores.

Professores discutem educação para a transformação social
Durante a pré-conferência, em Glória, a professora Regina Leite afirmou que a organização de professores para fazer análises críticas da realidade contribui para a formação da escola cidadã. Essa forma de agir segue o princípio da ‘Educação Transformadora’, pensada pelo grande educador Paulo Freire.

“A ação transformadora começa quando os professores não aceitam o fracasso escolar como sua culpa, pois os governantes insistem em culpá-los, transferindo ao professor responsabilidades que cabem a eles”, esclarece a palestrante. Segundo Regina Leite, é a partir dessa consciência que os educadores constroem o projeto político-pedagógico participativo, visando uma escola de qualidade para formar cidadãos.

Os professores presentes à pré-conferência manifestaram indignação ao modelo de educação implantado por governantes sergipanos. Alguns promovem a rivalidade e a competição entre os profissionais, desconsiderando a educação como instrumento para transformação e redução das desigualdades sociais. Essa é a educação também defendida pelo SINTESE.