Professores de Salgado estão em greve

51

O impasse na negociação de reajuste salarial do magistério do município de Salgado continua. Os professores paralisaram suas atividades nos dias 6, 7 e 10 de outubro e entraram em greve, por tempo indeterminado, na última quinta, dia 13. O impasse na negociação de reajuste salarial do magistério do município de Salgado continua. Os professores paralisaram suas atividades nos dias 6, 7 e 10 de outubro e entraram em greve, por tempo indeterminado, na última quinta, dia 13. As negociações já se arrastam por cinco meses e a prefeita Janete Alves Lima Barbosa não demonstra interesse em atender as reivindicações dos educadores. A comissão de negociação do SINTESE vai se reunir com a prefeita e sua equipe, amanhã, 19, às 10 horas, na prefeitura de Salgado, para definir o valor de reajuste salarial. Durante o período de negociação, os professores apresentaram proposta de reajuste salarial baseada no estudo da folha de pagamento da Secretaria Municipal de Educação, realizado pelo SINTESE. O piso salarial do magistério de Salgado é R$ 215,00. Pagando esse piso, a prefeitura não utiliza o mínimo de 60% dos recursos do Fundef para o pagamento dos salários dos professores do ensino fundamental, como manda a lei. “Nossa proposta de aumento é para R$ 265,00, atingindo 63,5% da receita do Fundef e ficando dentro da lei. O secretário de educação admite que existe sobra de recursos do Fundef, mas não dá o aumento. E onde estão sendo gastos os recursos que sobram?”, questiona o professor Ginaldo dos Santos, da coordenação da sub-sede regional do SINTESE no centro-sul. Ginaldo acrescenta que muitos parentes da prefeita Janete têm cargo em comissão na prefeitura. A prefeita alega que não tem condições de aumentar o salário dos educadores por causa do limite da Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF.