SINTESE aponta irregularidades e pede anulação do concurso de Socorro 22.02

29

O SINTESE considera lamentáveis os fatos ocorridos durante a realização do concurso público pela Prefeitura Municipal de Nossa Senhora do Socorro e coordenado pela Empresa mineira Consulplan. A direção do sindicato teve acesso ao edital, antes da aplicação das provas, e percebeu que havia irregularidades relacionadas à área da educação. Trata-se de um flagrante desrespeito à Lei de Diretrizes e Bases da Educação – LDB -, ao Plano de Carreira do Magistério do município e à Constituição Federal. Houve uma tentativa de negociar com a administração municipal a superação das ilegalidades, mas a direção do SINTESE não obteve sucesso, então deu entrada numa ação popular na Justiça, com pedido de liminar sob o número 200588000116, para anular o concurso. No entanto, esta ação sequer foi apreciada pelo Judiciário. Negligências na organização Além do fechamento dos portões dos locais de aplicação das provas meia hora antes do horário marcado para o candidato respondê-las, fugindo à regra dos concursos realizados em Sergipe, houve várias negligências na organização do processo: – O prazo entre o final das inscrições e o dia da realização da prova foi extremamente exíguo, menos de um mês. – As correspondências informando os locais onde as provas seriam aplicadas chegaram com atraso e muitos candidatos sequer receberam; – Nas correspondências não havia os números das salas onde as pessoas iriam fazer as prova, gerando um tumulto no momento da conferência do nome do candidato e do número da sala; – Alguns endereços de escolas foram escritos de forma sintética, dificultando o acesso ao local da prova; – A empresa Consulplan disponibilizou apenas um fiscal por sala e não contratou seguranças para garantir que pessoas estranhas não tivessem acesso aos locais de aplicação das provas. Portanto, a diretoria do SINTESE considera necessária uma ação conjunta entre a Prefeitura Municipal de Nossa Senhora do Socorro, o Ministério Público Estadual e o Poder Judiciário, com o objetivo de anular o concurso.