Professores de Poço Redondo lutam pelo salário de R$ 300

20

O aumento ficou definido entre magistério e prefeitura, mas no final da negociação a prefeita anunciou que não seria possível Os professores de Poço Redondo foram pegos de surpresa com a decisão da prefeita Iziane de Alcântara Pionório de não aumentar seus salários. A administração do município e os educadores já tinham definido que o salário dos profissionais da educação passaria de R$ 275 para R$ 300, mas no final da negociação, a prefeita anunciou que não seria possível.

Para manifestar insatisfação com a atitude da prefeita e cansados de esperar o reajuste de salário, os professores paralisaram suas atividades nas escolas nos dias 3 e 4 de outubro. “No dia 11, o SINTESE promoveu uma feijoada, na frente da prefeitura, em protesto à falta de compromisso da prefeita Iziane com o magistério do município”, acrescenta o professor Reginaldo Medrade, coordenador de Comunicação Sindical da sub-sede do SINTESE no Alto Sertão.

Tem condições
Desde maio deste ano, os professores vêm negociando o aumento de salário com a administração. O SINTESE fez um estudo da folha de pagamento da secretaria de educação e corrigiu os erros existentes. A partir dessa correção, os professores perceberam que a prefeitura tem condições de pagar o salário de R$ 300, cumprindo a Lei do Fundef.

A proposta foi aceita pela prefeita durante a negociação, porém na hora de oficializar o aumento, a mesma argumentou que a Lei de Responsabilidade Fiscal impede a prefeitura de dar o aumento. Os professores estão se sentido enganados e traídos porque em nenhum momento da negociação a prefeita apresentou essa dificuldade.