SINTESE propõe construção de escola em Itabaiana

41

A proposta do Governo do Estado de construir uma escola em Ribeirópolis não foi bem-recebida pelos professores. No município, existem 36 salas de aula ociosas, obra inacabada e necessidade de reformas nas unidades escolares. A proposta do Governo do Estado de construir uma escola em Ribeirópolis não foi bem-recebida pelos professores. No município, existem 36 salas de aula ociosas, obra inacabada e necessidade de reformas nas unidades escolares. Enquanto o governo quer construir uma escola em Ribeirópolis, os 1.100 alunos da Escola Estadual Vicente Machado, em Itabaiana, estarão desalojados no próximo ano. O Caic onde funcionava esse estabelecimento de ensino foi cedido à UFS para a instalação do Campus Itabaiana.

O SINTESE está solicitando providências ao Ministério Público Estadual para resolver a situação. No dia 20 de outubro, houve a primeira audiência pública, a pedido do sindicato, em Itabaiana, na presença do promotor de Justiça, Marcel Peres de Oliveira, com participação de representantes da Secretaria de Estado da Educação, Prefeitura de Itabaiana, UFS e SINTESE.

O promotor marcou a continuação da audiência para hoje, dia 4, quando serão propostos locais para os alunos da Escola Estadual Vicente Machado estudarem em 2006. As propostas devem ser apresentadas pela SEED, SINTESE e Prefeitura de Itabaiana. Diante do relatório elaborado pelos professores de Ribeirópolis sobre a quantidade de salas ociosas e a necessidade de reformas nas escolas, o SINTESE propõe que o governo construa uma escola em Itabaiana, e não, em Ribeirópolis, como pretende.

Motivos consideráveis

A Escola Estadual Vicente Machado, em Itabaiana, abriga 1.100 alunos, 36 professores de rede estadual e mais de 10 de rede municipal. Além disso, é a única escola do agreste sergipano que recebe alunos portadores de necessidades especiais. “Estes são motivos consideráveis para o Governo do Estado construir um novo prédio para essa escola”, afirma Roberto Silva, diretor do Departamento de Comunicação Sindical do SINTESE.

Já para o município de Ribeirópolis, o SINTESE solicita reformas na estrutura dos prédios escolares, construção de quadras de esportes, poço artesiano, serviços nas redes hidráulica e de esgoto, compra de equipamentos e atendimento a outras necessidades da educação. “Em vez de construir uma nova escola, seria de bom senso que o governo cuidasse e recuperasse das atuais, dando melhores condições de trabalho aos professores e a toda a comunidade escolar”, propõe Carlos Sérgio Lobão, vice-presidente do SINTESE.

Para resolver o problema das salas ociosas, o SINTESE enviou ofício ao secretário de Estado da Educação e ao promotor de Justiça de Ribeirópolis. O sindicato solicita uma análise da situação para saber se o motivo da ociosidade é falha de planejamento dos órgãos públicos gestores da educação e/ou falta do chamamento escolar anual, que é feito para atrair a população em idade escolar.