Professores de Capela sofrem golpe

34

Golpe. Não existe uma outra palavra para caracterizar o que o prefeito de Capela, Manoel Messias Santos, o Sukita, e o presidente da Câmara, vereador Carlos Augusto dos Santos, ambos do PSB, fizeram contra os professores de Capela. Golpe. Não existe uma outra palavra para caracterizar o que o prefeito de Capela, Manoel Messias Santos, o Sukita, e o presidente da Câmara, vereador Carlos Augusto dos Santos, ambos do PSB, fizeram contra os professores de Capela. A revolta é generalizada naquele município. Depois de duas paralisações, uma greve de oito dias e de assinarem um termo de compromisso com os educadores sobre o Plano de Carreira e Remuneração e o Estatuto do Magistério, o prefeito e o presidente da Câmara de Vereadores não honraram os compromissos e vetaram os projetos acordados com os professores.

Essa não é a primeira vez que o prefeito Manoel Messias, o Sukita, age contra os educadores daquele município. Em janeiro do ano passado ele se negou a pagar o vencimento dos educadores de acordo com a tabela estabelecida no Plano de Carreira e Remuneração do Magistério aprovada em dezembro de 2004, não respeitando a câmara de vereadores.

Com o afastamento de Sukita da Prefeitura de Capela assumiu a administração municipal o vereador Carlos Augusto dos Santos, presidente da Câmara e homem de extrema confiança do prefeito afastado. Os professores fizeram uma nova proposta de Plano de Carreira e alterações no Estatuto do Magistério, tudo para se adequar às legislações federais da Educação.

Infelizmente o prefeito em exercício não quis negociar com os professores, o que obrigou a categoria a realizar uma série de manifestações e atos públicos. “Fizemos duas paralisações e uma grande grave que durou oito dias. Como estava próximo da nova eleição para prefeito em Capela, fomos chamadas à negociação”, conta Edma Silva, uma das coordenadoras de Sintese em Capela. Prefeitura e Sintese chegaram a um acordo sobre o Plano de Carreira e Remuneração e sobre o Estatuto do Magistério no município de Capela. O prefeito em exercício e presidente da Câmara, vereador Carlos Augusto dos Santos, chegou a assinar um termo se comprometendo em aprovar e sancionar os projetos acordados com os educadores. Os projetos foram aprovados, mas para surpresa e revolta dos professores, no último dia 15 de fevereiro, o golpe se consumou. Muitos itens do Plano de Carreira e até do Estatuto do Magistério foram vetados pelo prefeito. Os vetos já estão na Câmara de Vereadores, e desta vez o legislativo tem que mostrar que não são irresponsáveis em aprovar uma lei e depois vetá-la. Nem tão pouco deixar o prefeito desmoralizar o legislativo como fez na lei anterior.

Confira alguns dos direitos vetados por SUKITA:

– Gestão democrática, que previa a eleição direta para Diretores de escola;
– Vetou os critérios para a remoção de educadores, que evitariam a perseguição política;
– Revisão anual dos vencimentos dos trabalhadores;
– Tabela Salarial aprovada no Plano de Carreira, que vinha sendo paga desde novembro.

Vereadores, digam NÃO aos vetos de Sukita e mostrem que o legislativo realmente representa o povo de Capela.