Professores aguardam proposta de reajuste da SEED

30

A comissão de negociação do SINTESE já esteve em audiência pela quarta vez com o Secretário de Estado da Educação, Lindbergh de Lucena. A comissão de negociação do SINTESE já esteve em audiência pela quarta vez com o Secretário de Estado da Educação, Lindbergh de Lucena. Na última reunião, ocorrida ontem, 6, o secretário anunciou que vai apresentar proposta baseada na pauta de reivindicações da campanha salarial do magistério, na terça-feira, 11. No dia seguinte, os professores farão assembléia para avaliar a proposta da Secretaria de Estado da Educação – SEED, às 9 horas, no Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe.

Durante as reuniões já ocorridas entre o SINTESE e a SEED, o secretário de educação afirmou que reconhece as perdas históricas nos salários dos educadores da rede estadual. “Apesar disso, o secretário ainda não apresentou proposta concreta em relação à pauta do magistério, pois, segundo ele, depende da palavra final do governador”, informa o professor Joel de Almeida, presidente do SINTESE.

A audiência de negociação do dia 11 será conclusiva. O sindicato e a secretaria de educação irão apresentar os estudos financeiros de receitas e despesas da SEED, daí resultará a discussão do percentual de reajuste. Nessa audiência também será agendada uma reunião com o governador do estado para definir o percentual de aumento salarial e os outros pontos da pauta de reivindicações dos professores.

Magistério em assembléia

Na assembléia de ontem, o SINTESE distribuiu o material da Campanha Salarial 2006 e apresentou os estudos financeiros, elaborados em parceria com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos – Dieese. Os educadores tiveram acesso aos dados de 2002 a 2005 sobre a receita líquida do estado; percentual gasto com folha de pagamento do governo; receita do Fundef; número de matrícula no ensino fundamental; receita da SEED vinda de diferentes fontes de recursos da educação, entre outros dados. “Temos argumentos suficientes para mostrarmos que o governo pode aumentar nossos salários. E o secretário de educação não nega mais que tem dinheiro para isso”, ressalta o professor Joel.

Confira a pauta de reivindicações:

>Reajuste de 31% no salário-base
>Devolução do redutor salarial
>Regulamentação de gratificações
>Escalonamento da tabela salarial
>Devolução da contribuição do Funaserp
>Automaticidade da progressão funcional
>Retorno de 45 dias de férias para especialistas e readaptados
>Reestruturação do Ipesaúde
>Segurança nas escolas
>Regulamentação da gestão democrática
>Plano Estadual de Educação