Repressão em Belo Horizonte

41

Os participantes do I Encontro dos Movimentos Sociais ocuparam nessa manhã o prédio da Cemig (Com-panhia Energética de Minas Gerais), em Belo Horizonte (MG). Os participantes do I Encontro dos Movimentos Sociais ocuparam nessa manhã o prédio da Cemig (Com-panhia Energética de Minas Gerais), em Belo Horizonte (MG). Eles protestavam contra as altas tarifas de ener-gia elétrica do estado e a reunião do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). A manifestação, que era pacífica, foi duramente reprimida.

Enquanto os manifestantes falavam no carro de som, seguranças armados da Cemig dispararam tiros para o alto, provocando pânico na multidão. O batalhão de choque da PM utilizou bombas de gás lacrimogêneo, ca-cetetes e disparos para dispersar a manifestação. Os vidros do carro de som foram quebrados e há dezenas de feridos e desaparecidos. O fotógrafo Léo Drummond, da Agência EFE, foi atingido por gás lacrimogêneo nos olhos e ficou impedido de continuar seu trabalho.

Os manifestantes se dirigiram para a Assembléia Legislativa de Minas Gerais e foram cercados por forte aparato policial. Segundo informações do local, helicópteros da PM deram vôos rasantes sobre a multidão. Seis trabalhadores foram presos. Ao mesmo tempo, na Praça Sete, uma manifestação de professores também foi dispersada com violência.

Gripe das aves já provoca demissões
A queda nas exportações de frango já provoca centenas de demissões, principalmente na região sul do país. Os efeitos do avanço da gripe aviária no mundo já provocam problemas para os trabalhadores brasileiros. Na segunda-feira, 320 empregados da empresa Avipal, localizada em Lajeado (RS), foram demitidos, somando-se a outros 22 que haviam sido dispensados na sexta-feira. A empresa também deu férias coletivas para outros 595 trabalhadores. O Sindicato dos Trabalhadores nas Indús-trias de Alimentação de Lajeado e Região teme novas demissões, uma vez que a empresa anunciou a diminui-ção na produção de 120 mil frangos por dia para 30 mil. Cerca de 70% da produção gaúcha de frango é expor-tada, principalmente para a Europa e o Oriente Médio. De acordo com números divulgados por entidades do setor, as exportações gaúchas caíram 17% em janeiro, na comparação com o mesmo mês em 2005.

As demissões já atingem também trabalhadores em Santa Catarina. Em março, a Seara Alimentos, uma das maiores empresas exportadoras de frango do país, anunciou a demissão de 300 trabalhadores, também em função da queda das vendas para o exterior.

Alerta do FMI
Um estudo do FMI divulgado no dia 13 de março advertiu que a economia dos países em desenvolvimento pode ser seriamente afetada no caso de uma epidemia de gripe aviária. Entre os efeitos negativos, o estudo apontou a redução de investimentos estrangeiros, quedas na produção, redução no consu-mo e danos à indústria do turismo. Na avaliação do FMI, caso se confirme a hipótese de disseminação da epi-demia, os mercados globais sofrerão um impacto agudo, mas de curto prazo. No caso dos países em desenvol-vimento, porém, o efeito deve ser pesado.

Globalização do problema
O fato de vivermos em uma economia altamente globalizada, com linhas de produção espalhadas por diferentes países, eleva o impacto de uma epidemia, gerando resultados em em-presas norte-americanas, por exemplo, mesmo que a maior contaminação ocorra na China. A gripe aviária não é uma doença nova. Ela foi identificada há cerca de cem anos em aves na Itália, constituindo-se em uma rami-ficação do vírus da gripe. A partir de 2003, ela voltou a preocupar as autoridades sanitárias do mundo inteiro, quando o vírus sofreu uma mutação e ganhou um novo nome, H5N1, potencialmente letal para os seres huma-nos. Somente na Ásia, mais de 60 pessoas já morreram. A principal preocupação é que o H5N1 sofra uma nova mutação, tornando-se ainda mais letal para os humanos.

Novo assentamento
Após dois anos da primeira ocupação, 102 famílias Sem Terra comemoraram no sábado (01/04) sua entrada na área de 1.600 hectares do Assentamento Terra Tombada, em Nova Santa Rita (RS).
O evento teve a presença de representantes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (In-cra), da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e de militantes que participaram da negociação.
O Incra informou que já começou a divisão dos lotes e que pretende investir em infra-estrutura no local. Por enquanto, os agricultores estão vivendo em barracas de lona, sem estradas nem água encanada.

CUT vence
A apuração dos votos nas eleições do Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro terminou às 5 horas da manhã deste sábado. A Chapa 1, da CUT, recebeu 66,4% dos votos da categoria, acabando com o sonho da Conlutas (PSTU + PSOL + PCB).

O processo eleitoral dos bancários do Rio foi visto por muitos como um “balão de ensaio”. O PSTU, desde o ano passado, vinha fazendo das lutas dos bancários a sua vitrine contra a CUT e contra o Governo Federal, preparando o lançamento de uma candidatura nas eleições de outubro.

Novo site do Dieese
Agora os trabalhadores poderão comparar, pela internet, salários e condições o-ferecidas no mercado de trabalho. O Dieese lançou o site www.meusalario.org.br, como parte das comemora-ções dos 50 anos da entidade.

Por meio do endereço eletrônico, o internauta pode obter as indicações dos salários praticados no mercado nacional para pessoas com perfis iguais, a partir do fornecimento de características profissionais. O visitante também pode responder a um questionário, que servirá como base de dados para a comparação com a realida-de dos vários países participantes.

100 demissões em dois dias
O Santander/Banespa demitiu cerca de 100 funcionários entre quinta e sexta-feira da semana passada. Desse total, 70 foram somente no estado de São Paulo. A informação é do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. Os Trabalhadores ameaçam fazer greve.

Varig ameaça demitir até 3 mil
Os funcionários da Varig enfrentam uma semana de turbulências. A companhia aérea ameaça demitir entre 2 mil e 3 mil trabalhadores nos próximos dias. O objetivo é reduzir cus-tos e tornar a empresa mais rentável. A empresa tentou negar que haveria demissões. Depois, confirmou que seriam entre 2 mil e 3 mil.

Ibama multa Aracruz em 606 mil reais
O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) aplicou uma multa de 606 mil reais na empresa Aracruz Celulose por plantio de eucalipto em zona de amortecimento do Parque Nacional do Descobrimento, no município de Prado, extremo sul da Bahi-a. A Aracruz descumpriu as orientações do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) e do Conama (Conselho Nacional de Meio Ambiente).
Segundo o Ibama, a empresa plantou de 202,92 hectares de eucalipto na Fazenda Santa Maria, que fica próxima à área do Parque Nacional do Descobrimento. Hoje, há cerca de 400 mil hectares de eucalipto planta-dos no extremo sul da Bahia. Estima-se que cerca de 12 mil estejam em áreas de conservação. O Ministério Público Federal já determinou a retirada dessas plantações e a recuperação das áreas degradadas.

Em dezembro do ano passado, outra empresa de celulose da mesma região, a Veracel, já havia recebido uma multa de 360 mil reais por dificultar a regeneração natural de florestas de Mata Atlântica em 1.200 hecta-res.

17 de abril: lembrança do massacre de Carajás e dia de luta contra o latifúndio
A imagem da violência que cerca de 150 policias cometeram contra os agricultores Sem Terra em Eldorado dos Carajás (Pa-rá), em 1996, dificilmente será esquecida.

O Massacre de 19 trabalhadores rurais tornou-se um símbolo da intransigência do latifúndio, com apoio do estado. Desde 1997, um ano depois do massacre de Eldorado dos Carajás, mais de 370 camponeses foram assassinados.
É por isso que o 17 de abril sempre será um dia de luta. Em homenagem aos mártires da violência de El-dorado, a Via Campesina declarou o dia 17 de abril como o Dia Internacional da Luta Camponesa. Em 2002, o governo brasileiro assinou um decreto estabelecendo a data como Dia Nacional de Luta pela Reforma Agrária.
Dia luta e homenagens. Desde o massacre de Eldorado dos Carajás, há 10 anos, o MST promove ocupa-ções de terra durante todo mês de abril. O objetivo é reforçar a importância simbólica que existe nesta data na luta contra o latifúndio. Durante as jornadas de luta, Sem Terra de todo Brasil erguem acampamentos com o nome de “17 de abril”.
Ouça o programa especial: http://www.mst.org.br/informativos/vozes/vozesinicial.htm

Evo tem 80% de aprovação
O presidente da Bolívia, Evo Morales, conta com 80% de aprovação dos cidadãos, segundo os resultados de uma pesquisa divulgada no domingo. A pesquisa, feita pela empresa Apo-yo, Opinión y Mercado, foi feita entre 13 e 25 de março, nas cidades de La Paz e no vizinho municípío de El Alto, bem como nas cidades de Cochabamba e Santa Cruz.

O aumento da popularidade do governante contrasta com os esforços dos partidos da oposição minoritária e dos meios de comunicação afins, que tentam denunciar supostos erros ou excessos do mandatário, falta de efetividade ou tendências autoritárias.

Venezuela toma campos de petróleo
A Venezuela retomou, no final de semana passada, o controle de dois campos petrolíferos operados por multinacionais estrangeiras, a francesa Total e a italiana Eni. As em-presas chegaram a um acordo com o governo dentro do período estipulado por Caracas para a migração de contratos. A Eni ameaçou tomar medidas judiciais.

A maioria das petroleiras que operam na Venezuela assinou acordos com o governo de Hugo Chávez con-cordando em converter seus antigos contratos de operação em companhias mistas (joint-ventures). Para a Venezuela, os 32 contratos de operação em vigor com petroleiras privadas são ilegais e prejudiciais à economia do país. No fim de semana, outros cinco campos foram devolvidos voluntariamente: dois pela espanhola Rep-sol; um pela japonesa Teikoku; um pela colombiana Hocol; e um pela venezuelana Inemaka. As empresas con-tinuam como minoritárias em outros campos de extração.

A Petrobras Energia, subsidiária da Petrobras que opera alguns poços na Venezuela, assinou a migração em setembro passado, durante visita de Chávez ao Brasil. Petrobras e PDVSA estão desenvolvendo uma série de projetos em parceria. Já a americana Exxon Mobil não aceitou os novos termos propostos pela Venezuela e vendeu suas operações no país à Repsol.

Aviões militares
A Venezuela pode comprar aviões militares da Rússia, depois que um negócio com o Brasil foi vetado pelos EUA. “Pedimos ajuda e a Rússia respondeu”, disse Chávez ontem, durante inspeção de helicópteros russos adquiridos pelo país. Para justificar a compra de armas, ele alega a ameaça de os EUA in-vadirem o país para derrubar o seu governo. “Os EUA não poderão desarmar a Venezuela”, afirmou.

Guatemala luta por Reforma Agrária
10 mil camponeses e camponesas percorreram, nesta quinta-feira, longas distâncias até a capital da Guatemala para exigir Reforma Agrária. Os pontos de entrada da cidade foram fechados pelos manifestantes, que conseguiram uma reunião com o vice-presidente Eduardo Stein.

A reivindicação central é que o governo reduza as dívidas das pequenas propriedades, que sofrem com a crise agrária. Além disso, os camponeses querem que o governo busque alojamento para as 600 famílias que foram despejadas da fazenda Nueva Linha e apresente uma solução concreta para as 250 áreas envolvidas em conflitos rurais.

Complicação no horizonte!
A China deveria parar de comprar títulos de Tesouro americano e tomar medidas para reduzir suas reservas nesses papéis, defendeu durante a semana uma alta autoridade chinesa. Analistas estimam que a China invista cerca de três quartos de sua reserva – que em 2005 subiu para US$ 818,9 bilhões – em papéis dos EUA. É o maior financiador do país, depois do Japão.

A compra desses títulos americanos tem sustentado, por sua vez, o enorme déficit fiscal dos EUA. Uma possível mudança das preferências de Pequim poderia provocar uma desestabilização econômica mundial – a preocupação dos economistas é de que se os americanos não tiverem como financiar sua dívida, sua economia perderá fôlego… e o mundo inteiro afunda jungo.

Berlusconi chama eleitor de esquerda de cretino
O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, usou a expressão “coglioni” (cretinos) para se referir a eleitores que votarem na oposição de esquerda nas elei-ções parlamentares deste final de semana. “Estimo muito a inteligência dos italianos para crer que haja por aí tantos ‘coglioni’ que votem contra seus próprios interesses”, disse. Depois, ele pediu desculpas e disse que foi uma ironia.

“Sou um cretino”!
Simpatizantes da oposição de centro-esquerda participam de uma manifestação em Turim, na Itália, levando cartazes com a frase: “Sono un coglione” (sou um cretino). Foi uma resposta à decla-ração do primeiro-ministro Silvio Berlusconi, candidato à reeleição nas eleições para qualificar os eleitores do candidato da oposição, Romano Prodi.

Estudantes feridos no protesto
Cinco estudantes franceses ficaram feridos nesta quinta-feira quando a polícia francesa tentou reprimir um protesto na estação de trens de Toulouse (França). Os estudantes faziam mais uma manifestação contra a lei do Contrato de Primeiro Emprego.

Dezenas de estudantes ocuparam a estação e bloquearam o tráfego ferroviário durante duas horas. Os sindicatos de trabalhadores e os estudantes anunciaram que estão entregando um ultimatum ao governo e exibem que seja revogada a Lei. Deram um prazo ao governo: 17 de abril. Depois disto, greves e manifesta-ções vão “explodir” em toda a França.

Primeiro-ministro avisa que vai enfrentar
Dominique de Villepin, primeiro-ministro francês, decla-rou nesta sexta-feira que não está disposto a recuar. Em uma coletiva com a imprensa, procurou demonstrar serenidade diante da crise. Ele defendeu o projeto do CPE (Contrato de Primeiro Emprego) e disse que não vai ceder às pressões.

Irã tem míssil submarino
O governo do Irã anunciou, durante a semana, o êxito no teste de um no-vo míssil submarino, inteiramente feito no país, e que é o mais rápido do mundo. O novo míssil alcança a velo-cidade de 100 metros por segundo, e seu adversário mais próximo só alcança 25 metros por segundo.

Técnicos militares asseguram que “é muito difícil que navios de guerra ou submarinos consigam escapar deste míssil”. Um porta-voz militar disse que o Irã apenas se defenderá no caso de uma invasão.

Passeata imigrantes em Nova York
Milhares de imigrantes, sobretudo latino-americanos, exigiram em Nova York uma reforma migratória justa, numa passeata que recebeu surpreendente adesão popular. Ao atravessar a ponte de Brooklyn, centenária e conhecida em cartões e filmes, a manifestação parecia um gigan-tesco mosaico de cores, devido às bandeiras de diferentes países que levavam os participantes, enquanto os motoristas expressavam seu apoio buzinando seus carros. “Somos trabalhadores, não criminosos” e “Ninguém é ilegal” eram frases pintadas nos cartazes.

A passeata foi convocada por 50 organizações, lideradas pela Organização de Ministros Hispânicos, porém aderiram outros grupos até conseguir um histórico protesto de imigrantes, comparável com os realizados em Los Ángeles e Chicago.

Briga de cachorro grande!
Uma Agência de Notícias dos EUA revelou uma disputa entre o secretário de Defesa, Donald Rumsfeld, e a secretária de Estado, Condoleezza Rice. Segundo a agência Rumsfeld teria dito que Rice “tem pouco conhecimento sobre táticas de guerra”. A crítica foi feita quando ele respondia a uma entrevista sobre os comentários de Condoleezza Rice dizendo que os EUA “certamente cometeram milhares de erros táticos no Iraque”. A entrevista do secretário foi ao ar pela emissora de TV WDAY, do Dakota do Norte.