Magistério de Neópolis terá novo plano de carreira

41

A negociação para reformular o plano de carreira do magistério da rede municipal de Neópolis foi encerrada na segunda-feira, 08. Os professores consideram o novo plano uma conquista e esperam que seja enviado para votação, na Câmara Municipal, ainda esta semana. A negociação para reformular o plano de carreira do magistério da rede municipal de Neópolis foi encerrada na segunda-feira, 08. Os professores consideram o novo plano uma conquista e esperam que seja enviado para votação, na Câmara Municipal, ainda esta semana.

Com a aprovação do novo plano, a diferença do salário-base entre os níveis I e II passará de 20% para 50%. A gratificação de regência de classe, que era de 20%, será de 27% do salário-base. A reformulação do plano de carreira vai garantir também o cumprimento da mudança de letra, de acordo com o tempo de serviço do educador. O magistério comemora o fato de o menor valor do salário-base ter ficado acima do salário mínimo. O professor, em início de carreira, vai receber R$ 391,00.

Ônibus superlotado transporta professores em Neópolis
Os professores da rede estadual de ensino, que trabalham em Neópolis, reclamam das condições do transporte disponível para se deslocarem até as escolas dos povoados. O ônibus existente deveria transportar apenas os alunos, mas, por falta de opção, os professores utilizam o mesmo veículo. O resultado disso é a superlotação do ônibus, que viaja com cerca de 110 passageiros, colocando em risco a vida de professores e alunos.

“Tem gente que viaja sentada até no motor. O ônibus não consegue subir a ladeira e temos que descer para subirmos a pé”, relata a professora Jociene Silva. Essa situação já foi comunicada à Secretaria Municipal de Educação, mas até o momento não houve solução. A professora Jociene ressalta que a maioria dos estudantes transportados é do ensino médio, ou seja, o transporte desses alunos é de responsabilidade do Governo do Estado.

Escola estadual está sem merendeira
A situação da merenda na Escola Estadual Betume, em Neópolis, está preocupando os professores. Desde o ano passado, a unidade de ensino está sem merendeira para preparar o lanche dos alunos. Duas mães faziam esse trabalho, de forma voluntária, mas já informaram que não vão continuar. A escola recebe os alimentos, que chegam a estragar por falta de merendeiras.

Para muitas crianças, que freqüentam a escola, a merenda é a refeição mais importante do dia e, sem a alimentação, deixam de ir às aulas. O problema já foi comunicado à Diretoria Regional de Educação -DRE-6, mas não foi solucionado. Os professores fazem um apelo à administração estadual para que as merendeiras sejam contratadas.