Professores de São Cristóvão vão parar

31

A reivindicação do magistério é de R$ 330, mas o prefeito diz que só vai pagar R$ 300 Os professores da rede municipal de São Cristóvão não aceitam a proposta de reajuste salarial da prefeitura. Na segunda-feira, 22, o magistério vai paralisar suas atividades e, na terça, 23, fará assembléia, às 9 horas, no Colégio Estadual Paulo Sarasate.

A reivindicação dos educadores é de 16,20% de aumento, passando o salário básico para R$ 330,00. A Lei do Fundef determina que, no mínimo, 60% dos recursos do fundo sejam utilizados para o pagamento dos salários dos professores. A proposta do magistério atinge 68,6% desses recursos, estando de acordo com a lei.

Outra proposta – O prefeito José Correia Santos, o Zezinho da Everest, comunicou à comissão de negociação do SINTESE que só vai reajustar os salários dos educadores em 5,63%. Com esse aumento, o salário passa a R$ 300,00. A outra proposta da administração é pagar esse salário até julho e, a partir de agosto, período em que será iniciada a campanha eleitoral, aumentar para R$ 310,00.

Os professores reivindicam ainda a elaboração do calendário anual de pagamento, a prestação de contas dos recursos do Fundef, do Programa de Educação de Jovens e Adultos – EJA – e do Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar. Além disso, o pagamento da gratificação por titulação e reforma nas escolas.