Prefeito de Lagarto atropela negociação com os professores

24

Câmara Municipal recebe projeto de lei, em caráter de urgência, e aprova 4,63% de reajuste Depois da paralisação do magistério municipal de Lagarto, na quinta-feira, 25, o prefeito Zezé Rocha recebeu a comissão do SINTESE para retomar a negociação salarial. O prefeito comunicou que apresentaria nova proposta de reajuste na quarta-feira, 31, mas enviou à Câmara Municipal o projeto de lei com reajuste salarial do magistério, para votação em caráter de urgência. A Câmara aprovou o aumento de 4,63% no salário do professor.

“Fomos surpreendidos com essa atitude do prefeito de desrespeito ao magistério. Ainda estávamos em negociação com a administração municipal”, afirma o professor Reginaldo Santos, coordenador da sub-sede regional do SINTESE no centro-sul. Segundo Reginaldo, os professores esperam que o prefeito apresente uma nova proposta, como foi acordado em reunião, pois o magistério não está satisfeito com 4,63% de aumento.

O prefeito Zezé Rocha se comprometeu ainda em elaborar um calendário de pagamento de direitos que estão na pauta da campanha salarial. Os professores reivindicam a gratificação de difícil acesso, a progressão vertical, redução da jornada de trabalho, o pagamento dos 15 dias de férias do mês de julho, acesso à folha de pagamento da Secretaria Municipal de Educação e a paridade entre os salários dos professores ativos e aposentados. A próxima assembléia do magistério de Lagarto acontecerá no dia 05 de junho, com indicativo de greve.