Educadores de Malhador ocupam prédio da prefeitura

26

Nesta terça (20) os educadores de Malhador ocupam o prédio da prefeitura em busca de diálogo para negociar uma extensa pauta de reivindicações. Os professores paralisaram as atividades segunda-feira (19). Nesta terça (20) os educadores de Malhador ocupam o prédio da prefeitura em busca de diálogo para negociar uma extensa pauta de reivindicações. Os professores paralisaram as atividades segunda-feira (19). Esta é a segunda vez que os professores de Malhador interrompem as aulas, a primeira foi no início do mês (dia 05) e pretendia chamar a atenção do prefeito para discutir a situação educacional no município, mas até agora o prefeito Marcos Élan Alves de Araújo não recebeu os educadores.

Revisão salarial, cumprimento do Estatuto do Magistério e a concessão de todos os benefícios estão entre as reivindicações. O estatuto foi a aprovado em 2004 e até hoje nenhum de seus artigos foi cumprido. Atualmente os professores de Malhador recebem como salário base R$240.

A estrutura de algumas escolas do município põe em risco a vida dos alunos. Em outras a falta de condições prejudica a aprendizagem. Na Escola Pacheco a iluminação precária atrapalha o ensino dos alunos do período noturno. Na Escola Rural Alecrim a reforma e conseqüente reabertura só vã acontecer após as denúncias dos professores. A escola estava fechada a dois meses e os alunos de três turmas estão estudando numa mesma sala. Os educadores denunciam também que falta material (principalmente papel e giz) para desenvolvimento de suas atividades.

Em Malhador só se sabe quanto a prefeitura recebeu de recursos do Fundef – Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério – porque os dados são encontrados no site do Ministério da Educação. Mas o uso desses recursos é desconhecido pela população de Malhador, pois os gestores municipais não disponibilizam a prestação de contas ao Conselho do Fundef. O SINTESE e o conselho já fizeram solicitações da prestação de contas e da folha de pagamento analítica, mas os pedidos foram recusados.