Professores de Riachuelo paralisam por dois dias

25

O protesto é contra a proposta de 1% de aumento apresentada pela prefeitura Os educadores de Riachuelo paralisam as atividades nos dias 03 e 04 em virtude da proposta de revisão salarial apresentada pela prefeitura. Os educadores também exigem transparência nos gastos da Educação e material didático nas escolas.

A proposta apresentada pela administração municipal de 1% de reajuste salarial é considerada absurda pelos educadores. Estudos do SINTESE mostram que o município pode conceder uma revisão salarial de 14% sem nenhum prejuízo às suas receitas. Outra preocupação dos educadores é com relação a utilização dos recursos destinados a Educação. A prefeitura de Riachuelo não tem prestado contas sobre o dinheiro recebido.

Desde o início da campanha salarial que os professores tentam uma audiência com o prefeito Antonio Carlos Franco Sobrinho e esperam que com a paralisação ele se solidarize com a categoria e possa abrir o diálogo.

Professores de Campo do Brito podem entrar em greve

Depois de realizar várias paralisações de advertência os professores de Campo do Brito podem entrar em greve por tempo indeterminado. Eles reivindicam reajuste salarial digno, cumprimento do Plano de Carreira e Remuneração do Magistério, prestação de contas dos recursos da Educação e o cumprimento da Lei do Fundef.

Os professores reivindicam a mudança automática de nível e de letra, o funcionamento dos conselhos do Fundef e da Merenda Escolar.

A questão salarial em Campo do Brito é grave, segundo estudos do SINTESE a prefeitura está gastando apenas 54% dos recursos do Fundef com pagamento de salários. A lei determina que esse percentual seja de no mínimo 60%. Segundo Maria Enivalda Leite dirigente da sub-sede de Itabaiana a proposta de 5% apresentada pela prefeitura não atende a categoria e não atinge o mínimo exigido por lei.

Greve em Salgado continua

A situação continua grave em Salgado, os professores decidiram em assembléia geral continuar o movimento grevista que já dura 50 dias. A prefeitura não abre o diálogo com os professores, ao contrário semana passada entrou com pedido de ilegalidade da greve na justiça e ameaçou cortar os salários. Mas a juíza Cléa Monteiro Alves Schlingmann negou o pedido da prefeitura alegando que a greve é um direito do trabalhador assegurado pela Constituição Federal e que cortar os vencimentos seria retirar o direito dos servidores a protestar contra a política salarial adotada.

Professores de Frei Paulo vão a Câmara de Vereadores

Nesta quinta-feira os educadores de Frei Paulo ocupam as galerias da Câmara de Vereadores para entregar aos parlamentares uma carta pedindo a intervenção deles na resolução dos problemas na Educação do município. Nos dias 26, 27 e 28 os professores fizeram paralisação denunciando as irregularidades que estão acontecendo na Educação e tentando sensibilizar o prefeito Aderbaldo Oliveira e até agora não há resposta.

Educadores de Santo Amaro fazem via crúcis

Os professores da rede municipal realizam nesta quinta-feira, 03, a partir das 19h, uma via crúcis nas ruas do município em protesto a situação de abandono que estão as escolas de Santo Amaro. No último dia 20 os professores realizaram um pedágio para angariar fundos e comprar material didático e de higiene que estão faltando nas escolas. Somente após o ato que o prefeito comprou os materiais e abasteceu as escolas. Durante o ato os professores pretendem entregar nas escolas o material comprado com o dinheiro do pedágio.