Professores de Educação Física debatem sobre a perseguição do governo do estado

22

O SINTESE realiza nesta sexta-feira a partir das 14h no auditório da FAPESE, localizado na Estação UFS, o Encontro dos Professores de Educação Física da rede estadual de ensino. O SINTESE realiza nesta sexta-feira a partir das 14h no auditório da FAPESE, localizado na Estação UFS, o Encontro dos Professores de Educação Física da rede estadual de ensino. No encontro serão discutidas as remoções dos professores de Educação Física, o desrespeito ao Estatuto do Magistério, o decreto que nega o direito à Educação Física aos alunos da 1ª a 4ª séries do Ensino Fundamental e serão encaminhadas as ações buscando a reconquista dos direitos.

Nos últimos anos os professores de Educação Física da rede estadual têm sofrido com a adoção de políticas de negação de direitos de professores e alunos que estão sendo desrespeitados em seu local de trabalho.

Em junho os professores de Educação Física da rede estadual foram “contemplados” com uma portaria que determina que todos os professores de Educação Física da Educação Infantil e das primeiras séries do Ensino Fundamental sejam removidos para “atender as quatro últimas séries do Ensino Fundamental, Ensino Médio bem como modalidade presencial a Educação de Jovens e Adultos”. Em outro trecho da lei está o mais grave, as aulas de Educação Física ficam agora a cargo de professores “com formação em nível médio, na modalidade normal e superior pedagógico”, ou seja, o Governo do Estado está colocando professores que não tem formação adequada para ministrar aulas de Educação Física para crianças.

De acordo com o vice-presidente do SINTESE, Carlos Sérgio Lobão, essa ação da SEED está prejudicando profissionalmente os educadores da área. “A SEED está se sustentando num parecer do Conselho Nacional de Educação que em momento algum proíbe que o professor de Educação Física atue nas primeiras séries do Ensino Fundamental. Essa atitude denota um caráter de perseguição aos profissionais”, afirmou.

Ele explicou que o prejuízo para os educadores é enorme, pois eles já tinham horário definido e também há a questão do outro vínculo empregatício. “Muitos professores têm dois vínculos para poder sustentar suas famílias com dignidade. E agora com uma atitude dessa o governo desorganiza a vida desses profissionais”, completou.

Em audiência realizada com o departamento de Educação Física, ficou claro que para atender a obrigatoriedade da LDB que torna a Educação Física obrigatória no turno noturno desde dezembro de 2003, o Estado remaneja os profissionais que atuam da 1ª a 4ª série para o turno da noite.

A diretoria do SINTESE alerta os professores de Educação Infantil e da 1ª a 4ª série do Ensino Fundamental que não ministrem aulas e não assinem diários de classe referentes a essa disciplina, pois isso pode ser prejudicial a eles mesmos. “É um perigo um professor que não está habilitado a dar aulas de Educação Física assumir esta responsabilidade. Se a criança sofre um acidente ou tem alguma lesão, este professor, que não está qualificado será responsabilizado”, apontou Roberto Silva, diretor de Comunicação do SINTESE.

Não há falta de professores de Educação Física, pois centenas foram aprovados e esperam ser chamados no último concurso realizado pela secretaria de Educação. “Temos que pressionar o Estado a efetivar estes professores. O SINTESE inclusive está com uma ação na justiça para garantir os direitos dos professores da área de Educação Física”, disse Carlos Sérgio.