XI Congresso do SINTESE discute política neoliberal na Educação

43

No período de 23 a 26 de agosto aproximadamente dois mil professores se reúnem no Iate Clube de Aracaju para participarem do XI Congresso do SINTESE. O sindicato espera a participação de dois mil educadores. No período de 23 a 26 de agosto aproximadamente dois mil professores se reúnem no Iate Clube de Aracaju para participarem do XI Congresso do SINTESE. O congresso é o fórum máximo de deliberação do Sindicato e é realizado a cada dois anos. Em 2006 vai ter como tema principal “A resistência do movimento sindical frente ao neoliberalismo na educação” a escolha foi em função das políticas educacionais implantadas nas redes municipal e estadual que são construídas numa ótica totalmente neoliberal.

. “O SINTESE tem acompanhado em outros estados e países os malefícios causados pela aplicação destas políticas neoliberais. Os professores têm seus direitos retirados e ficam destituídos do sentimento de classe trabalhadora. Por isso trouxemos esse assunto para debatermos nossa instância máxima, que é o Congresso”, explicou o diretor de Comunicação, Roberto Batista.

O que for decidido em um congresso só pode alterado no seguinte. O evento é muito importante para a categoria porque faz em conjunto avaliações da situação política, econômica, social nos âmbito local, nacional e internacional; debate questões e políticas públicas na área educacional; faz uma avaliação da atuação da entidade nos últimos dois anos e aprova o Plano de Lutas do Magistério Público.

Mesas e Conferências

Para contribuir e suscitar o debate sobre o SINTESE convidou uma miríade de profissionais de vários campos da Educação e também da Comunicação Social. Na mesa de abertura do XI Congresso o tema é: “Os desafios dos movimentos sociais frente à atual conjuntura”. Para debater junto aos educadores foram convidados jornalistas representantes de três importantes órgãos da imprensa nacional: a revista Carta Capital e a Agência Carta Maior e o jornal Brasil de Fato. Esses três veículos têm sua linha editorial voltada para a discussão da verdadeira realidade brasileira e contribuem no debate pelas mudanças sociais, além da defesa pela democratização dos meios de comunicação. Os dias seguintes terão a participação do professor André Martins da Universidade Federal de Juiz de Fora e das professoras da Universidade Federal de Sergipe, Sônia Meire e Liana Torres. A UNICAMP também participa do XI Congresso com os professores Corinta e Wanderley Geraldi.

O SINTESE também fez parceria para este congresso com a Universidade de Siegen na Alemanha e convidou para falar sobre “Os profissionais da Educação na resistência às políticas neoliberais” a professora Maria Benites contribui também no debate a ex-secretária de Educação da cidade de São Paulo, Maria Aparecida Perez. O último dia é dedicado a leitura, discussão e avaliação das teses propostas pelos congressistas e pela direção executiva do SINTESE. Outro ponto importante do encerramento do congresso é a votação das emendas às teses e moções.

Quem pode participar?

Só participam do congresso os filiados ao SINTESE que se dividem em delegados e observadores. Os primeiros são eleitos em plenárias até o dia 11 de agosto. Eles têm direito a voz e voto, podem apresentar propostas para o Caderno de Teses, Plano de Luta e emendas ao Estatuto do SINTESE, além de participam de todas as etapas do congresso. O valor da taxa de inscrição depende da remuneração líquida do educador e varia de R$4 a R$12. Já os congressistas observadores podem participar das conferências e debates, mas é vedada a participação nos trabalhos em grupo e nas plenárias deliberativas. O prazo final para inscrição dos observadores também é no dia 11 de agosto. As inscrições podem ser feitas nas sub-sedes regionais e na sede central do SINTESE. A taxa para observadores é de R$15. O credenciamento será no período de 18 a 22 de agosto no Centro de Formação do SINTESE e no primeiro dia do congresso, no Iate Clube de Aracaju.

Programação Cultural

O XI Congresso também é um espaço marcado pelas manifestações culturais. Como é comum nos congressos do SINTESE, antes de cada palestra acontece uma apresentação cultural. Esta apresentação é montada por alunos e professores na sala de aula. Segundo Maria Bernadete Pinheiro, diretora do departamento Desportivo Sócio-cultural essas apresentações são importantes no processo de troca de experiências e integração dos participantes do congresso. Estão previstos também vários estandes onde os professores poderão divulgar seus projetos culturais ou de pesquisa. Outra ação cultura do congresso é a livraria itinerante, lá os educadores vão poder ter acesso a livros de diversos autores, com destaque para os escritores sergipanos. “Essa é uma oportunidade dos educadores mostrarem o trabalho feito em sala de aula com seus alunos e também de dar visibilidade a cultura e a pesquisa do nosso Estado”, explicou.