Falta planejamento para merenda escolar da rede pública de Sergipe

26

Muitos gestores de escolas da rede pública de Sergipe não sabem quantos alunos são beneficiados com a merenda escolas. Muitos gestores de escolas da rede pública de Sergipe não sabem quantos alunos são beneficiados com a merenda escolas. A prova disso é que segundo o “Perfil das Escolas de Sergipe 2006” lançado pelo SINTESE no último dia 26, em 25,15% das unidades de ensino da rede estadual o lanche é insuficiente, o percentual aumenta para 37% nas escolas da rede municipal. Ainda segundo o estudo, 43,07% das escolas da rede municipal e 35,44% da rede estadual não ofereceram merenda aos seus alunos. Em muitos casos os estudantes ficaram até dois meses sem alimentação durante os intervalos. A falta de planejamento e a conseqüente demora do processo licitatório são as principais causas do desabastecimento.

A pesquisa também mostrou a baixa qualidade da merenda escolar em nosso Estado. Em 1/4 das escolas pesquisadas foram verificados problemas nos cardápios como pouca variedade e excessiva repetência de alimentos. Em muitas unidades, as refeições são paupérrimas à base, por exemplo, de biscoito e achocolatado; pão com suco; broa e mugunzá. . “O direito a alimentação deve ser respeitado pelos gestores. Os alunos não podem ficar sem merenda por causa da ineficiência ou desinteresse de diretores e secretários de Educação”, afirmou Joel Almeida, presidente do SINTESE.

Professores de Brejo Grande tentam marcar audiência com o Prefeito

Há meses que os professores de Brejo Grande, através da Comissão de Negociação, tentam marcar uma audiência com o prefeito Carlos Augusto Ferreira para negociar uma pauta extensa de reivindicações. Mas até agora o prefeito não recebeu a categoria. Os professores reivindicam: elaboração e aprovação do Estatuto do Magistério; revisão salarial; descontos de importo de renda e 13° salário; titulação;adicional de aposentadoria; redução da carga horária e concurso público.

Segundo Alberto dos Santos, da sub-sede Baixo São Francisco II, que abrange o município de Brejo Grande, a atitude do prefeito em desconsiderar as reivindicações da categoria não está sendo bem recebida pela comunidade escolar. “O prefeito precisa mostrar a sua preocupação com os educadores, pois sabemos que eles são peça chave para o desenvolvimento do município”, comentou.

Professores de Neópolis reinvindicam Transporte Digno

No início deste mês os professores da rede municipal entregaram a secretária de Educação um abaixo-assinado onde eles reivindicam que seja colocado um transporte para os educadores que trabalham nos povoados Tapera, Alto Santo Antônio, Fazendinha, Sítio São José e Flor do Brejo.

A situação dos professores que trabalham neste povoado é desconfortável, pois para ir trabalhar dividem apenas um ônibus com os estudantes do ensino médio. Segundo a professora Jociene Amorim muitas vezes o ônibus fica lotado colocando em risco tanto a vida dos educadores quanto dos estudantes. Os professores deram um prazo a prefeitura que se a situação não for corrigida eles vão procurar o Ministério Público.