Ana Lúcia e Iran representam os professores de Sergipe na Assembléia e na Câmara Federal

20

Os professores da rede pública de Sergipe contam agora com dois representantes no legislativo. Os professores da rede pública de Sergipe contam agora com dois representantes no legislativo. Reeleita com 30.021 votos a professora Ana Lúcia continua na Assembléia Legislativa defendendo os professores da rede pública de Sergipe e também os trabalhadores tanto do campo quanto da cidade. Com 41.850 votos o professor Iran Barbosa deixa a Câmara de Vereadores de Aracaju e passa a atuar em defesa dos trabalhadores sergipanos e brasileiros na Câmara Federal. Tanto Ana Lúcia Iran Barbosa foram presidentes do SINTESE e lutam por uma sociedade mais justa e igualitária.

Professores de Neópolis apresentam Plano de Carreira e Remuneração do Magistério

Nesta sexta-feira, 06, os educadores da rede municipal de Neópolis apresentam para população o Plano de Carreira e Remuneração do Magistério. O plano é o resultado da luta por um Magistério de qualidade social para os professores da rede municipal de ensino.

Com a aprovação do novo plano, a diferença do salário-base entre os níveis I e II passará de 20% para 50%. A gratificação de regência de classe, que era de 20%, será de 27% do salário-base. A reformulação do plano de carreira vai garantir também o cumprimento da mudança de letra, de acordo com o tempo de serviço do educador. Com o novo plano o menor valor do salário-base ficou acima do salário mínimo. O professor, em início de carreira, vai receber R$ 391,00.

SINTESE distribui cartilha sobre avaliação de desempenho

A cartilha “Avaliação do professor ou avaliação do ensino?” é um estudo promovido pelo SINTESE com o apoio do Núcleo Piratininga de Comunicação e mostra como o sindicato vê a implantação a partir do ano passado do Sistema de Avaliação Periódica de Desempenho – SAPED que serve com base para a Gratificação Periódica de Desempenho – GRAVAD. S. Desde a sua implantação que o SINTESE repudia o SAPED, pois o considera em sua forma e conteúdo como nocivo para os professores da rede pública estadual.

Segundo o sindicato o Sistema de Avaliação pretende responsabilizar professores e alunos por eventuais dificuldades na escolarização, pois foi a política do estado e do Governo que não tiveram compromisso com a educação da rede pública sergipana.

A cartilha também mostra vários pontos que o SAPED não considera como, por exemplo: o projeto de educação em andamento, o plano de trabalho docente, o perfil de entrada e saída dos alunos da escola, o modelo de gestão pedagógicas, administrativa e financeira, entre outros. “Essa avaliação estimula o individualismo, promove a competição entre os professores dentro das escolas estaduais. Para fazer um contraponto a esse modelo o SINTESE elaborou a cartilha informando os prejuízos que a avaliação está causando a educação pública sergipana”, ressaltou o presidente do SINTESE, Joel Almeida.

Além de distribuir aos professores, o sindicato enviou a cartilha para o Ministério Público, OAB, universidades, entre outros, pois segundo a direção do SINTESE a cartilha deve ser discutir nos mais diversos espaços possíveis e que as reflexões nela contidas possam esclarecer a sociedade sergipana o conceito de avaliação do ensino defendido pelo SINTESE.