Reportagem sobre trabalho infantil é premiada

39

A reportagem A Idade da Pedra, publicada em fevereiro de 2006 pela revista do Observatório Social, rece-beu a Menção Honrosa do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos – categoria revis-ta. A reportagem A Idade da Pedra, publicada em fevereiro de 2006 pela revista do Observatório Social, rece-beu a Menção Honrosa do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos – categoria revis-ta. O Herzog é a principal premiação do jornalismo brasileiro na área de direitos humanos e foi criado três anos após o assassinato do jornalista Vladimir Herzog por agentes da repressão política, em 1975. O objetivo é reco-nhecer e premiar os jornalistas que, através de seu trabalho, colaboraram com a promoção da cidadania e dos direitos humanos e sociais. E reverenciar a memória de Herzog, preso, torturado e morto pela ditadura militar.

A reportagem premiada é de autoria do jornalista Marques Casara. As fotos são de Sérvio Vignes e a edição de Dauro Veras. Para ler: http://www.observatoriosocial.org.br/portal/content/view/627/89

Racismo no Brasil
A segunda edição da pesquisa Retratos da Desigualdade, realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), aponta que as mulheres negras sofrem duplo preconceito por causa da discriminação no mercado de trabalho, no atendimento da saúde e educação. A pesquisa foi divulgada no final de setembro e comprova o preconceito presente em vários aspectos da vida da mulher negra. Um dado afirma que 44,5% das mulheres negras nunca fizeram exame clínico de mama, aquele capaz de identificar o câncer em estágios iniciais. Para mulheres brancas este percentual é de 27,3%.

Vítimas do racismo e do machismo, as mulheres negras ocupam os piores postos de trabalho, recebem salá-rios menores e sofrem com as relações informais. Enquanto o salário médio mensal das brancas foi de R$ 561,70, o das afro-descendentes ficou na casa de R$ 290,50. Entre os homens a diferença também é grande: R$ 931,50 para homens brancos e R$ 450,70 para negros. Matéria na página do Ipea e na Agência CUT.

Trabalhadores mantêm aumento real
As categorias com data-base no terceiro trimestre continuaram a negociar acordos salariais com aumento real. Mesmo as categorias em setores afetados pelo câmbio aprecia-do (calçadistas e têxteis) têm conquistado aumento real superior ao do ano passado. Os baixos índices de infla-ção ajudam nas negociações deste ano. Um levantamento do Dieese apurou que no primeiro semestre deste ano 96% das categorias conseguiram negociar acordos que repuseram pelo menos a inflação. O percentual de acordos que superaram a inflação, medida pelo INPC, chegou a 82%, número bem acima dos 67,4% dos seis primeiros meses do ano passado.

Químicos pedem 5% e metalúrgicos, 10%
Grandes categorias com data-base no último trimestre já começaram a campanha salarial. Os petroleiros, com data-base em setembro, só começaram a negociar agora. Os trabalhadores na indústria química de São Paulo, com data-base em novembro, entregaram uma pauta de reivindicações que inclui além da reposição integral da inflação um reajuste de 5% e o pagamento de uma Par-ticipação nos Lucros e Resultados (PLR) no valor equivalente a três pisos salariais da categoria. Os metalúrgicos de São Paulo, com data-base em novembro, reivindicam um reajuste salarial de 10%.

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) também já entregou sua proposta à Petrobrás no fim de setembro. Os trabalhadores querem um aumento de 10%, sendo 2,8% referentes à inflação acumulada pelo Índice de Custo de Vida (ICV) medido pelo Dieese e o restante ganhos reais.

Lupion será réu por crime eleitoral
A campanha da Via Campesina foi vitoriosa e , na sexta-feira (06/10), os ministros do STF acataram por unanimidade a denúncia de crime eleitoral apresentada pelo Minis-tério Público Federal contra o deputado federal Abelardo Lupion (PFL-PR). Em 18 e 28 de setembro, cerca de 300 lavradores da Via Campesina ficaram acampados em frente à Fazenda Santa Rita, de propriedade do depu-tado Lupion, em Santo Antônio da Platina. O acampamento deu início à campanha da Via Campesina para de-nunciar a corrupção do agronegócio. O parlamentar é um dos principais articuladores da bancada ruralista.

Protesto contra Aracruz no ES
Um protesto com cerca de 300 pessoas marcou o início da XVII Feira do Verde, o maior evento ambiental realizado pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semmam) da prefei-tura de Vitória (ES). Patrocinado pelas principais empresas poluidoras do estado, entre elas a CST (Companhia Siderúrgica de Tubarão), CVRD (Companhia Vale do Rio Doce) e a Aracruz Celulose, a Feira deste ano tem co-mo tema a educação ambiental. A Brigada Indígena, com o apoio do Diretório Central dos Estudantes da UFES (Universidade Federal do Espírito Santo) e da Rede Alerta Contra o Deserto Verde, organizou um protesto na abertura do evento para questionar o financiamento dessas empresas. Fantasiados de eucaliptos e com faixas exigindo a demarcação das terras indígenas e quilombolas, os manifestantes vaiaram o prefeito de Vitória e o vice-governador do estado, que também receberam verbas dessas empresas em suas campanhas eleitorais.

Educação em Movimento
O MST do Maranhão realizou entre os dias 03 e 06 de outubro de 2006 o En-contro Estadual de Educadores e Educadoras da Reforma Agrária. Os Sem Terra se reuniram no Centro Padre Josimo, do Assentamento Diamante Negro, em Igarapé do Meio (MA). O encontro é realizado anualmente e reúne educadoras e educadores de todas as escolas de áreas de Reforma Agrária acompanhadas pelo MST. Nesse ano, cerca de 150 Sem Terra estiveram presentes para fazer um balanço da educação no último período e traçar metas. O tema principal da atividade foi a escola e o seu papel na sociedade. As educadoras e os edu-cadores discutiram como o ensino pode ser um instrumento de transformação.

Assassinado vereador que denunciava grilagem no Pará
O vereador Gerson Cristo (PT), 40 anos, que denunciava grilagem de terras, desmatamento e a exploração ilegal de madeira, foi assassinado com três tiros na cabeça, no sábado (7), por dois pistoleiros em São Félix do Xingu (PA). Ele tinha inimigos também na Câmara Municipal depois de suas denúncias de corrupção. O delegado Renato da Fonseca, responsável pelas investigações, disse que os pistoleiros ainda não foram presos. A mulher de Cristo viu os criminosos e resolveu sair da cidade, temendo represália.

CNBB e Cáritas Brasileira fazem campanha pelos povos do Líbano
Um mês depois do ataque de Israel ao Líbano, organizações de todo o mundo iniciaram campanhas em favor dos libaneses que estão sendo massacrados pelos soldados de Israel. No Brasil a campanha iniciada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e Cáritas já conseguiu arrecadar cerca de R$ 66 mil reais. Os recursos arrecadados serão utiliza-dos para a compra de alimentos, agasalhos, água e medicamentos para os sobreviventes desta guerra que já dura quatro meses. As doações podem ser feitas, até o dia 30 de novembro, nas contas do Banco do Brasil – agência 3475-4, conta corrente 39000-3 ou Caixa Econômica Federal – agência 2, conta corrente 5629-0. O conflito entre Libaneses e Israelenses, já vitimou milhares de militares e civis, incluindo 8 brasileiros.

A CIA sabia!
Luis Posada Carriles avisou um funcionário da CIA que estava planejando o atentado contra o avião da Cubana de Aviación, segundo um documento oficial estadunidense. O documento agora disponível mostra que ele estava informando secretamente a agência sobre ataques planejados por exilados cubanos de extrema direita. O documento não diz se a CIA chegou a fazer algo para evitar o ataque. Um porta-voz da a-gência disse ontem que não comentaria o assunto no momento.

A CIA tinha amplos contatos com extremistas anticastristas e chegou a treinar vários deles. O Arquivo de Segurança Nacional, que busca a publicação de informações secretas do governo mediante a Lei de Liberdade de Informação, colocou os documentos em seu site da internet na última quinta-feira.

O vôo da Cubana de Aviación, em viagem da Venezuela a Havana, explodiu pouco depois de uma breve es-cala em Barbados em 6 de outubro de 1976, matando todos os seus 73 ocupantes, entre eles a equipe cubana de esgrima.

Posada é um problema para EUA
O caso do terrorista internacional Posada Carriles é um problema para o governo Bush porque ele foi oficial da CIA e do exército dos Estados Unidos, conforme publicado no dia 8 de outubro pelo jornal The New York Times. O artigo do jornalista Marc Lasey diz que, apesar dos insistentes apelos de Cuba e da Venezuela para que Carriles seja julgado, o governo estadunidense recusa-se a processá-lo por seus crimes. E o jornal ressalta que a Casa Branca tenta extraditá-lo para outro país, onde ficaria livre, mas até agora Canadá, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, México e Panamá se recusaram a acei-tá-lo. O jornal diz ainda que, embora Washington se recusasse a julgá-lo por terrorismo, o Departamento de Justiça ordenou que permanecerá detido por ser “um criminoso não arrependido e ter admitido que foi a cabeça de vários atentados”.

Encontro pela unidade latino-americana
A Coordenadoria Latino-Americana de Organizações do Campo (CLOC) é integrada por 19 organizações camponesas do Brasil, Uruguai, Argentina, Chile e Paraguai, sendo também membro da Via Campesina. Sob o lema “Contra a Invasão Imperialista, pela soberania e a inte-gração dos povos”, a CLOC convocou o Encontro de Militantes do Cone Sul entre os dias 8 e 12 de outubro, em Assunção (Paraguai), com a participação de mais de 800 delegados. No dia 12, no encerramento do Encontro, foi realizada a Marcha da Solidariedade e Unidade, com a presença de outros movimentos da região.

Saudosos da ditadura na Argentina
Um ato de repúdio foi realizado na noite de quinta-feira (5) por ex-militares e policiais da época da ditadura militar argentina (1976-1983). A política de direitos humanos do atual governo foi criticada pelos participantes que consideraram “atos de ódio e vingança” a atuação da Justiça ao punir os crimes da ditadura. Militantes da extrema direita carregavam cartazes com fotografias de militares e policiais mortos e o ato recebeu a “solidariedade” de ex-militares do Paraguai e do Uruguai.

O momento atual é muito tenso, devido ao desaparecimento, há 18 dias, de Jorge Julio López, uma das ví-timas da ditadura militar em Buenos Aires e cujo testemunho foi chave para a condenação à prisão perpétua do ex-chefe da polícia Miguel Etchecolatz.

Eleições no Equador
Muita atenção para o que pode ocorrer nas eleições de hoje, no Equador. O candi-dato nacionalista Rafael Correa vinha aparecendo em todas as pesquisas locais como virtual vencedor já no primeiro turno das eleições, mas os jornais de sexta-feira já anunciavam que o candidato liberal Álvaro Noboa havia “crescido repentinamente” e já podia levar as eleições para um segundo turno. Depois da fraude no Méxi-co, que roubou a vitória do candidato da esquerda, e das “pesquisas” sobre o primeiro turno no Brasil, é bom ficar de olho. Correa tem declarado sua admiração por Hugo Chávez e tem um programa nacionalista contrário aos acordos com os EUA.

Conspiração na Bolívia
O Congresso Bolivariano dos Povos denuncia que existe um plano em anda-mento contra o governo boliviano de Evo Morales. Segundo informações da Rede da Solidariedade e Amizade Mundial e da Agência Walsh, o Congresso lança uma campanha internacional pedindo que sejam enviadas ade-sões e assinaturas ao e-mail solidaridad@congresobolivariano.org, apoiando o governo de Morales.

México pretende construir centrais nucleares
O México está planejando construir centrais nucleares para produzir eletricidade e para ampliar a produção de uma usina já existente. O projeto prevê US$ 750 mi-lhões para um aumento de 20% da capacidade de geração da usina de Laguna Verde, no Golfo do México, res-ponsável atualmente por 3% da energia produzida no país. Multinacionais como General Eletric, Siemmens Techint e Mitsubishi já disputam os contratos. Em agosto, a Argentina anunciou que retomará as obras da sua terceira usina nuclear. No mês passado, o Chile disse que estuda a possibilidade de desenvolver a energia nu-clear para geração de energia.

Bush na Tríplice Fronteira!
Depois de todos os discursos sobre os “perigos” da Tríplice Fronteira, há uma possibilidade real de um terrorista vir a morar na região. Segundo o jornal digital Misiones On Line, da Argentina, George W. Bush comprou 40 mil hectares de terra em uma zona conhecida como Alto Paraguai. A nova fazenda da família Bush estaria situada na província de Misiones, fronteira com o Brasil, sobre o Aqüífero Guarani. Jenna Bush, filha do presidente estadunidense, está no Paraguai, supostamente participando de uma missão da UNICEF sob a justificativa de conhecer melhor a população indígena da região. A notícia foi divulgada na sexta-feira e o governo Bush não comenta o assunto.

Grupos neonazistas perseguem os imigrantes
Segundo dados a Polícia e da Guarda Civil da Espa-nha, cerca de 10.000 pessoas fazem parte de grupos de extrema direita e neonazistas no país e transformaram os imigrantes nas principais vítimas de suas ações. Entre os neonazistas destaca-se um grupo de origem esta-dunidense chamado “Volksfront” (Frente Popular) que está absorvendo grupos menores. Tanto os movimentos que atuam através de partidos legais de direita quanto as organizações ilegais têm como principal objetivo o ataque aos imigrantes, que são considerados “inferiores”. O “Volksfront” surgiu em 1994, no Oregon (EUA) e está se espalhando pela Europa, particularmente na Espanha.

Hammerskin e a supremacia branca
Os “Hammerskin” usam como símbolo dois martelos cruzados e surgiram por volta de 1980, em Dallas (Texas) e proclamam a supremacia da raça branca. Além de atuar na Espanha, a Hammerskin-Nation atua também na França, Estados Unidos, Alemanha e Itália. São responsáveis por ataques racistas em Madrid e considerados “muito violentos”.

A direita avança na Bélgica
No último domingo, confirmando o que se esperava, a direita teve um ex-pressivo crescimento nas eleições municipais da Bélgica. O partido Vlaams Belang (VB – Interesse Flamenco) se define como nacionalista e independentista flamenco, mas representa o pensamento da extrema direita de ou-tros partidos europeus (como o Front National, de Le Pen, na França). Tem um discurso racista e uma ideologia ultraliberal, mas conservadora nas questões sociais.

UE vai priorizar a energia
A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou que a energia e a segurança do fornecimento energético serão prioridades da agenda de sua Presidência rotativa da UE. O objetivo do governo alemão é estabelecer o caminho do Plano Energético Nacional, que tem como meta garantir o fornecimento energético, reduzir a atual dependência das importações e economizar energia. Ao mesmo tempo – e este é um dos pontos de atrito no Governo -, é preciso encontrar um substituto para a energia atômica, que representa 26,3% do consumo elétrico do país.

Energia é “arma” russa
A Rússia pretende se aproveitar dos recursos naturais que possui para recupe-rar o status de potência mundial. A estratégia ficou clara durante a crise do fornecimento de gás para a Ucrânia sob a alegação de que era necessário um ajuste de preços e provocou comoção na Europa, onde cerca de 30% do produto consumido vem da Rússia pelo mesmo gasoduto. A Rússia tem apenas 6% das reservas de petróleo comprovadas do planeta, mas tornou-se o maior produtor do mundo. No setor de gás, possui 30% das reservas mundiais, o governo estimulou o processo de reestatização. A dependência européia tende a aumentar, em um continente que já importa 50% do gás que consome.

UE ajuda serviços de informações estadunidenses
Os países da União Européia passarão a fornecer para agências de informações dos EUA 34 dados sobre qualquer cidadão europeu que esteja viajando de avião. Entre os dados que serão repassados: nome do passageiro, destino, número do telefone, forma de pagamento da passagem, senhas da agência de viagem onde comprou a passagem, itinerário, tipo de comida que pediu no avião e número do cartão de crédito. Segundo o acordo assinado na última semana, as medidas são para “aju-dar no combate ao terrorismo”.

Greve de fome nas prisões
Em Nova Jersey, 1400 prisioneiros estão ameaçando iniciar uma greve de fome se as condições não melhorarem na cadeia. Os presos denunciam que estão sendo tratados como em prisões militares, jogados nas celas apenas com roupas de baixo e ameaçados constantemente por cães.

Advogado acusa Pentágono por encobrir abusos
Um advogado militar estadunidense está acusando o Pentágono de encobrir uma investigação sobre abusos cometidos contra o prisioneiro Davik Hicks, detido na prisão do Guantánamo. Hicks é um cidadão australiano que foi capturado no Afeganistão há quatro anos e seu advogado Michael Mori, denuncia que os investigadores não consideraram como prova as declarações de outros prisioneiros que viram Hicks sendo agredido pelos guardas.

Multa por ajuda humanitária
Em Seatle, EUA, um tribunal de apelações confirmou a multa contra um homem que entregou remédios no Iraque enquanto estava vigente o embargo determinado pelo governo esta-dunidense. O tribunal declarou que o governo Bush tem razão de multar o cidadão Bertram Sacks em 13 mil dólares por ter ido nove vezes ao Iraque levando remédios que estavam proibidos pelo embargo.

Em Gaza, ferimentos inexplicáveis
Além do Líbano, surgem outras denúncias sobre utilização de ar-mas químicas pelo exército de Israel. Em meados de julho, alguns médicos de hospitais de Gaza pediram ajuda da comunidade médica internacional ao se depararem com feridas inexplicáveis que levaram à amputação de membros em 62 casos. Os médicos tentam compreender as causas de estranhas feridas que apresentam pe-quenos fragmentos, invisíveis ao raio-X, e inexplicáveis cortes que aparecem com a elevação da temperatura nas pernas.

Acusação contra Israel na ONU
Um especialista em direitos humanos da ONU declarou perante a Cor-te Penal Internacional que se deveria investigar a culpabilidade de Israel por crimes de guerra, pois realizou campanha de permanente bombardeio no Líbano, impedindo o acesso de alimentos e água a certas regiões. Disse ainda que a existência de grande número de bombas de fragmentação não detonadas continuará impe-dindo parte da população de ter alimentos e água durante anos. Segundo a ONU, 124 pessoas morreram no sul do Líbano em função dessas bombas.

Tortura e morte de civis no Iraque
Os recentes dados da ONU sobre o Iraque mostram um panorama assustador, com aumento do número de mortes entre os civis e de denúncias sobre o uso de tortura contra prisioneiros. Segundo a Missão da ONU para o Iraque, o número de mortes entre os civis em todo o país alcan-çou a cifra recorde de 6.599 nos meses de julho e agosto – ou seja, 100 mortes diárias!
O uso da tortura e as execuções ilegais estão alarmando os representantes da ONU. Médicos denunciam que cadáveres chegam ao Instituto de Medicina Legal com marcas de torturas, feridas produzidas por uso de ácido ou queimaduras por substâncias químicas.