Os impactos do comércio internacional

39

Uma importante pesquisa do Instituto do Observatório Social avalia os impactos da abertura econômica no Brasil, durante os anos noventa, e os riscos sobre o trabalho das mulheres. Uma importante pesquisa do Instituto do Observatório Social avalia os impactos da abertura econômica no Brasil, durante os anos noventa, e os riscos sobre o trabalho das mulheres. Os setores automobilístico, eletroe-letrônico, têxtil, calçadista e de vestuário são potencialmente os mais afetados. O documento “Negociações de NAMA da OMC (Organização Mundial do Comércio), Emprego Industrial e os Impactos sobre as Desigualdades de Gênero: o Caso Brasileiro” está disponível para cópia.

A pesquisa tem a seguinte estrutura: a) em primeiro lugar, resume o que está em jogo nas negociações da OMC, no âmbito da Rodada Doha, atualizando os principais assuntos debatidos para o mercado de bens não-agrícolas; b) em segundo lugar, faz uma breve análise do período pós-abertura econômica que culminou na redução do emprego, especialização regressiva e desindustrialização das principais economias latino-americanas; c) o terceiro tópico aponta para os impactos da abertura econômica sobre o emprego industrial no Brasil, procurando "estimar" os resultados negativos para o país; d) em quarto lugar, procura apresentar um quadro sintético das disparidades de gênero no emprego e na remuneração da indústria de transformação em alguns setores selecionados (automobilístico, eletroeletrônico, calçados, têxtil e vestuário). Para ler o texto na íntegra, http://www.os.org.br/download/omc-genero_ago06.pdf. Leia também o texto “OMC, desigualdades Norte/Sul e a geopolítica do desenvolvimento: as negociações do Nama e os impactos sobre a América Latina e o Brasil”, em http://www.os.org.br/download/nama.pdf

A revitalização do sindicalismo no mundo
A central sindical holandesa FNV está preparando um es-tudo sobre iniciativas de revitalização do sindicalismo no mundo. Textos sobre este tema, abordando experiên-cias relevantes ou de sucesso, podem ser enviados até 10 de novembro para dirk.kloosterboer@vc.fnv.nl – preferencialmente em inglês, espanhol, francês, alemão ou italiano.

Resposta de um brasileiro
Alguns brasileiros se indignaram com matérias publicadas nos jornais dos EUA depois do acidente com o avião da Gol. Tentando “livrar a cara” dos pilotos estadunidenses, alguns jorna-listas estadunidenses escreveram que o sistema de controle brasileiro é ruim e não merece confiança. Eis um trecho da carta enviada por um jornalista brasileiro ao jornalista Joe Sharkey, do New York Times.

“Como o senhor tem coragem de afirmar que o sistema de controle aéreo brasileiro não presta e não é confiável? Justo o senhor que vive na cidade de Nova York que foi testemunha de uma das maiores burradas no tráfego aéreo da história da humanidade. Foi em sua Nova York, no seu infalível Estados Unidos, que dois Boe-ings 767s entraram nas Torres Gêmeas sem que nenhuma providência fosse tomada. Ainda o primeiro vai lá, ninguém podia imaginar aquela loucura. Mas o segundo atingiu a outra torre “muitos” minutos depois. E o que o seu magnífico sistema de tráfego aéreo fez para evitar isso? O pior de tudo é que outro Boeing conseguiu invadir sua capital e atingir o prédio do Pentágono sem que nada fosse feito. E um quarto avião iria atingir o Capitólio se não fossem os supostos bravos passageiros. Diga meu amigo, o sistema de controle aéreo brasilei-ro é que é precário? O brasileiro é que é incompetente? (…)” Assina: Sérgio Scarpelli – Redator premiado nos principais festivais de propaganda (nacionais e internacionais). Produz e apresenta o programa Jazzmasters na Rádio Eldorado FM-SP.

País gerou 1,3 milhão de empregos, em 2006
Nos nove primeiros meses do ano foram gerados 1.383.805 empregos com carteira assinada no país. Os dados foram informados nesta quinta-feira pe-lo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego. De janeiro a setembro de 2006, vários setores apresentaram elevação no mercado de trabalho. Entre os melhores resulta-dos estão: indústria de transformação (produtos alimentícios, têxteis, químicos, metalúrgicos, etc.), com 346.644 novos postos de trabalho; comércio, com 176.369; agricultura, com 184.373 postos (saldo maior do que o do mesmo período de 2005, que teve 175.641 empregos); e a construção civil, com 131.409 novos pos-tos.

Destaque para três estados da região Sudeste que estiveram à frente, proporcionalmente, na geração de empregos: Minas Gerais, com crescimento de 7,49% (210.137 empregos), São Paulo com 6,69% (590.476 postos) e Espírito Santo com 6,01 (31.007). Entre as regiões, o sudeste gerou, também proporcionalmente, mais empregos formais com aumento de 6,37%, ou 915.452 novos postos de trabalho em 2006.

Insatisfação no trabalho
Os brasileiros estão insatisfeitos com seus empregos. A principal causa é a falta de reconhecimento em relação ao desempenho no local de trabalho. Foi o que revelou estudo feito pelo instituto de pesquisa Market Analysis, onde foram ouvidas 400 pessoas das cinco principais capitais do país – São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre. O índice de insatisfação mais que dobrou entre 2003 e 2006, pulando de 18% para 42%. A questão salarial também aparece como sendo um dos fatores de maior descontentamento entre os entrevistados, com 67% das respostas, representando um aumento de 16% se comparado ao último levantamento realizado há três anos.

Fiscalização contra trabalho infantil
As Delegacias Regionais do Trabalho (DRTs) vão reforçar a fis-calização para reprimir o uso de mão-de-obra infantil no país. Só este ano, a fiscalização flagrou 34.865 jovens trabalhando com idade inferior à permitida. As DRTs realizam quatro operações especiais durante o ano, duas delas nos dias 12 de junho (Dia Mundial do Combate ao Trabalho Infantil) e 12 de outubro (Dia das Crianças). De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o Brasil é referência nas políticas e números do combate à exploração de mão-de-obra infantil. O título teria sido concedido graças ao fato de o país ter admiti-do a existência do problema e ter se comprometido com o combate ao trabalho infantil.

Acidentes de trabalho aumentaram
Pelo quarto ano consecutivo houve aumento do número de aci-dentes de trabalho no Brasil. Em 2005 foram 491.711 notificações, sendo 2.708 com vítimas fatais. São Paulo é o estado líder no número de acidentes: 181.705. Proporcionalmente, porém, Santa Catarina vem na frente. Para mudar o quadro, o Governo Federal está mudando as regras atuais do sistema de proteção ao trabalha-dor. A alíquota do Seguro de Acidente do Trabalho (SAT), hoje calculada com base em um risco potencial – empresas da construção civil, por exemplo, pagam mais -, vai ser determinada com base em um risco efetivo. Empresas que ultrapassarem um fator estabelecido pelo governo federal, seguindo critérios de custo, freqüên-cia e gravidade, vão pagar adicionais ou receber descontos na alíquota.

Outra decisão favorável a Sem Terra
A 6ª Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) julgou o mé-rito do pedido de hábeas corpus ao integrante da coordenação nacional do MST, Jaime Amorim, e por unanimi-dade concedeu mais uma decisão favorável ao Movimento. A decisão do STJ revoga o terceiro pedido de prisão preventiva, decretado em 20 de setembro. Jaime Amorim responde a processo por dano ao patrimônio publico e incitação à violência durante protesto em frente ao Consulado dos Estados Unidos no Recife (PE), em setem-bro do ano passado.

Fazendeiro foragido é condenado
O fazendeiro Aldimir Lima Nunes, conhecido como “Branquinho”, foi condenado a nove anos de prisão em regime semi-aberto por submeter trabalhadores a condições análogas à de escravo. A sentença da Justiça Federal de Marabá, no Pará, também condena Branquinho por irregularida-des no transporte dos trabalhadores, desrespeito às leis trabalhistas, falsificação de documentos públicos e crime ambiental. A sentença, publicada na segunda-feira (16) no Diário Oficial do estado, fixou ainda o paga-mento de multa no valor de 240 salários mínimos.

Eleição modifica bancadas tradicionais da Câmara
As eleições deste ano trouxeram novidades pa-ra muitas bancadas tradicionais da Câmara. Um dos grupos mais beneficiados foi o dos empresários, cuja re-presentação subiu de 104 para 121 deputados – um aumento de mais de 16%, segundo o Departamento Inter-sindical de Assessoria Parlamentar (Diap). Entre as bancadas que perderam representantes estão a evangélica, a da saúde e a dos parlamentares ligados à produção rural (os “ruralistas”). A Frente Parlamentar Evangélica teve a maior perda: dos 60 integrantes do grupo nesta legislatura, somente 15 foram reeleitos e a eles serão somados 12 novos deputados. Os “ruralistas” caem de 185 cadeiras para 113.

Tentando isolar Chávez
Não é coincidência! Enquanto os embaixadores e negociadores estaduniden-ses usam todos os argumentos possíveis para impedir que a Venezuela seja eleita como membro permanente no Conselho de Segurança da ONU, dentro dos EUA o governo Bush continua fazendo a sua propaganda contra Chávez para justificar uma possível intervenção militar. Durante dois dias (16 e 17 de outubro) a rede de TV “Fox News” mostrou a Venezuela como fazendo parte de um suposto “núcleo do terrorismo internacional”. O apresentador do programa “Studio B”, Shepard Smith, mostrou cuidadosamente que “um novo informe do go-verno dos EUA confirma uma conexão entre o presidente venezuelano Hugo Chávez com grupos da Jihad islâ-mica”.

Bloqueio contra Chávez!
Mais uma demonstração do bloqueio estadunidense contra Chávez. Durante a semana, o governo Bush proibiu que a Espanha cumpra os acordos assinados em 2005 e entregue à Vene-zuela os 12 aviões comprados. Segundo a nota, os aviões usam “tecnologia eletrônica” estadunidense, o que permite a intervenção. É a mesma tática usada para manter o bloqueio em Cuba, e a mesma que foi usada para impedir que a Embraer vendesse os aviões para Chávez.

Exército da Colômbia matou cidadãos equatorianos
Fontes oficiais do Exército da Colômbia reco-nheceram que, no domingo passado, seus soldados atiraram e mataram dois cidadãos do Equador que foram “confundidos” com guerrilheiros das FARCs (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia). O exército colombi-ano é treinado e armado pelos EUA, como parte do chamado “Plano Colômbia” de combate ao terrorismo co-munista na região.

Jornalistas contra Cuba
No dia 8 de setembro passado, o jornal Miami Herald reconheceu oficialmen-te que o governo Bush havia pago milhares de dólares a alguns jornalistas para que “fabricassem” matérias sobre Cuba. O objetivo era “minar o governo comunista de Fidel Castro e promover a democracia em Cuba”. Os três jornalistas que receberam as somas mais elevadas trabalhavam para o El Nuevo Herald, jornal de língua espanhola editado pela mesma empresa do Miami Herald. Os três foram demitidos e o assunto foi encerrado… Bush mandou “botar uma pedra em cima do assunto”.

Jornalistas contra a Bolívia
Evo Morales tem sofrido com o cerco da mídia, principalmente na televi-são. Em setembro ele havia denunciado que latifundiários são “donos dos grupos privados de comunicação”. No dia 4 de outubro ele enviou carta à Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), controlada pelo Opus Dei, perguntando porque ela não criticava os jornalistas “que me chamam de ignorante e louco”. A reação foi violen-ta e a SIP acusou o presidente boliviano de desrespeitar “a imprensa e os jornalistas”. Para mudar o quadro, o governo boliviano já inaugurou mais de 30 rádios comunitárias.

Membros do Alto Comando militar tentaram matar Evo
A matéria ainda está sendo tratada com algum cuidado, mas já é oficial. O presidente Evo Morales denunciou que foi alvo de um atentado coordenado por membros do Alto Comando militar e a tentativa de assassinato aconteceu no início da semana, durante uma manifestação popular na cidade de Santa Cruz. O plano foi descoberto com antecedência mas, mesmo assim, Evo participou do ato usando um colete a prova de balas.

Governo retomará concessão de água em La Paz e El Alto
O governo boliviano prepara-se para retomar, nesta semana, a concessão de água e esgoto nas cidades de La Paz e El Alto, concedida à companhia belga Suez em 1997. A disputa se arrasta há mais de um ano, desde que milhares de habitantes de El Alto foram às ruas pedir a expulsão da multinacional, que opera na Bolívia por meio da subsidiária Águas do Illima-ni. Os manifestantes reclamavam do aumento das tarifas e da falta de atendimento a uma grande parcela da população. Durante as homenagens ao “outubro negro” de 2003, o presidente Evo Morales disse que vai insta-lar uma comissão de transição para retomar a companhia de água. Ele desculpou-se por não ter expulsado a Suez mais cedo.

Manifestação na Bolívia em apoio a Evo Morales
Milhares de indígenas e camponeses participaram da manifestação gigantesca em La Paz, convertendo-se numa demonstração de apoio ao presidente Evo Mora-les. A agência de notícias DPA destacou que as pessoas levavam bandeiras da Argentina, Colômbia, Equador, entre outros países, se reuniram na Plaza de los Héroes, na capital do país. A agência AFP disse que o presiden-te boliviano destacou os programas de alfabetização que incluem ao redor de 250 mil pessoas em seu país, e a Operação Milagre, em que médicos cubanos realizam de graça cirurgias a pacientes pobres com problemas de visão.

Nicarágua: esquerda lidera as pesquisas
Bush tem nova “dor de cabeça”. Depois de manipular e fraudar as eleições no México, impedindo a vitória de López Obrador, e causar muito problema com a ainda inacabada eleição no Equador, vai enfrentar um outro problema antes do final do ano: eleições na Nicarágua. O candidato Daniel Ortega, segundo as recentes pesquisas, tem 37,50% das preferências de voto, contra 20,11% do candidato liberal José Rizo.

Equador – muita confusão nas eleições
A apuração dos votos nas eleições do Equador ficou prejudi-cada e dá margens para muitas dúvidas. Dois dias antes das eleições, os jornais locais noticiavam que o nacio-nalista Rafael Correa, apoiado por Chávez, deveria vencer já no primeiro turno. No domingo, dia da eleição, os jornais anunciavam uma “surpreendente” subida do direitista Álvaro Noboa (a maior fortuna do país). Iniciada a apuração, uma pane do sistema montado pelo consórcio brasileiro E-Vote parou o processo e forçou a novas medidas do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE). Misteriosamente, com a apuração manual, o candidato da direita encerrou o primeiro turno na frente e teremos um segundo turno no dia 26 de novembro. Como será a apura-ção?

Comando Sul vigia Equador
O general Bantz Craddock, chefe do Comando Sul do Exército dos EUA, confirmou que estão “vigiando de perto” os acontecimentos no Equador e as eleições presidenciais. Em entre-vista ao jornal Miami Herald, ele disse que os militares estadunidenses acompanham o processo eleitoral com atenção e que estão preocupados com o destino da base aérea de Manta. Pelo acordo em vigor, os EUA podem usar a base até 2009, mas estão interessados em ampliar o acordo.

Alerta Urgente da Argentina
O Grupo Tortura Nunca Mais/RJ vem expressar sua profunda preocupa-ção e consternação diante do desaparecimento do ex-preso político Jorge Júlio Lopez, de 75 anos, operário que se encontra desaparecido há cerca de 15 dias. Lopez foi uma testemunha chave no caso do torturador e geno-cida Miguel Angel Etchecolaz, condenado à prisão perpétua pela justiça Argentina. Nessas duas semanas, várias outras testemunhas, alguns juízes e advogados foram ameaçados de morte. Solicitamos a divulgação dos fatos e que sejam enviados faxes, e-mails e cartas ao Presidente da Argentina. Pela Vida, Pela Paz! Tortura Nunca Mais! Grupo Tortura Nunca Mais-RJ – http://www.torturanuncamais-rj.org.br

Rumo à Cúpula Social do Mercosul
A Cúpula Social do Mercosul será realizada entre os dias 13 e 15 de dezembro de 2006, em Brasília, com o objetivo de dar visibilidade à agenda social e produtiva do Mercosul, aproximar o Mercosul das populações e avançar na construção de uma identidade regional. Com o lema “De-senvolvimento Regional e Participação Social: Do Mercosul que temos ao Mercosul que queremos”, estará em discussão como fortalecer a participação social no Mercosul. A Cúpula Social do Mercosul ocorrerá nos marcos da XXXI Reunião de Chefes de Estado do Mercosul, a exemplo do que foi o I Encontro por um Mercosul Produti-vo e Social, em Córdoba.

Mais pobres na Alemanha
Foi publicado recentemente um estudo do Partido Social-Democrata Ale-mão (SPD) alertando para o surgimento de uma nova camada de pobres no país. Segundo os estudos da Fun-dação Friedrich Ebert, 8% da população já está nesta classe chamada de “nova classe baixa”. São pessoas com salários muito baixos, que acumulam grandes dívidas, não possuem reservas econômicas (poupanças), não possuem propriedades imobiliárias e contam com pequeno apoio familiar. O “novos pobres” sentem-se margi-nalizados socialmente e abandonados pelo Estado.

Bush quer mandar também no espaço sideral
Bush definiu uma nova política e o seu governo ago-ra se reserva o direito de negar a países considerados inimigos acesso ao espaço sideral. A nova política de Bush também determina que os EUA se oponham ao desenvolvimento de tratados e de outras restrições que proíbam ou limitem o acesso do espaço sideral por parte de Washington. A nova política foi assinada por Bush há mais de um mês, mas a notícia só agora se tornou conhecida e publicada pelo “Washington Post”.

A nova política defende que os EUA tenham direito de trânsito sem interferência pelo espaço e afirma que Washington considerará qualquer interferência deliberada como um desrespeito a seus direitos. “Em conformi-dade com essa política, os EUA irão: preservar seus direitos, capacidades e liberdade de ação no espaço; dissu-adir ou impedir outros países de interferir nesses direitos; adotar as medidas necessárias para proteger sua capacidade espacial; responder a interferências; e negar, se necessário, que adversários façam uso (…)”, afir-ma o texto.

Déficit comercial nos EUA é recorde
Novos números sobre a economia dos EUA mostram um novo recorde no déficit comercial. O déficit comercial subiu 2,7% em agosto, para US$ 69,9 bilhões e ficou acima do esperado pelo mercado. Com isso, o acumulado neste ano chega a US$ 784,2 bilhões, 9,4% a mais que no mesmo período do ano passado. Só o déficit com a China superou US$ 22 bilhões (alta de 12,2%) e deve no ano passar dos US$ 202 bilhões de 2005.

Curiosidade de um mundo “desenvolvido”
A notícia saiu em um jornal de grande circulação. No iní-cio da semana, um cidadão entrou na agência do banco, aproximou-se do caixa e entregou um bilhete. A fun-cionária entregou algumas notas de 20 dólares e, quando ele se virou, apertou o botão de alarme. Um policial se aproximou e o homem se entregou pacificamente, depois de cumprimentar o policial. Levado diante do juiz, declarou-se culpado pelo assalto.

Quando o juiz perguntou o motivo de sua atitude, ele explicou: “Senhor Juiz, eu sei o delito que acabo de cometer e sei que vou para a prisão. Isto me garantirá um teto e alimentação pe-los próximos três anos. Tenho 62 anos e é muito difícil que alguém me contrate, mesmo que seja por um salá-rio mínimo, ainda que seja por apenas algumas semanas. Com esse salário não posso garantir o meu sustento nem um teto para dormir.” Estranho? Não, mas o curioso é que isto ocorreu na cidade de Columbus, Ohio, EUA! O nome do homem não foi divulgado.

Demanda de energia nos EUA pode superar oferta em dez anos
Segundo relatório do Conselho de Confiabilidade Elétrica da América do Norte, a capacidade do sistema de geração de energia elétrica nos EUA pode ser superada pelo aumento da demanda a menos que mudanças sejam feitas em breve. O relatório mos-tra que a demanda por energia elétrica nos próximos dez anos nos EUA deve crescer 19%, mas a capacidade confirmada deve aumentar, no mesmo período, apenas 6%.

Sancionada a “Lei da Tortura”
Bush sancionou, na terça-feira, a lei que autoriza “métodos mais ri-gorosos de interrogatório” para suspeitos de “terrorismo” e permite que sejam julgados em tribunais militares. A lei foi “debatida” pelo Congresso, votada no Senado e sancionada em tempo recorde: apenas seis semanas depois de Bush ter admitido que a CIA mantinha centros secretos de detenção no exterior. Críticos e grupos de defesa dos direitos humanos denunciam que a Lei de Comissões Militares abre caminho para o tratamento de-sumano de prisioneiros e testemunhas. Em frente à Casa Branca, grupos de protestos realizaram ações gritan-do palavras de ordem como “Bush é o terrorista” e “Tortura é crime”. Quinze manifestantes foram detidos pela polícia.

Estão loucos?
O governo Bush descobriu uma maneira de superar os traumas causados nas famílias quando algum membro militar é enviado para o Iraque. Depois de identificar o problema causado nos lares quando um pai, uma mãe ou um parente é enviado para a frente de combate, o exército dos EUA está agora entregando para as famílias uma imagem em tamanho real do parente que está no Iraque. O programa é cha-mado “Papai Plano” ou “Mamãe Plana”. A imagem é colada em um cartão e pode ficar em pé e ser levada para todos os cômodos da casa. Segundo os psicólogos “bushianos”, isto diminui a saudade do parente e “dá a im-pressão de sua presença”!

Comando militar dos EUA admite fracasso no Iraque
O comando militar dos EUA no Iraque admi-tiu o fracasso da estratégia em Bagdá. De acordo com o porta-voz do Exército, a tática adotada há cerca de dois meses não conseguiu reduzir a resistência iraquiana. Segundo o tenente-coronel Christopher Garver, o comandante das tropas dos EUA no país, general George Casey, já ordenou uma revisão da estratégia para Bagdá. “As baixas norte-americanas são uma grande preocupação mas não são o principal motivo da mudança de estratégia”, afirmou. “O inimigo está se adaptando e nós precisamos fazer algumas alterações”, completou. Na quarta-feira, Bush admitiu pela primeira vez que a recente escalada da violência no Iraque pode ser compa-rada à Guerra do Vietnã.

Massacre de iraquianos
A matéria foi divulgada pela revista científica britânica The Lancet e traz in-formações assustadoras sobre a mortalidade no Iraque depois da invasão de 2003: cerca de 655 mil iraquianos foram mortos, uma média de 500 por dia! O estudo foi realizado entre maio e julho deste ano por uma equipe de epidemiologistas americanos. O novo estudo confirma e atualiza um anterior, também publicado na mesma revista, e que estimava que durante o período de março de 2003 a setembro de 2004 teriam ocorrido 100 mil mortes no Iraque. Para mais informação sobre o estudo, veja no site www.thelancet.com/ .