Privatização foi o grande tema do 2º turno

40

Inesperadamente, a questão da privatização de empresas estatais foi o tema que dominou o cenário político nacional depois do primeiro turno das eleições. Inesperadamente, a questão da privatização de empresas estatais foi o tema que dominou o cenário político nacional depois do primeiro turno das eleições. Surpreendendo quase todos os analistas políticos, o debate para o segundo turno fugiu do modelo traçado pelos “marqueteiros” oficiais e foi tomado pela participação dos mo-vimentos populares que denunciaram os projetos privatistas do candidato tucano. Uma pesquisa não tradicional e forçada pelos acontecimentos mostrou que 70% dos eleitores rejeitam venda de empresas públicas e este foi o grande tema da atualidade. Quando muitos pensavam que esta era uma questão “já esquecida”, a reação popular foi muito forte. Divulgada no dia 26, a pesquisa foi feita pelo Ipespe (Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas). Apenas 18% dos entrevistados se disseram favoráveis à venda das empresas estatais.

Fórum Nacional contra Trabalho Infantil tem portal
Já está no ar, desde terça-feira (24/10), o novo portal do Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI): www.fnpeti.org.br. Como destaque, o site apresenta resultados inéditos da Pesquisa Ibope de Opinião Pública sobre Trabalho Infantil e Piores Formas de Trabalho Infantil. O portal contém dados sobre a atuação do Fórum Nacional e dos Fóruns Estaduais, agenda, notícias, legislação, publicações, além de contatos de toda rede de parceiros no combate ao trabalho infantil.

80 parlamentares, entre os eleitos, controlam rádio ou televisão
Um terço dos senadores e mais de 10% dos deputados eleitos para o quadriênio 2007-2010 controlam rádios ou televisões. A Agência Repórter Social realizou um levantamento inédito sobre a posse de rádios e TVs por parlamentares, a partir de dados entregues por eles mesmos aos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs), na maior parte disponíveis na página do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Mas a lista de deputados que têm parentes com concessões ainda não feita, e isto deve fazer o número de deputados com controle de rádio e televisão passar de 100. Por exemplo, uma das rádios do senador Garibaldi Alves (PMDB), candidato ao governo do Rio Grande do Norte, chama-se Trampolim da Vitória. Ele possui mais sete rádios no Estado e duas televisões em Natal – uma retransmissora do SBT, outra da Rede Globo.

Mulheres são 10% da força de trabalho na indústria naval fluminense
As mulheres já represen-tam 10% da força de trabalho nos estaleiros de Niterói e São Gonçalo, no Rio de Janeiro. Dos 16 mil trabalha-dores em atividade na indústria naval, mais de mil são do sexo feminino, atuando em diversas especialidades, como projetistas, soldadoras, eletricistas ou instrumentistas. De acordo com estimativa do Sindicato dos Meta-lúrgicos de Niterói e Itaboraí, até o final de 2007 e aproveitando os novos contratos feitos, a indústria naval vai abrir mais de três mil vagas, número que poderá subir para cinco mil até o primeiro semestre de 2008.

Taxa de desemprego cai para 10%, diz IBGE
A taxa de desemprego apurada pelo IBGE nas seis principais regiões metropolitanas do País ficou em 10% em setembro, ante 10,6% em agosto. O resultado é o menor desde janeiro. O número de pessoas ocupadas chegou a 20,69 milhões, crescendo 1,2% em relação a agosto. O rendimento médio real dos ocupados nas seis principais regiões metropolitanas do País ficou em R$ 1.030,20 em setembro, com queda de 0,8% ante agosto, segundo o IBGE. A menor taxa de desemprego apu-rada pelo IBGE em setembro foi no Rio de Janeiro, com 7,5%. O número de desocupados (sem trabalho e pro-curando emprego) caiu 5,3% no mês ante agosto, com decréscimo de 128 mil pessoas.

Brasil é quinto em remessa de imigrantes na Europa
Trabalhadores estrangeiros radicados na Euro-pa enviaram pelo menos 8,9 bilhões de euros para seus países, segundo um levantamento divulgado pelo Co-missão Européia esta semana. O Brasil aparece como o quinto maior destino das remessas, com um total de 239,8 milhões de euros. Dois terços dos recursos remetido pelos estrangeiros foram para países em desenvol-vimento. O Brasil é um dos principais destinos de remessas saídas da Espanha, Itália e Portugal – deste último o país recebe 51,5% das remessas. Além deles, o Brasil também é um dos endereços mais recorrentes de re-messas da Irlanda e curiosamente da Eslovênia.

MST comemora vitória
Caminhada e ato público nos municípios de Japaratuba e Japoatã, no dia 13 passado, marcaram as comemorações pela conquista da fazenda Caraíbas, em Sergipe. A vitória reuniu Sem Terras, parlamentares e amigos da Reforma Agrária. Nas duas cidades as famílias de trabalhadores rurais fo-ram recepcionadas pela população. Um almoço coletivo no Assentamento encerrou a atividade. A fazenda Cara-íbas, com 2 mil hectares, é situada entre os dois municípios. Foi ocupada na madrugada de 17 de abril de 2000 por cerca 220 famílias de trabalhadores rurais Sem Terra. Durante esses anos houve vários despejos e amea-ças de morte. O grupo que se dizia dono da fazenda —Pessoa de Queiroz— possui usinas em vários estados do Brasil, nas quais há, inclusive, denúncias de trabalho escravo.

Multa de R$ 1 mi à Aracruz por dano moral a indígenas
Uma ação do Ministério Público Federal no Espírito Santo, encaminhada segunda-feira (23) à Justiça Federal, quer multar a empresa Aracruz Celulose S/A em R$ 1 milhão por danos morais coletivos às comunidades indígenas tupiniquim e guarani. Na ação, o MPF acusa a empresa de difundir em sua página na internet e em cartilhas distribuídas em escolas e universidades “informações de caráter abusivo, distorcido e capcioso”, exigindo também a imediata retirada deste material de circulação. Desde o início do ano, a empresa vem travando uma guerra contra os tupiniquins e guaranis, que estão buscando na Justiça a devolução de 11 mil hectares considerados terra indígena. No dia 11 de setembro, a Funai encaminhou ao Ministério da Justiça um parecer que derruba os argumentos da empresa em defesa da posse da terra.

Empresas de celulose geram pobreza
A expansão da monocultura é responsável pelo aumento do ê-xodo rural no Extremo Sul baiano. De acordo com informações do Centro de Estudos e Pesquisas para do De-senvolvimento do Extremo Sul da Bahia (Cepedes), a região de Eunápolis tem o maior índice de êxodo rural do país. Quase 60% dos agricultores baianos já deixaram suas áreas, sendo que o índice geral do Brasil é de 28%. A empresa Veracel, que tem como maior acionista a empresa Aracruz Celuse, está aumentando o plantio de eucalipto na região. Já são 43 mil hectares plantados, uma área equivalente ao mesmo número em campos de futebol. Estas áreas ficam conhecidas como “Deserto Verde”, por degradar o meio ambiente e enfraquecer a terra, impossibilitando o plantio de outras culturas.

Absolvido o acusado de matar líder sem-terra
O Tribunal do Júri de Loanda, no Paraná, absolveu na noite de terça-feira, José Luís Carneiro, acusado de matar o líder sem-terra da região Noroeste, Sebastião da Maia, em novembro de 2000. A morte, por tiro na cabeça, aconteceu logo depois da invasão da Fazenda Água da Prata, em Querência do Norte. A principal testemunha de acusação, o sem-terra Pedro Carvalho, que tam-bém recebeu um tiro de raspão na cabeça, garantiu que o crime foi cometido por Carneiro. A testemunha de defesa, José Ferreira, foi apresentada no dia do julgamento e aceita pela juíza. Ao ser indagado se Carneiro estava presente, ele negou. O MST, a ONG Terra de Direitos, a Comissão Pastoral da Terra e a Rede Social di-vulgaram nota em que acusam Ferreira de ter procurado um membro do MST, no dia anterior, pedindo dinheiro para não depor e afirmando que, caso não recebesse, a União Democrática Ruralista (UDR) pagaria para ele dar nova versão aos fatos. O presidente da UDR, Marcos Prochet, nega qualquer pagamento.

Inscrições para o FSM 2007
Já estão abertas as inscrições para o Fórum Social Mundial 2007, a ser realizado em Nairóbi (Quênia), entre os dias 20 e 25 de janeiro de 2007. O prazo limite para inscrição de ativi-dades é de 30 de novembro de 2006. Ver detalhes em: http://www.forumsocialmundial.org.br/

América Latina pode ser exemplo mundial
A variedade de recursos energéticos da América Latina, que vão do petróleo ao sol e ao vento, convertem a região em exemplo para a solução dos problemas mundiais de energia. A avaliação é de Enrique Iglesias, ex-presidente do BID e atual titular da Secretaria Geral Iberoa-mericana. “A América Latina tem condições especiais para colocar em marcha um plano de diversificação que nos permita uma certa segurança energética”, disse.

100 votos pelo fim do bloqueio
Já são mais de 100 países, membros da ONU, que assinam o docu-mento expressando a posição oficial contra o bloqueio econômico imposto pelos EUA a Cuba. O bloqueio, que já dura mais de 40 anos, provocou imensas perdas para a economia cubana. O documento traz também o parecer de mais de 20 organismos oficiais da própria ONU que condenam o bloqueio.

40% da população abaixo da linha de pobreza
Um número em torno de 220 milhões de latino-americanos – 40% da população da região – vivem abaixo da linha da pobreza, informou o Programa das Na-ções Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). No início dos anos 80, havia 135 milhões de latino-americanos pobres. Este é o resultado de 20 anos de neoliberalismo: 85 milhões de pessoas que vivem na miséria e ga-nham menos de um dólar por dia. Mais de 10% da população da América Latina e do Caribe, cerca de 53 mi-lhões de pessoas, não têm o que comer. Mas a região é a maior exportadora de alimentos do planeta, produ-zindo por ano quatro vezes a quantidade necessária para alimentar sua população.

Dois milhões de bolivianos atendidos
A missão dos médicos cubanos na Bolívia está surtindo seus primeiros números positivos. Nesta semana, segundo os dados oficiais, atingiu-se o total de 2 milhões de boli-vianos pobres atendidos. Destes, 40 mil voltaram a ver depois de operações de cataratas. Os médicos cubanos estão na Bolívia sem qualquer custo para o governo de Evo Moralles e até os medicamentos são distribuídos gratuitamente, como parte do acordo assinado com Cuba.

16.000 crianças exploradas sexualmente
Cerca de 16.000 menores de idade são explorados sexual-mente no México, principalmente nas zonas urbanas, revelou o “Sistema Nacional para Desenvolvimento Inte-gral da Família”, organismo oficial. O informe agora divulgado diz também que existem cerca de 100.000 pági-nas de pornografia infantil, na internet, além de uma extensa rede de hotéis e outros negócios envolvidos no ramo da prostituição infantil. Em 34 hotéis que operam em bairros tradicionais da capital mexicana existe co-mércio sexual, na metade deles com menores.

Noboa quer comprar votos
Depois de um primeiro turno marcado pelas dúvidas de fraudes, os equato-rianos estão agora diante do risco de ver o poder financeiro definir o vencedor nas eleições presidenciais. O multimilionário Álvaro Noboa, candidato da direita e apoiado abertamente por Bush, está usando sua imensa fortuna pessoal para comprar apoios, segundo denúncias de lideranças locais. Rafael Correa, o candidato da esquerda recebeu agora o apoio do movimento indígena Pachakutik, que concorreu com candidato próprio no primeiro turno.

Aprovada a ampliação do Canal do Panamá
Os eleitores panamenhos aprovaram um plano de ex-pansão e modernização do Canal do Panamá que permitirá a passagem de navios maiores pelo atalho entre os oceanos Atlântico e Pacífico. A proposta de ampliação, com a construção de um terceiro conjunto de comportas, está orçada em US$ 5,25 bilhões e foi aprovada no plebiscito, mas o índice de abstenção chegou a 57% (são pouco mais de 2 milhões de eleitores panamenhos). Críticos do projeto dizem que a expansão trará mais bene-fícios aos usuários do canal, principalmente os EUA, do que aos panamenhos e advertem que os custos podem complicar ainda mais a situação do Panamá, um país altamente endividado.

Oposição denuncia fraudes
Os defensores do “não”, contrários à ampliação do Canal do Panamá, de-nunciaram várias irregularidades durante o plebiscito. Entre outras coisas, a oposição diz que muitas pessoas foram impedidas de entrar no local de votação, viaturas oficiais do governo faziam propaganda para o “sim”, houve compra de votos (pessoas foram pagas para votar a favor), etc. Além disto, a oposição diz que as juntas apuradoras anularam sem justificativa uma grande quantidade de votos. Dias antes do referendo, a Frenadeso, que reúne diversos sindicatos panamenhos, realizou uma grande marcha pelo “não”, salientando que o porte das obras de construção de mais entradas no Canal será um pretexto a mais para os atos de corrupção. Em entrevista à imprensa, o secretário geral do Sindicato Único dos Trabalhadores da Construção e Similares, Ge-naro López, disse que obras como estas são feitas para beneficiar as grandes empresas de navegação e os gru-pos que são economicamente os mais poderosos do país.

Perseguição sindical na Nestlé
Os trabalhadores afiliados ao sindicato na fábrica da Nestlé na Colôm-bia são objeto de perseguição por parte da empresa. Desde o dia 14 de setembro, data em que se firmou con-venção coletiva de trabalho entre a Nestlé Colômbia e seus empregados, os diretores começaram a fazer ope-rações de assédio e repressão sindical. A denúncia é do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Indústria de Alimentos – Sinaltrainal.
A situação mais grave é nas áreas de fabricação e embalagem. Todos os dirigentes sindicais foram concen-trados em um único turno, discriminados e isolados dos demais trabalhadores. Os chefes dizem que o sindicato é uma má influência. Em sua página da internet, o sindicato relata violações de direitos por parte da Nestlé, tais como mortes, desaparecimentos e ameaças a dirigentes sindicais, contaminação de recursos hídricos e reembalagem de leite vencido. Alguns dirigentes sindicais precisarem se exilar no exterior por causa das amea-ças. O Sindicato pede que sejam enviadas mensagens de protesto à Nestlé. Em: http://www.sinaltrainal.org

Protestos contra o Cafta na Costa Rica
Cerca de 5 mil trabalhadores da Costa Rica, convocados pelos sindicatos do setor público, saíram às ruas de São José, capital do país, para protestar contra o tratado de livre comércio entre os EUA e a América Central e a República Dominicana (Cafta). A Costa Rica é o único país do Cafta que ainda não assinou o tratado, que precisa ser discutido no Congresso. Fala-se em convocar um refe-rendo.

O ouro de Pinochet
O governo chileno recebeu informações de que o ex-ditador Augusto Pinochet tem depositado em um banco de Hong Kong nove toneladas de ouro avaliadas em US$ 160 milhões. Um porta-voz de Pinochet, o general da reserva Guillermo Garín, disse não ter nenhuma informação referente ao suposto depósito em ouro em nome do ex-ditador. Um inquérito sobre contas bancárias de Pinochet no exterior foi a-berto em 2004, quando uma comissão do Senado dos EUA revelou que ele tinha milhões de dólares em um banco estadunidense. A partir de então começaram a surgir informações sobre fortunas depositadas em diver-sos bancos no exterior.

Alerta geral para impacto do excesso de consumo mundial
A menos que haja uma mudança imedi-ata no estilo de vida da humanidade, a população mundial usará duas vezes mais recursos do que o planeta é capaz de produzir dentro de 50 anos, alertou o grupo ambientalista Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla em inglês) em um relatório publicado nesta terça-feira. “Corremos um sério risco ecológico ao consumir recursos mais rapidamente do que a Terra é capaz de substituí-los”, disse o diretor-geral da WWF, James Lea-pe. O WWF destacou que as emissões de dióxido de carbono derivadas do consumo de energia foram o compo-nente de crescimento mais rápido entre 1961 e 2003, aumentando mais de nove vezes. O WWF calcula que mesmo uma reversão rápida em hábitos de consumo só trariam o mundo de volta aos níveis de 1980 em 2040.

Nova central nuclear na França
A União Européia aprovou a construção de uma nova central nuclear para geração elétrica no norte da França. O projeto usa novas tecnologias, mais seguras e menos contaminan-tes, que barateiam o preço da energia. O desenho do novo reator, que usa água pressurizada, foi desenvolvido pela EDF (Electricité du France) e usa 17% menos de combustível.

Crescimento nos EUA parece estar caindo
A economia americana está “esfriando”, como indica os ín-dices do PIB recentemente divulgado. Mas o que está preocupando mais os analistas é que o limite de velocida-de da economia (a taxa à qual a economia pode crescer sem gerar inflação) dos EUA também está caindo. A taxa de crescimento potencial (ou tendência do crescimento) de uma economia depende da oferta de trabalha-dores e de sua produtividade. Esta taxa está caindo, porque a produtividade está se exaurindo e porque a ofer-ta de trabalhadores está crescendo menos. A entrada de mulheres no mercado de trabalho está crescendo me-nos, e pode até estar caindo. Os adolescentes estão trabalhando menos. E a hostilidade à imigração, outra fon-te de mão-de-obra, está crescendo.

Não vale mais a pena perder vidas no Iraque
No dia em que o Exército divulgou a morte de mais cinco soldados no Iraque, uma pesquisa divulgada pela Reuters/Zogby mostrou que, para 57% dos estaduni-denses, não vale mais a pena perder vidas na guerra. Quatro marines e um oficial da Marinha morreram na Província de Anbar, berço da insurgência sunita e uma das regiões onde mais morrem soldados. Segundo a pesquisa, 57% dos estadunidenses acreditam que os EUA estão no caminho errado. Cerca de 50% dos eleitores acham que os EUA deveriam retirar as tropas do Iraque até o fim do ano que vem, enquanto 15% querem uma retirada imediata.

Mais desertores a cada dia
Segundo o Registro Geral do Exército dos EUA, há entre 8.000 e 10.000 soldados com “paradeiro desconhecido”. Mas não existe um registro para dizer quantos desses fugiram porque se recusam a participar da guerra. Sabe-se que centenas de soldados estadunidenses vivem hoje no Canadá, para onde fugiram depois da deserção. Um dos casos que está sendo mais debatido, hoje, é o do soldado Dar-rell Anderson. Darrel foi condecorado com o “Coração Púrpura” (uma das mais significativas medalhas de hon-ra, entregue pelo próprio presidente dos EUA) por ter salvo a sua unidade, mas agora vive no Canadá e diz que “já não pode lutar em uma guerra que acha ser ilegal”. Ele diz que desertou em abril de 2004 quando, durante uma patrulha, recebeu ordens para atirar em um carro cheio de civis inocentes.

Iraque é um “desastre”
Esta é a definição do jornal The New York Times em matéria publicada nesta semana e onde pede a renúncia do secretário de Defesa Donald Rumsfeld. Segundo o jornal, desde o início da guerra, em março de 2003, já são 23.500 soldados estadunidenses mortos ou feridos pela crescente resistência iraquiana.

Até entre eles
Muitos altos responsáveis das forças armadas, dos serviços de inteligência e do governo do EUA já criticaram publicamente o Relatório da Comissão do 11 de Setembro. Alguns já dizem que houve cumplicidade de círculos do governo nos terríveis atentados do 11/Set. Veja as declarações reveladoras de al-guns homens públicos dos EUA em http://www.wanttoknow.info/officialsquestion911commissionreport

Massacre de civis
Aviões da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte), sob comando das Força Aérea dos EUA, lançaram bombas no sul do Afeganistão e mataram, pelo menos, 63 civis. As bombas foram lançadas em uma área de refugiados onde vivem centenas de afegãos que já perderam suas moradias na guer-ra. O comando europeu da OTAN reconheceu as mortes de disse “lamentar profundamente” o erro.

Carta de um israelense digno
“Nego-me a servir no exército pois desta maneira protesto contra a pro-longada ocupação militar do povo palestino. Esta desumana ocupação persiste, semeando o ódio e o terror entre os dois povos. Nego-me a servir uma ideologia que não reconhece o direito dos povos à auto-determinação e à coexistência pacífica. Não estou disposto a contribuir para a opressão sistemática da popula-ção civil, para a implantação de um regime de apartheid nos territórios palestinos. (…) Nego-me a matar! Ne-go-me a ocupar!”. A carta é de Omri Evron, de Tel Aviv, que está sob prisão preventiva numa base militar. Ele é militante da Juventude Comunista de Israel.

Israel admite uso de bomba de fósforo
O exército de Israel jogou bombas de fósforo contra o grupo guerrilheiro Hizbollah, durante a guerra no Sul do Líbano. A confirmação foi feita durante a semana por um ministro do gabinete israelense. Até agora, Israel dizia que só havia utilizado esse tipo de armamento para demarcar território e não em áreas ocupadas, o que é proibido pelas leis internacionais. O fósforo branco é uma substância translúcida parecida com cera que tem um cheiro forte e provoca um calor intenso e fumaça. A Con-venção de Genebra proibiu o uso desse tipo de munição contra civis e áreas ocupadas por civis.