Esquerda lidera com ampla vantagem apuração dos votos no Equador

24

Rafael Correa venceu segundo turno da eleição presidencial no Equador com pelo menos 13 pontos de vantagem sobre o empresário conservador Álvaro Noboa, afirmam pesquisas de boca-de-urna e primeiros números da apuração oficial. Aliado do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, Correa que renegociar dívida externa para usar dinheiro no combate à pobreza. No início da noite de domingo, as pesquisas de boca-de-urna apontaram a vitória do candidato de esquerda, Rafael Correa, sobre o empresário conservador Álvaro Noboa, no segundo turno das eleições presidenciais do Equador realizadas neste domingo. Segundo essas pesquisas divulgadas pelas televisões equatorianas, Correa venceu com pelo menos 13 pontos de vantagem.

A pesquisa Cedatos-Gallup, divulgada pelo canal Ecuavisa, aponta Correa com 56% dos votos, contra 43% para Noboa, o magnata das bananas. Outra pesquisa, feita pelo instituto Market, diz que Correa venceu com 56,8% dos votos, contra 43,2% para Noboa. E uma terceira, anunciadas pelos canais de TV Teleamazonas e Telesistemas previram a vitória de Correa por 57% dos votos, contra 43% para Noboa. “O Equador triunfou, há um projeto vencedor”, disse Correa a jornalistas logo após a divulgação destes números. Rafael Correa é aliado político do presidente da Venezuela, Hugo Chávez.

Primeiros números da apuração

Na manhã desta segunda, com 25% dos votos apurados, o Tribunal Supremo Eleitoral do Equador informou que Rafael Correa lidera com ampla vantagem a apuração do segundo turno da eleição presidencial, com quase o dobro de votos sobre Alvaro Noboa. Correa tem 65,95% dos votos (1.107.362) contra apenas 34,06% de Noboa (572.078). Uma apuração paralela feita pela organização não governamental Participação Cidadã apontou 56,9% dos votos válidos para Correa e 43,1% para Noboa.

No primeiro turno, realizado no dia 15 de outubro, Noboa obteve 26,8% dos votos e Correa, 22,8%. Caso se confirme a tendência do início da apuração, o candidato da esquerda fará mais do que o dobro dos votos que fez no primeiro turno. Essa vantagem é importante para que Correa consiga aprovar sua proposta de instauração de uma Assembléia Constituinte. Seu partido, a Aliança País (AP), boicotou a eleição legislativa de outubro, não possuindo nenhum deputado no Congresso.

Quem é Rafael Correa

Correa é professor universitário e ganhou popularidade ao ocupar o ministério da Economia do governo Alfredo Palácio. Além do apoio dos setores mais pobres da população, ao longo da campanha eleitoral ele conquistou a simpatia de setores importantes da classe média, que aprovaram sua admiração por Chávez e a proposta de renegociar a dívida externa para usar o dinheiro no combate à pobreza.

Cerca de 60% da população do Equador (aproximadamente 13 milhões de habitantes) vive em situação de pobreza. Ele também é um crítico do tratado de livre-comércio com os Estados Unidos, que vem sendo negociado nos últimos anos. Sua vitória representará mais uma derrota da política externa do governo George W. Bush na América Latina, que apoiou a candidatura de Noboa. Mas a missão de Correa não será fácil. Na última década, três presidentes eleitos deixaram os cargos no Equador em meio a revoltas populares contra planos econômicos fracassados.

Redação – Carta Maior