A saúde e a segurança do trabalhador, no Brasil

38

Segundo o relatório elaborado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), cerca de cinco mil traba-lhadores morrem no mundo todos os dias por causa de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho. O docu-mento, denominado “Trabalho Decente – Trabalho Seguro”, alerta que a maioria da força trabalhista mundial não possui segurança preventiva, serviços médicos nem mesmo compensação para acidentes ou doenças. Segundo o relatório elaborado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), cerca de cinco mil traba-lhadores morrem no mundo todos os dias por causa de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho. O docu-mento, denominado “Trabalho Decente – Trabalho Seguro”, alerta que a maioria da força trabalhista mundial não possui segurança preventiva, serviços médicos nem mesmo compensação para acidentes ou doenças.

No Brasil, cerca de 500 mil pessoas se acidentaram e 2.708 morreram em 2005, segundo o Ministério da Previdência Social. Enquanto os óbitos tiveram uma redução de 4,6%, os acidentes aumentaram 5,6% em rela-ção ao ano anterior. As doenças decorrentes do trabalho chegaram a 30.334. Caracterizar e registrar as doen-ças do trabalho, no Brasil, ainda é muito difícil e os mecanismos de proteção ao trabalhador não são muito bem definidos. O acidente é muito mais fácil de se notificar porque se vê, o que não acontece com as doenças, que surgem lentamente e nem sempre são diretamente relacionadas ao trabalho.

Os acidentes mais freqüentes em 2005 – 33% do total – relacionam-se com os ferimentos e lesões ligados ao punho e a mão. Nas estatísticas, as doenças representam apenas 6,1% do número de acidentes registrados – porcentagem quase inalterada de um ano para o outro.

As principais doenças do trabalho:
a) Asma Ocupacional – adquirida por meio da inalação de poeira de materiais como algodão, linha, borracha, couro, sílica, madeira vermelha etc. Os trabalhadores de fábricas, madeireiras, plantações de algodão e tecelagens apresentam sintomas como falta de ar, tosse, aperto e chiado no peito e tosse noturna;

b) Dermatoses ocupacionais – causadas por contato com agentes biológicos, físicos e químicos, principalmente. Os sintomas são alteração da pele e mucosas. Os trabalhadores em fábricas químicas são os mais prejudicados com ela;

c) LER/DORT – decorrente de problemas com o local de trabalho e com os movimentos repetitivos. Os empregados dos setores industriais podem ser prejudicados com esta doença;

d) Perda auditiva induzida pelo ruído (PAIR) – diminui gradativamente a audição dos trabalhadores por exposição continuada a níveis muito elevados de ruído. Metalúrgicos sofrem com este problema;

e) Pneumoconioses – doenças pulmonares ocasionadas pela inalação de poeiras químicas como da sílica e dos asbestos, que causam silicose e asbestose. Químicos, trabalhadores da construção civil e mineradores podem sofrer com estes pro-blemas;

f) Distúrbios mentais – mais difíceis de detectar e principalmente relacionar ao trabalho, podem ter ligação com diversas circunstâncias e grau de desenvolvimento. Sofrem com isso operadores de telemarketing e bancários. (Matéria em Instituto do Observatório Social)

Justiça mais favorável aos trabalhadores em casos de discriminação
Ainda estamos longe de uma boa qualidade de vida e condições de trabalho, mas decisões judiciais a favor de empregados e a atuação de organizações e órgãos públicos têm contribuído para diminuir o ímpeto das empresas em casos de discrimi-nação e assédio moral. Recentemente, a Justiça deu ganho de causa a ex-funcionário de companhia no Rio Grande do Norte. Soropositivo, o marinheiro civil alegou que a dispensa foi motivada por preconceito. A indeni-zação foi fixada em R$ 150 mil. Em outro episódio este ano, ex-funcionários de firma de segurança ganharam ações por danos morais por serem submetidos a revista íntima. Indenizações chegaram a R$ 30 mil. No Rio de Janeiro, no andar térreo da Delegacia Regional do Trabalho (DRT), funciona o Núcleo de Políticas Sociais onde podem ser feitas denúncias de abuso e discriminação de qualquer tipo: de raça, contra portadores de deficiên-cia, contra homossexuais, religiosas e outras. O grande problema ainda existente é o medo do próprio traba-lhador de sofrer represálias pelo patrão. Endereço no Rio: Avenida Antônio Carlos 251, térreo, Centro, telefone (21) 2220-5018.

Massa salarial cresceu
A massa salarial cresceu 14,6% acima da inflação entre 2004 e 2006. Esse aumento da renda do trabalhador tem estimulado o consumo. Segundo o Instituto de Estudos para o Desenvol-vimento Industrial (Iedi), a recuperação da massa salarial real nos últimos três anos é razoável: começou timi-damente em 2004, com aumento de 2,4%, acelerando-se para 5% em 2005 e 6,5% no ano passado. As pers-pectivas para a massa real de salários são positivas também para 2007. O rendimento real (acima da inflação) e a ocupação devem continuar em alta, levando a massa a crescer pelo quarto ano seguido. As projeções para feitas pelo Dieese mostram também que pode haver “uma queda mais acentuada do desemprego”. A Pesquisa Mensal de Emprego e Desemprego (PED), produzida pelo Dieese em parceria com a Fundação Seade, identifi-cou índice de 14,1% de desempregados na PEA da Grande São Paulo, o menor para o mês desde 1996.

Empresas de telefonia ainda são campeãs de reclamações
Duas das maiores empresas de telefo-nia do país foram os principais alvos de reclamações em 2006 junto ao Programa de Defesa do Consumidor (Procon), no Sul Fluminense, segundo resultado de um balanço realizado pelo órgão, entre os meses de janeiro e novembro. De um total de 1.127 reclamações, a Vivo obteve 111 e a Telemar 99. De acordo com o balanço, os problemas que mais afligiram o consumidor no decorrer do ano foram compra de aparelhos celulares com defeito (176 reclamações no geral), eletroeletrônicos e eletrodomésticos que também apresentaram problemas dentro do prazo de garantia (132) e cobranças indevidas por parte de empresas administradoras de cartões de crédito (84 reclamações).

“Vozes da Terra” fala sobre a experiência da Comuna da Terra
O MST está desenvolvendo uma nova experiência: a Comuna da Terra. São assentamentos e acampamentos organizados em pequenas áreas, mas construídos próximos às grandes cidades e formados por trabalhadores da área urbana que um dia foram agricultores. O objetivo do MST com essa nova experiência é realizar a reforma agrária de maneira que possa resgatar os antigos camponeses e camponesas que perderam suas terras. Para ouvir a entrevista, com aproximadamente 5 minutos, http://www.mst.org.br/mst/pagina.php?cd=2634

MPF pede que polícia investigue ameaça a bispo no Pará
O Ministério Público Federal no Pará en-caminhou pedido à Polícia Federal para que seja investigada ameaça de morte feita ao bispo do Xingu, dom Erwin Krautler. Dom Erwin recebeu da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) o prêmio José Carlos Castro de Direitos Humanos pela sua atuação em defesa da vida e do meio ambiente do povo da Amazônia.

Denúncia de prostituição infantil pode ser motivo de ameaça
Dom Erwin Krautler prestou depoi-mento nesta quarta-feira (03/01) na Polícia Federal, no município de Altamira (PA). O religioso é conhecido por fazer várias denúncias contra fazendeiros, madeireiros e políticos da região. O bispo comenta que as últimas ameaças, no fim do ano, surgiram após ele denunciar criminosos que promovem abuso sexual e prostituição infantil. “Junto com outras organizações, eu denunciei rigorosamente essa quadrilha que se alastrou há alguns meses aqui na região. Ela é formada por gente de poder aquisitivo elevado, que até agora sempre teve facilida-de de sair de algumas situações pagando dinheiro para não se preocupar em ser acusada. E de repente, essa quadrilha, que é formada por um ex-vereador, médicos e comerciantes, se vê diante dos tribunais.”

Inacreditável!
Pinochet comandou uma das mais violentas ditaduras da América Latina. Prendeu, torturou, matou e desapareceu com os corpos de mais de 3 mil opositores. Agora, depois de morto, a rede de TV CNN faz matérias chamando-o apenas de “general aposentado” e “ex-governante chileno”. Nem uma palavra sobre as barbáries.

Mais inacreditável!

A Colômbia tem o maior índice de violência contra jornalistas, sindicalistas e defensores de direitos humanos do planeta, como já noticiamos várias vezes. Mais de uma centena de sindicalistas foram assassinados no ano passado, sem que o governo (fiel aos EUA) movesse uma palha! Mas, no dia 17 de dezembro, o jornal El Mundo noticiou um fato inacreditável: “uma cadela treinada para farejar drogas está andando, agora, com escolta policial porque sofreu ameaças de traficantes”! A matéria completa pode ser lida em: http://www.elmundo.es/elmundo/2006/12/17/internacional/1166384358.html

Monsanto controla transgênicos
O mercado internacional de sementes e cultivos geneticamente modificados está cada vez mais concentrado. De acordo com o informe de 2006, a Monsanto é responsável por 60% dos cultivos transgênicos no mundo. Dos 88 milhões de hectares cultivados com geneticamente modifica-dos em escala mundial, 53 milhões de hectares são desenvolvidos nos laboratórios da empresa estadunidense. Os outros 40% são divididos por nove empresas, entre elas a Syngenta e a Dupont. Dos cultivos transgênicos, a semente de soja RR da Monsanto, resistente ao glifosato, é a semente mais cultivada no mundo. No Brasil, Argentina e Paraguai a empresa domina, praticamente em sua totalidade, o mercado da soja. Na Argentina, a Monsanto também detém o controle do cultivo de milho através da variedade RR GA21, resistente ao herbicida glifosato. O mesmo tipo de semente que, segundo denúncias de agricultores e parlamentares gaúchos, vem sendo contrabandeada ao Rio Grande do Sul. No México, as sementes de algodão transgênico da multinacional são utilizadas em 40 mil hectares. A mesma variedade é vendida na Índia e na China. (Matéria em Agência Chasque)

Romênia e Bulgária estão na UE
Desde 1° de janeiro, a União Européia tem mais dois membros, su-bindo agora para 27 o número de países no bloco. As novas fronteiras da UE vão agora do Atlântico ao Báltico no oeste e no norte e até o Mar Negro no sudeste. Com a participação de romenos e búlgaros, a população da UE cresce em 30 milhões de pessoas, vai para 490 milhões, mas aumenta apenas 1% na produção econômica. A adesão provocou debates e protestos pois alguns países temem que mais expansão traga ondas de imigração e crimes que podem tirar empregos e gerar instabilidade.

Vendas da Ford caem 12,8%
A fabricante de veículos Ford Motor registrou queda de 12,8% em suas vendas nos EUA em dezembro, na comparação com o mesmo mês de 2005. As vendas da empresa no país no ano passado como um todo foram de 2,9 milhões de unidades, 7,9% a menos que o total de 2005. A Chrysler, divisão americana da DaimlerChrysler, anunciou um crescimento de 1% em suas vendas em dezembro, che-gando a 190.415 unidades vendidas, mas a Mercedes-Benz (fabricante de carros de luxo), outra das divisões da DaimlerChrysler, registrou uma queda de 10% em suas vendas nos EUA no mês passado.

Nós e a Guerra no Iraque
Cidadãos comuns, no Brasil, também estamos sentindo os efeitos da Guer-ra no Iraque e também estamos contando algumas vítimas. Como? Algum brasileiro foi enviado para lá? A questão é outra: acontece que os hemoderivados são medicamentos fabricados a partir da industrialização do plasma do sangue humano. Um dos mais importantes é a imunoglobulina, utilizada no tratamento de deficiên-cias do sistema imunológico, incluindo doenças degenerativas como miastenia e esclerose múltipla. Milhares de pessoas no Brasil dependem desses medicamentos, mas a Guerra no Iraque já está afetando suas vidas. Nos últimos meses, começou a faltar imunoglobulina humana endovenosa nas prateleiras dos hospitais (até no Hos-pital das Clínicas de São Paulo, o maior do país). Motivo: os EUA, principal exportador de plasma sangüíneo, suspenderam as vendas devido à demanda por esses medicamentos pelos militares na Guerra no Iraque! A matéria completa está em Agência Carta Maior.

Guantânamo: torturas contra prisioneiros
Agentes do FBI testemunharam mais de duas dezenas de casos de torturas, abusos, agressões e humilhações de prisioneiros na Base Naval de Guantânamo. Docu-mentos publicados durante a semana, na página do FBI na internet, revelam a situação de pelo menos 26 casos onde foram utilizados “duros métodos de interrogatório” por parte de agentes dos serviços de segurança esta-dunidenses e pessoal militar. As denúncias estão sendo feitas por uma ONG – União Pelas Liberdades Civis nos EUA) e acusam diretamente o governo Bush, principalmente depois da aprovação da sua Lei tornando as tortu-ras “legais”.

OTAN quer “matar menos civis”
Seria cômico, se não fosse trágico! A declaração do brigadeiro Ri-chard E. Nugee, principal porta-voz da OTAN na International Security Assistance Force, no Afeganistão, é as-sustadora: “A única coisa que fizemos errada e que estamos nos esforçando arduamente por melhorar foi a matança de civis inocentes”. Assim mesmo, na maior “cara-de-pau”, ele assume a matança em notícia que está em: (www.boston.com/news/world/asia/articles/2007/01/04/nato_vows_fewer_deaths_of_civilians/)

Tudo bem planejado?
Em entrevista à TV Al Jazeera, o escritor iraquiano Dr. Walid al-Zubaydi lança alguns esclarecimentos sobre o enforcamento de Saddam Hussein e denuncia que o filme divulgado é “parte de um plano estadunidense”. Na entrevista, ele diz que “Sem dúvida alguma, os ocupantes do Iraque queriam que o último momento da execução arrastasse os iraquianos para o pior – o sectarismo e a divisão interna”. Para comprovar, ele diz que as cenas filmadas foram passadas para a imprensa de forma planejada, pois “os EUA dependem dos efeitos da guerra e a propaganda psicológica é importante”. Ele afirma que tudo foi muito bem planejado, para dar a impressão de que o filme foi feito sem conhecimento das autoridades. “Todos sabem que os estadunidenses cercaram o local da execução e que não permitiram entrada de máquinas fotográficas ou filmadoras. Assim, a idéia de usar telefones celulares servia para não violar as regras. E sabemos que foi mon-tada uma farsa para incitar membros de uma certa seita.” A entrevista de al-Zubaydi pode ser vista no site: www.globalresearch.ca/PrintArticle.php?articleId=4292