Maldição sobre nossa geração?

25

Há uma contradição que afeta todos os paises do mundo e que a persistir pode nos levar a um generalizado desastre civilizatório. A contradição reside nisso: todos os paises precisam anualmente crescer. Leonardo Boff *

Adital – Há uma contradição que afeta todos os paises do mundo e que a persistir pode nos levar a um generalizado desastre civilizatório. A contradição reside nisso: todos os paises precisam anualmente crescer. Crescimento é fundamentalmente econômico que se expressa pelo Produto Interno Bruto(PIB). Esse crescimento cobra uma alta taxa de iniquidade social (desemprego e compressão dos salários) e uma perversa devastação ambiental (exaustão dos ecossistemas).Há bastante tempo que o equilíbrio entre crescimento e preservação do ambiente foi quebrado em favor do crescimento. O consumo já supera em 25% a capacidade de reposição do planeta. Consoante o PNUD se quiséssemos universalizar o bem estar dos paises industrializados precisaríamos dispôr de outros três planetas como a Terra, o que é absurdo. Sabemos hoje que a Terra é um sistema vivo autoregulador no qual o físico,o químico, o biológico e o humano se entrelaçam (teoria de Gaia). Mas ela está falhando em sua autoregulação. Dai as mudanças climáticas e o aquecimento global que nos atestam que estamos já profundamente dentro da crise.

A Terra poderá buscar um equilíbrio novo subindo sua temperatura entre 1,4 e 5,8 graus Celsius. Começaria então a era das grandes devastações com a subida do nivel dos aceanos afetando mais da metade da humandade que vive em suas costas e milhares de organismos vivem não teriam tempo suficiente para adaptar-se e morreriam. Grande parte da própria humanidade, em até 80% segundo uns, poderia mais poder subsistir.

Com acerto afirmava Washington Novaes, um dos jornalista que no Brasil melhor acompanha as questões ecológicas: “agora não se trata mais de cuidar do meio ambiente mas de não ultrapassar os limites que poderão pôr em risco a vida”. Muitos cientistas sustentam que nos acercamos já do ponto de não mais retorno. Podemos diminuir a velocidade do processo, mas não sustá-la.

Essa questão deveria preocupar os Governos, em especial o nosso que propõe o crescimento como meta central. Em seu discurso, o Presidente Lula não disse sequer uma palavra sobre a questão ambiental. Se não tomar em conta os dados acima, as taxas alcançadas poderão ser totalmente perdidas em duas ou três gerações. Nossos filhos e netos amaldiçoarão nossa geração que sabia das ameaças e nada ou pouco fêz para escapar da tragédia anunciada.

O erro de todos foi seguir ao pé da letra o conselho de Lord Keynes para sair da grande depressão dos anos trinta: “Durante pelo menos cem anos devemos simular diante de nós mesmos e diante de cada um que o belo é sujo e o sujo é belo porque o sujo é útil e o belo não o é. A avareza, a usura, a desconfiança devem ser nossos “deuses” porque são eles que nos poderão guiar para fora do túnel da necessidade econômica rumo à claridade do dia…Depois virá o retorno a alguns dos princípios mais seguros e certos da religião e da virtude tradicional: que a avareza é um vício, que a exação da usura é um crime e que o amor ao dinheiro é detestável”(Economic Possibilities of our Grand-Children). Só que esse retorno não está acontecendo, antes se distanciou.

Porque escolhemos meios maus para fins bons chegamos ao ponto a que chegamos. Ou redefinimos fins mais altos do que simplesmente produzir e consumir ou então devemos aceitar um destino trágico. Remendos não são remédios.

* Teólogo. Membro da Comissão da Carta da Terra