A violência camuflada

23

Humilhação e tortura fazem parte do dia-a-dia de muitos trabalhadores, em flagrante violação de direitos e com efeitos devastadores na saúde. Humilhação e tortura fazem parte do dia-a-dia de muitos trabalhadores, em flagrante violação de direitos e com efeitos devastadores na saúde. Por Sylvia Palma.

Brasil. Uma operária do setor fabril da região Sul é acorrentada a uma máquina têxtil. Ela só será libertada depois de cumprir sua meta de produção. Assim como todas as outras trabalhadoras que apresentaram baixa produtividade. Outra trabalhadora, de uma empresa do Nordeste do país, para usar o banheiro durante o servi-ço é obrigada a fazer a limpeza dos sanitários, pias e chão. Ela decide levar um urinol para o trabalho e fazer suas necessidades fisiológicas diante das colegas. Numa terceira empresa, na Bahia, vários trabalhadores são colocados num auditório. Os homens que não atingiram as metas de vendas são obrigados a desfilar vestidos de mulher, ornamentados com um pênis de plástico preto – os negros têm que usar o artifício de plástico branco. (…) Humilhação, tortura, violência. Perpetrada de forma sistemática contra trabalhadores, com o objetivo de torná-los mais produtivos, ou descartá-los por baixa produtividade. Todos, vítimas do assédio moral.

São apenas três casos pinçados entre os encontrados e publicados pela pesquisadora Margarida Barreto, uma das maiores autoridades no Brasil sobre assédio moral. Leia a matéria na Revista 11 do Instituto do Ob-servatório Social: http://www.observatoriosocial.org.br/portal/

Denúncia recebida pelo Informativo
Recebemos a denúncia a seguir, e, por ser longa, reproduzimos uma síntese. “A TIM dá golpe em trabalhador, através da SPcell (DFSN-Serviços). Com um anúncio de trabalho com carteira assinada, a SPcell (nome fantasia da DFSN-Serviços ) engana trabalhador e não paga o que foi prometido. Foi o caso do ex-Consultor Raul Assis da Rocha Passos, em Campinas-SP, que no seu 43 dia de tra-balho (30/10 a 12/12) ainda não tinha recebido o seu salário e a ajuda de custo semanal oferecido ao ingressar na empresa. Quando o trabalhador foi exigir os seus direitos foi demitido arbitrariamente e pior, descobriu que até aquele momento não tinha sido registrado, mesmo, tendo entregue a Carteira de Trabalho e cópias de to-dos os documentos exigidos. Ao conversar com outros consultores descobriu também, que eles não tinham recebido os bônus, as comissões e o valor integral da ajuda de custo. Passado mais de 10 dias da sua demissão ainda não recebeu o salário, ajuda de custo, a rescisão e nem a sua carteira de trabalho, configurando um cri-me de retenção de documentos.”

Tristeza na Álcalis
A situação dos trabalhadores da Álcalis, em Arraial do Cabo, se agrava. Recebemos, do Sindicato local, a informação: “Os empregados da Cia Nacional de Álcalis estão sem receber salários há 6 meses e agora a empresa está fazendo a rescisão contratual de todos os empregados. O Sindicato entrou com processo para garantia rescisória, resguardando os direitos trabalhistas. Infelizmente, 633 funcionários estão deixando seus postos de trabalho. Alguns conseguiram novas colocações e outros ficam com a esperança que a empresa possa voltar sua atividade. Esperamos que, no futuro, as autoridades entendam a importância da Ál-calis como fornecedora de um produto de base e geradora de emprego”. Só para recordar, a Álcalis foi privati-zada em 1992.

Golpe da Telemar prejudica trabalhadores
O Sindicato dos Telefônicos de Minas Gerais está denunci-ando que os controladores da Telemar utilizaram o fundo de pensão dos empregados, o Atlântico, em benefício próprio. Em documento entregue ao procurador-geral da República, o sindicato questiona cerca de dez opera-ções feitas pelos acionistas controladores da companhia e seu fundo de pensão. Segundo o sindicato, a princi-pal acusação é de que, em maio de 2004, o fundo comprou 4% da Telemar Participações (holding do grupo) por R$ 356,6 milhões e o estudo feito criteriosamente pelo sindicato, durante um ano, mostrou que a fundação teria pago R$ 259,5 milhões a mais do que o valor dos papéis. O sindicato questiona também que o Atlântico tem 13% do seu patrimônio em investimento direto na Telemar Participações!

Dieese: salário mínimo deveria ser de R$ 1.564,52
Estudo divulgado pelo Dieese apontou que o salário mínimo do trabalhador brasileiro deveria ser de R$ 1.564,52 no último mês de 2006, para suprir suas ne-cessidades básicas e da família. A constatação foi feita por meio da utilização da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de dezembro, realizada pela instituição em 16 capitais do país. Em dezembro de 2006, na média das 16 capitais pesquisadas, a compra dos produtos alimentícios de primeira necessidade exigiu o cumprimento de uma jornada de 98 horas e 12 minutos. Em igual mês, em 2005, era necessária a execução de 117 horas e 29 minutos para se obterem os mesmos bens. Em novembro de 2006, o tempo de trabalho necessário chegou a 100 horas e 29 minutos.

Índia de 70 anos é assassinada por pistoleiros no MS
A ocupação de uma fazenda de 2,4 mil hecta-res na região de Amambaí, extremo sul do Mato Grosso do Sul, por cerca de 200 Guarani Kaiowá na última sexta (5), terminou com a execução de uma senhora de 70 anos, nesta terça (9), por um grupo de pistoleiros liderados por funcionários da propriedade, segundo a imprensa local. Os indígenas, que moram na aldeia Taquapery de Coronel Sapucaia, reivindicam a área, que abriga um antigo cemitério da etnia, enquanto território tradicional e sagrado – o que teria sido comprovado por estudos antropológicos preliminares da Funai.

Mais combate ao trabalho escravo
No ano de 2006, mais de 3,2 mil trabalhadores rurais foram en-contrados em situação de escravidão em todo o Brasil. As informações do Ministério do Trabalho e Emprego revelam que o número de trabalhadores libertadores alcançou um recorde no ano passado. Foi a primeira vez também que um fazendeiro do Rio Grande do Sul foi incluído na chamada “lista suja”, que relaciona os empre-gadores flagrados mantendo trabalhadores em condições de escravo.

América Latina supera expectativa
O Produto Interno Bruto (PIB) dos países da América Latina supe-rou as estimativas e avançou 5,3% em 2006, completando agora quatro anos de crescimento sustentado, de acordo com o último relatório da Cepal (Comissão Econômica para América Latina e Caribe). Todos os países latino-americanos, exceto o Chile, mostraram um crescimento superior ao do ano passado, quando a região registrou expansão de 4,5% em média.

Auto-estima em alta, na América Latina
As elites dos principais países da América Latina esperam cada vez mais de suas próprias economias e menos dos EUA, revela um estudo da empresa Zogby International divulgado pela revista Newsweek. A pesquisa foi feita com 603 destacados latino-americanos (políticos, empre-sários, acadêmicos e figuras dos meios de comunicação, quase todos com títulos universitários) e mostra que Washington perdeu importância e que Bush se tornou mais impopular. Matéria completa em www.envolver de.com.br/ ?materia= 26578#

Preparação do golpe
A direita boliviana continua avançando em seu projeto de golpear o governo Evo Morales e tentar fazer uma divisão no país. Os governadores dos departamentos mais ricos do país (La Paz, Santa Cruz, Tarija, Beni e Pando) acusam Evo de “terrorismo”, mas continuam organizando manifestações con-tra o governo federal e anunciam que não aceitarão as mudanças que estão sendo debatidas no Congresso. A direita perdeu as eleições parlamentares e teme que uma nova Constituição mais democrática seja votada e contrarie seus interesses. Em protesto, anuncia que os departamentos (estados) mais ricos podem se separar, tornando-se independentes.

Prêmio Nobel da Paz 2007 para Evo Morales
No dia seis de dezembro de 2006, o Prêmio Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivel apresentou a candidatura do presidente da Bolívia, Evo Morales, como candidato ao Prê-mio Nobel da Paz de 2007. Entre as razões e os fundamentos que fazem de Evo Morales merecedor do Prêmio Nobel da Paz 2007 são as seguintes: sua luta pela dignidade dos povos originários da Bolívia, da América Latina e do mundo; o respeito à diversidade cultural; a defesa dos recursos naturais; sua permanente pregação em favor da vida em harmonia com a natureza; etc. Para aderir: Todos os que desejem aderir à campanha para que o Prêmio Nobel da Paz de 2007 seja entregue a Evo Morales devem enviar nome, profissão, cidade, Estado e país onde vive para o blog do professor Emir Sader em (http://agenciacartamaior.uol.com.br/).

Ortega volta à presidência após 16 anos
O líder sandinista Daniel Ortega assumiu a presidência da Nicarágua. Ortega assinou, logo depois da posse, um grande acordo econômico com Hugo Chávez. Pesquisas recentes revelaram que 67% dos nicaragüenses têm esperanças de que a gestão de Ortega leve soluções ao país, principalmente em relação aos problemas mais dramáticos, como a fome e o desemprego, que atinge 50% da população. Em um discurso para uma multidão reunida na Praça João Paulo II, após assumir o cargo, Ortega garantiu que estabelecerá um governo austero e de unidade nacional. “Esta faixa pertence aos pobres, aos nicaragüenses que estão dispostos a lutar pela justiça, a lutar para que desapareçam a fome, a falta de educação, de saúde, (a faixa pertence) a todos os nicaragüenses que foram agredidos pelas políticas neolibe-rais”.

Hugo Chávez anuncia nacionalização
O presidente da Venezuela anunciou, na segunda-feira, que pre-tende nacionalizar as empresas do setor elétrico, de telefonia e de distribuição de águas no país. As empresas haviam sido privatizadas em governos anteriores. A Compañía Anónima Nacional Teléfonos de Venezuela (CANTV), por exemplo, foi privatizada em 1991 e tem o monopólio da telefonia no país, sem ter ampliado seus serviços sociais. De acordo com o artigo 7 da Lei de Telecomunicações, “O ‘espectro radielétrico’ é um bem de domínio público da República Bolivariana da Venezuela, para cujo uso e exploração deverá contar-se com a respectiva concessão, de acordo com a lei”. Com o fim da concessão, o direito de uso retorna à República. Ou seja, como no Brasil, a concessão de canais de rádio e TV é feita pelo Congresso e regulamentada por lei. Chá-vez, ao contrário do que a grande imprensa está dizendo, não está tomando os canais.

ALERJ vai homenagear Chávez
A Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro fará, no dia 19 de janeiro, uma homenagem ao presidente venezuelano com a entrega da medalha Tiradentes. A homenagem foi uma iniciativa do deputado Paulo Ramos (PDT), aprovada em 1999 mas que ainda não havia sido concretizada. A solenidade vai aproveitar a presença de Chávez que virá ao Rio para um encontro de presidentes do Mercosul.

Rafael Correa toma posse amanhã!
A presidente da Associação Mães da Praça de Maio, Hebe de Bona-fini, é convidada especial do presidente eleito do Equador, Rafael Correa. Segundo nota oficial, “O convite a Hebe de Bonafini foi por reconhecimento pelos 30 anos de luta e resistência destas bravas mulheres da Argen-tina”. Em carta enviada a Rafael Correa, diz Hebe: “ (…) Querido filho: Saiba você levar até o final em seu país o que nossos maravilhosos filhos reivindicavam para a Argentina e também para a América Latina. Desde Ar-gentina, as Madres de Plaza de Mayo o estaremos acompanhando com o compromisso de nossa luta que já vai completar 30 anos”. Chávez, Lula e Evo Morales já confirmaram presença na posse.

Universitários apoiam proposta de Constituinte
Os estudantes universitários do Equador realizaram uma marcha pacífica em Quito, nesta quarta-feira, anunciando o apoio às propostas de eleição de uma Assem-bléia Nacional Constituinte feita pelo presidente eleito, Rafael Correa. “Queremos a eleição de uma Assembléia Constituinte”, disse um dos líderes do movimento, presidente da Federação dos Estudantes Universitários do Equador. “Viemos aqui para dizer ao Congresso que não aceitaremos golpes ou atropelos”, disse outro estudan-te.

“Filhos de Dom Quixote” chegam a Barcelonahttp://www.observatoriosocial.org.br/portal/
Depois de uma vitória na França, no início da semana, a organização humanitária “Filhos de Dom Quixote” prepara-se para manifestações na Espanha. A entidade luta pelos moradores de rua, os chamados “sem-teto”, na Europa. Em Paris, eles conseguiram montar centenas de barracas ao longo do rio Saint Martin, desde dezembro, para denunciar a falta de moradias populares. A ima-gem de tantos “sem-teto” acampados na cidade preocupou as autoridades que se comprometeram com a cons-trução de abrigos dignos e já aprovaram verbas para a construção de 27.000 novas moradias populares. Na última quinta-feira, três membros da organização chegaram a Barcelona e começaram a distribuir panfletos e fazer encontros para denunciar a falta de moradias. Ainda não anunciaram se pretendem montar acampamen-tos, como o de Paris, mas já preocupam as autoridades locais!

Em 2006, o maior número de jornalistas assassinados
A falta de punição em casos de violência con-tra jornalistas foi uma das razões de 2006 ter sido o ano mais violento para a categoria, segundo a Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ). No ano passado, foram assassinados 155 jornalistas e outros 22 morreram em conseqüência de acidentes de trabalho no exercício da profissão. Estes números são considerados um re-corde para a categoria. Um relatório anual do Instituto Internacional para a Segurança da Imprensa analisou estes dados e os considerou preocupantes. Segundo esse levantamento, as mortes ocorreram em sua maioria por tiros, espancamento e até mesmo esfaqueamento.

Os mitos sobre a fome
“A fome não é um mito, mas os mitos nos impedem de acabar com a fome”. Com esta introdução, cientistas e pesquisadores começam a divulgar pela internet os mitos que a grande im-prensa cria para desviar a atenção e justificar a fome no mundo. O documento lembra que, a cada ano, 12 mi-lhões de crianças morrem de fome no mundo. Os autores do documento, em www.foodfirst.org, dizem que é preciso “apagar” de vez esses mitos que foram criados. Vejamos alguns exemplos. Mito 1: Não existe alimentos suficientes para todos. Resposta: Há trigo, arroz e outros grãos produzidos em quantidade suficiente para pro-ver a cada ser humano das 3.500 calorias necessárias por dia. Isto sem considerar outros alimentos como ve-getais, tubérculos, frutas, carnes e pescados. Existe suficiente alimentos no mundo, o problema é que muita gente é muito pobre para comprar os alimentos disponíveis. Mito 9: São passivos, estão muito famintos para lutar pelos seus direitos. Resposta: Bombardeados por imagens de pessoas pobres, muito fracas e passando fome, perdemos de vista o mais óbvio… que para aqueles com poucos recursos, a simples sobrevivência requer um esforço tremendo. Se os pobres fossem verdadeiramente passivos, poucos deles sobreviveriam.

Pacifistas estadunidenses estiveram em Cuba
Cindy Sheehan, cujo filho Casey foi morto no Iraque em 2004, e outros pacifistas estiveram em Cuba durante a semana para um protesto diante da Base Naval de Guantánamo. “Nossa viagem coincide com o quinto aniversário da utilização da Base como prisão e viemos protestar contra o tratamento desumano dado aos prisioneiros, que são privados de um processo justo”, disse ela. Um dos momentos de maior emoção do ato foi quando Cindy se encontrou com a mãe de um prisioneiro afegão, um jóvem que está incomunicável na Base. Abraçadas, as duas pediram que mais gente se some às denúncias e cobrem também o fim das prisões clandestinas mantidas por Bush.

No meu país tratam melhor os cachorros que os prisioneiros de Guantánamo
“Se nos Estados U-nidos tratassem os cachorros com a crueldade que tratam os presos no cárcere de Guantánamo, com certeza teria lugar um levantamento popular por parte dos donos desses animais”, afirmou a pacifista Cindy Sheehan. “Em memória do meu filho e de todos os que possam ser salvos da morte, peço ao presidente Bush a deter o ódio, a mentira, a violência e a fechar este cárcere”, disse.

Manifestação em Paris
Durante a semana, cerca de 300 integrantes da Anistia Internacional fizeram manifestação diante de uma réplica da Estátua da Liberdade, em Paris, para lembrar o quinto aniversários do campo de concentração estadunidense na Base Militar de Guantánamo. Com máscaras brancas, os manifestan-tes exigiam o fechamento imediato das instalações. A organização denuncia que, desde 2002, já passaram pela prisão 765 “suspeitos de terrorismo”. As detenções são secretas e os acusados não recebem assistência jurídi-ca, além das constantes denúncias de torturas e tratamento desumano. A Anistia Internacional da França já recolheu 97 mil assinaturas em um documento exigindo o fechamento da prisão. Em comunicado à imprensa, a Anistia Internacional afirmou que a base “passou a simbolizar a hipocrisia das promessas feitas pelos EUA como resposta aos atentados de 11 de setembro”. Mais em: http://www.edai.org/guantanamo/2511862006.pdf

Bush envia mais soldados ao Iraque
Bush anunciou, durante a semana, que enviará mais 21,5 mil soldados ao Iraque e disse que “foi um erro não ter reforçado antes o contingente dos Estados Unidos no país do Golfo Pérsico”. Depois de quase quatro anos de guerra, os resultados são impressionantes: os EUA já gasta-ram cerca de US$ 400 bilhões, mais de 50 mil civis iraquianos e 3.015 soldados estadunidenses morreram. O novo plano de Bush inclui um pedido de US$ 6,8 bilhões para pagar o aumento do número de soldados.

Michael Moore ironiza Bush
O cineasta Michael Moore enviou carta irônica a Bush, depois da sua “Mensagem à Nação” anunciando que enviaria mais soldados para o Iraque. Diz Moore: “Estimado presidente. Agradeço pela sua mensagem à nação. É bom saber que o senhor deseja falar conosco depois dos protestos de novembro.” Depois da introdução, ele diz que enviar 20 mil soldados é muito pouco, e conclui: “Para abater esta nação de 27 milhões de habitantes seria necessário enviar, pelo menos, 28 milhões de soldados. O senhor não acha?”

O morto número 3.000
Chamava-se Dustin Donica, de 22 anos, nascido em Spring (subúrbio de Houston – Texas) e pertencia ao Regimento de Paraquedistas 509. Desejava ser jogador de basquete, mas morreu nas proximidades de Bagdá na noite de 28 de dezembro.