Professores reconquistam a mudança automática de nível

27

O acordo foi firmado na segunda audiência entre o SINTESE e a Secretaria de Estado da Educação acontecida na noite da última quara-feira, dia 11. Os professores terão de volta a progressão funcional automática. O acordo foi firmado na segunda audiência entre o SINTESE e a Secretaria de Estado da Educação acontecida na noite da última quara-feira, dia 11. A volta da mudança automática de nível é o primeiro ponto da pauta de reivindicação conquistado pelo professores em 2007. Os outros 16 pontos estão sendo negociados. Os informes sobre a pauta foram dados na assembléia geral da categoria que aconteceu na manhã desta quinta-feira, dia 09, no Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe.

Em 2004 em um ato infeliz, o governo estadual, com apoio da bancada governista, estipulou que para ocorrer a mudança de nível seria necessário que houvessem vagas na rede e o professor passasse por uma avaliação. A volta definitiva da mudança automática de nível depende de aprovação de projeto de lei na Assembléia Legislativa. “É a reconquista de um direito que pertencia aos professores há 30 anos. Esperamos que essa alteração seja feita o mais rápido possível. Eles fizeram um investimento visando a melhoria da qualidade de ensino e merecem receber salários condizentes com sua nova situação intelectual”, afirmou presidente da entidade, Joel Almeida.

Questões mais complexas da pauta de reivindicação como Gestão Democrática e Plano Estadual de Educação serão discutidas a partir da definição do reajuste salarial, provavelmente no segundo semestre. Já em relação ao Funaserp e o redutor salarial o secretário José Fernandes Lima disse que esses pontos serão acordado no âmbito do governo de Estado e que a SEED não tem autonomia para discuti-los.

Gastos inflacionados
Com relação ao reajuste salarial a Secretaria de Educação apresentou estimativa de folha de pagamento que não dão margem para revisão dos salários do magistério estadual e que o entendimento deveria passar também pela Secretaria de Estado da Fazenda.

Os dados mostrados pela SEED deixaram estarrecidos os membros da comissão de negociação do sindicato presentes à audiência. De acordo com a Secretaria de Educação a estimativa de gasto da folha de pagamento mensal para 2007 faz com que na média cada servidor da Educação receba aproximadamente R$1600 mensais. Para o sindicato esse dado apresentado pela secretaria está superdimensionado.

Segundo dados da própria SEED a maioria dos servidores da Educação que trabalha nas escolas recebe pouco mais de um salário mínimo. Já os professores de nível médio tem como vencimento líquido (incluindo vantagens) por volta de R$600 e os de nível superior algo em torno de R$900. “Esses dados mostrados para o sindicato estão fora da realidade salarial dos servidores. Como se chegou a esses valores. Essa média salarial não existe”, questionou o diretor de Comunicação, Roberto Silva. O sindicato acredita que esses dados foram passados com o objetivo de desestimular os professores a continuar a luta pela revisão salarial e recuperação das perdas acumuladas nos últimos doze anos.

Veja também o que já foi publicado sobre:
Pauta de Reivindicação
Mudança de Nível