Professores de Capela fazem paralisação de um dia

27

Eles exigem que a prefeitura cumpra o Plano de Carreira e Remuneração do Magistério e que tenha transparência no gasto dos recursos públicos da Educação. Os educadores da rede municipal de Capela paralisam as aulas nesta terça-feira, dia 17. Eles exigem que a prefeitura cumpra o Plano de Carreira e Remuneração do Magistério e que tenha transparência no gasto dos recursos públicos da Educação. Na programação está prevista a realização de um curso de formação sindical para os professores, panfletagem e uma feijoada em frente a prefeitura.

O ato também é para mostrar a indignação do magistério com os vereadores que ainda não derrubaram o veto do prefeito Manoel Messias (Sukita) que suspende 37 artigos da lei do Plano de Carreira e Remuneração do Magistério. Com o veto do prefeito os professores perdem direitos históricos como: licença- prêmio, gratificação por titulação, mudança automática de nível, entre outros. “Esperamos contar com o apoio dos vereadores para que o texto da lei seja cumprido na íntegra”, afirmou a delegada sindical do SINTESE em Capela, Edma Silva Menezes Alves.

Há denúncias no Ministério Público de que houve irregularidades no gasto dos recursos que o município recebeu do Fundef. Por exemplo, servidores que trabalham na Secretaria de Educação receberam seus salários pelo do Fundef. Outra irregularidade é que serviços de mão-de-obra foram pagos com dinheiro do fundo. A lei dos fundos que financiam a Educação é clara. Somente professores que estão em sala de aula podem receber seus salários com recursos dos fundos.

Além disso a prefeitura não cumpria a lei no tocante a porcentagem de utilização dos recursos para o pagamento dos professores. Segundo estudos feitos pelo SINTESE ao invés de utilizar o mínino de 60% do dinheiro do Fundef em salários dos professores somente 46% tinha essa finalidade.

Veja também o que já foi publicado sobre:
Rede Municipal de Capela