SINTESE repudia Rede Globo

26

O SINTESE aprovou no último dia 13 no encerramento das Oficinas Pedagógicas da Resistência uma moção de repúdio contra a Rede Globo de televisão devido a um quadro humorístico veiculado no programa Casseta e Planeta no último dia 10 de julho. MOÇÃO DE REPÚDIO

Os Trabalhadores em Educação Básica da Rede Pública de Sergipe, reunidos em Aracaju, no Ginásio “Charles Moritz”, no dia 13 de julho do corrente ano, por ocasião do encerramento das “Oficinas Pedagógicas da Resistência”, aprovaram, por unanimidade, a presente Moção de Repúdio, a ser enviada à Rede Globo de Televisão, pelo tratamento desrespeitoso, agressivo e de ataque contra a honra e a dignidade dos professores(as) num dos quadros do programa “Casseta e Planeta”, levado ao ar no dia 11 de julho de 2007, que apresentava uma educadora como “professora de programa”.

Os baixos salários pagos aos professores, escolas sem infra-estrutura adequada para o desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem, as condições indignas de trabalho, a violência que atinge a comunidade escolar, a falta de material didático-pedagógico e de uma política de formação permanente, por si só já penalizam os educadores do povo brasileiro. No entanto, nada justifica desqualificar esses profissionais, atingindo-os na sua honra, moral e dignidade de uma forma tão grotesca e de baixo nível.

Cabe salientar que a Rede Globo de Televisão como uma concessionária de um serviço público deveria expor no seu noticiário e debater em seus programas os verdadeiros problemas da Educação Pública no Brasil, sem desqualificar os professores de forma caricata, um dos sujeitos mais importantes no processo educativo dos filhos do povo brasileiro.

A Rede Globo, emissora de televisão formadora de opinião, de hipótese alguma deveria colocar no ar um quadro tão ultrajante, tratando aqueles que educam os cidadãos, como “pervertidos sexualmente” que se prostituem para complementar o seu rendimento.

Portanto, é necessário que a Rede Globo tome as providências de forma pública, para reparar os graves danos, admitindo o equívoco cometido e pedindo desculpas aos educadores brasileiros e a sociedade, pela imagem negativa e preconceituosa apresentada, com conseqüências incalculáveis no imaginário da sociedade brasileira.

Aracaju (SE), 13 de julho de 2007