Escolas municipais de São Cristóvão sofrem com abandono e falta de merenda escolar

24

As escolas municipais de São Cristóvão vem sofrendo muito com as últimas administrações, desenvolvendo problemas desde falta de investimentos na parte estrutural até a merenda escolar.< As escolas municipais de São Cristóvão vem sofrendo muito com as últimas administrações, desenvolvendo problemas desde falta de investimentos na parte estrutural até a merenda escolar.

Muitas escolas funcionam em casas alugadas, antigas salas e quartos dão lugar a minúsculas salas de aula, sem qualquer condição para funcionamento. É o caso da escola Municipal Francisco da Costa, onde estão alojadas mais de 20 crianças em cada pequeno cômodo.

O Colégio São Cristóvão, por exemplo, recentemente teve o fornecimento de energia cortado por falta de pagamento. Além disso, os alunos estão sendo prejudicados pelo constante mau cheiro exalado dos banheiros e de uma antiga fossa.

Para piorar ainda mais a situação dos alunos, tem faltado a merenda escolar nas escolas da rede municipal e, quando chega, não é suficiente para a distribuição diária, tanto por falta de alguns alimentos, quanto pela pequena quantidade. Nas últimas semanas, a merenda não tem sido distribuída pela total ausência.

As contas da merenda escolar do ano passado, que deveriam ser apreciadas e votadas até fevereiro de 2007, nem foram analisadas por falta de transparência na aplicação dos recursos.

No mês de agosto, as professoras representantes do SINTESE tiveram acesso às notas fiscais de 2006 e constataram a presença de produtos que não faziam parte do cardápio dos alunos naquele ano, como, por exemplo, toneladas de inhame e macaxeira, além de café moído e biscoito recheado.

Tanto estes produtos não chegaram às escolas municipais, como também não sabe-se sobre sua finalidade e uso até o momento. Em virtude dessa não transparência na aplicação dos recursos, as representantes do SINTESE votaram contrárias às contas do município de São Cristóvão. O SINTESE espera que as autoridades competentes tomem as devidas precauções para que abusos como estes não se repitam.