SINTESE entra com representação no MP contra governo estadual

26

A atitude do sindicato foi motivada pela propaganda governamental feita a partir do final do mês de julho, tendo culminado na publicação da revista ASN Notícias de Sergipe. No final da manhã do último dia 09, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica da Rede Oficial do Estado de Sergipe – SINTESE protocolou no Ministério Público uma representação contra o Governo do Estado. A atitude do sindicato foi motivada pela propaganda governamental feita a partir do final do mês de julho, tendo culminado na publicação da revista ASN Notícias de Sergipe.

Os anúncios diziam que o governo estadual tinha atendido as reivindicações dos professores e que a educação estava sendo “reconstruída”. Só que ações como o PROID e a gratificação por interiorização ainda não saíram do papel.

O SINTESE já apresentou sua proposta para a gratificação, mas até agora o projeto de lei não foi enviado para a Assembléia Legislativa. O PROID está parado porque, segundo o secretário de Educação, José Fernandes Lima, não há recursos para a continuidade do programa. Ainda há aproximadamente 2800 educadores esperando computadores.

No documento entregue ao Ministério Público o sindicato diz que o governo fez “propaganda falsa, com objetivo de alardear ações que ainda não se realizaram” a custa dos recursos públicos. “Não se pode admitir que o dinheiro público seja utilizado para propaganda, que consideramos, enganosa”, disse o presidente do SINTESE, Carlos Sérgio Lobão.

Ato urgente

Antes da entrega da representação no MP o SINTESE realizou ato público no Calçadão da João Pessoa para interagir com a sociedade e falar sobre a situação do magistério estadual. O sindicato promoveu também uma enquete onde indagava aos transuentes se “o governador Marcelo Déda deve cumprir o que foi acordado com os professores”. No final do mês será realizada nova assembléia para avaliar a situação. “O magistério estadual espera que os pontos restantes do documento assinado em maio sejam cumpridos o mais rápido possível”, completou a diretora do Departamento de Base Estadual, Ubaldina Fonseca.