SINTESE realiza conferência sobre protagonismo da escola pública

28

Até o dia 18 os trabalhadores em educação pretendem discutir o papel de protagonista que a escola pública deve ter dentro da formação da sociedade brasileira. Um cortejo cultural que sairá do Colégio Atheneu Sergipense abrirá o evento. Nesta segunda-feira, 15, dia do professor o SINTESE abre a sua VIII Conferência Estadual dos Trabalhadores em Educação. O tema escolhido para esta oitava edição é “Escola pública: a escola que se faz sujeito”. Até o dia 18 os trabalhadores em educação pretendem discutir o papel de protagonista que a escola pública deve ter dentro da formação da sociedade brasileira. Um cortejo cultural que sairá do Colégio Atheneu Sergipense abrirá o evento. A previsão do sindicato é que participem 40 escolas da capital e interior.

Para a direção do sindicato o tema da conferência reflete a situação que a escola pública vive atualmente. Há um processo constante de anulação dos atores sociais da escola pública que são o professor e o aluno. A falta de políticas públicas e o afastamento do Estado na concepção destas políticas estão fazendo com que a escola pública perca seu papel principal no processo de formação da cidadania. “A política educacional adotada pelo Estado brasileiro é a substituída por programas comprados da iniciativa privada. Em Sergipe o processo acontece velozmente como se pode ver pela adoção dos programas Se liga, Acelera e Alfa e Beto, tanto na rede estadual como em vários municípios”, avalia o presidente do SINTESE, Joel Almeida.

Durante o evento os educadores vão discutir a conjuntura nacional e sua relação com movimentos sociais, a influência da iniciativa privada na escola pública, a autonomia escolar, a prova Brasil e o Sistema de Avaliação da Educação Básica – SAEB.

No dia 15 a partir das 14h o historiador e secretário de Relações Internacionais do PT, Valter Pomar inicia a conferência falando sobre “Os desafios dos movimentos sociais frente à conjuntura internacional e nacional”. Como debatedores o cientista político Helder Teixeira e o professor Fernando Sá da Universidade Federal de Sergipe.

A educação emancipatória e a intervenção da iniciativa privada na escola pública serão os temas a ser tratados no segundo dia da conferência. Pela manhã a primeira palestra é com o professor da UNICAMP, Dario Fiorentini “O sujeito sou eu! Bases de uma Educação Emancipatória”. A atuação cada vez maior de grupos empresariais na formação das políticas públicas de educação é tema da palestra do professor André Martins da Universidade Federal de Juiz de Fora.

No penúltimo dia a professora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro Inês Barbosa de Oliveira falará sobre “A autonomia curricular da escola frente ao estabelecimento do currículo único”. Os dez anos sem Paulo Freire também serão destaque na oitava conferência com uma mesa conduzida pelas professoras Silvana Bretas e Cristina Martins da UFS e uma exposição no Centro Cultural.

Campanha

O último dia conferência será dedicada a discussão dos sistemas de avaliação como Prova Brasil e do SAEB com a professora da Universidade de São Paulo, Sandra Zackia. No mesmo dia haverá o lançamento do Comitê da Campanha Nacional pelo Direto à Educação.

Inclusive o SINESE enviou ofício ao governador Marcelo Déda solicitando que ele recebesse em audiência o coordenador nacional da campanha, Daniel Cara e os membros do comitê estadual. “Acreditamos que ao receber o comitê o governo de Sergipe estará dando um endossando essa ação que busca a universalização do acesso a educação”, disse o diretor de Comunicação do SINTESE, Roberto Silva.