Plano aprovado pela Câmara de Capela retira direito dos professores

27

O que poderia ter sido alívio para os professores se transformou em revolta e indignação. Os professores lotaram a Câmara e viram somente um vereador votar contra o projeto. Utilizando a vantagem que têm na Câmara de Vereadores, o prefeito Manoel Messias, o Sukita, conseguiu aprovar na noite da última quinta-feira, o Plano de Carreira e Remuneração do Magistério – PCRM. O que poderia ter sido alívio para os professores se transformou em revolta e indignação. Os professores lotaram a Câmara e viram somente um vereador votar contra o projeto.

No protesto que os professores fizeram do lado de fora do uma educadora foi empurrada e um funcionário do SINTESE foi quase agredido por um vereador.

Desde o início do mandato do prefeito Sukita que os professores tentam negociar um plano de carreira que atenda as suas reivindicações, mas que também não comprometa por completo os recursos da Educação. Essa é a prática do SINTESE em todos os municípios, mas o prefeito de Capela esteve irredutível. No início do mês outubro, após uma paralisação por tempo indeterminado a comissão de negociação do SINTESE se reuniu com a secretária de Educação, a procuradora do município e o presidente da Comissão de Educação da Câmara de Vereadores. Todos os pontos do plano foram negociados e parecia-se que o caso estava resolvido.

Mas a revelia do que foi negociado o prefeito enviou para a Câmara de Vereadores a antiga proposta do executivo que retira vários direitos adquiridos historicamente pelos professores no país inteiro. O PCRM aprovado pelos vereadores não prevê aos professores: titulação, adicional de nível universitário, entre outros.

Limita também a adequação do salário na progressão horizontal para 0,5%. Na proposta dos professores esse percentual era de 1,5%. “O prefeito Sukita demonstrou que não está preocupado em valorizar os professores, pois o nosso instrumento de trabalho é o conhecimento, mas a prefeitura com esta atitude desestimula os educadores e isto no futuro pode trazer conseqüências graves para a melhoria do ensino em Capela”, apontou uma das diretoras do Departamento de Base Municipal do SINTESE, Lúcia Barroso.