Dom Cappio deixa UTI de hospital e conversa com família sobre greve de fome

59

Dom Cappio desmaiou ontem à tarde depois de ser informado da decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de liberar a retomada das obras de transposição do rio São Francisco. O bispo está em greve de fome há 23 dias em protesto contra a transposição. da Folha Online – O bispo de Barra (BA), dom Luiz Flávio Cappio, 61, já deixou a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do hospital Memorial de Petrolina (PE).

Segundo a assessoria do bispo, ele já se encontra no quarto e consciente, mas ainda bastante frágil e recebendo soro.

Dom Cappio desmaiou ontem à tarde depois de ser informado da decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de liberar a retomada das obras de transposição do rio São Francisco. O bispo está em greve de fome há 23 dias em protesto contra a transposição.

Familiares de d. Cappio querem que ele suspenda imediatamente a greve de fome. O juiz Luís Roberto Cappio Guedes Pereira, 39, sobrinho do bispo, disse ontem à Folha Online que o tio “não tem mais condições de prosseguir com o jejum”.

“Vou fazer com que ele suspenda [a greve de fome]”, disse ele ao telefone. “Vamos colocar um ponto final nessa história.”

A assessoria de d. Cappio informou que o bispo já está reunido com a família na manhã de hoje. A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) e a Articulação São Francisco Vivo informaram que apesar da internação, caberá a ele decidir se suspende ou não o jejum.

Acordo

Fracassaram as negociações entre o governo e a CNBB para encerrar a greve de d. Cappio. Em nota, o secretário-geral da CNBB, d. Dimas Lara Barbosa, informa que o governo não aceitou a proposta de suspensão por dois meses da obra. A resposta foi dada por telefone pelo chefe-de-gabinete da Presidência da República, Gilberto Carvalho, por volta das 17h de ontem.

De acordo com a CNBB, a proposta de suspender as obras por dois meses apareceu na reunião de anteontem à noite entre Carvalho e o representante de d. Cappio, Roberto Malvezzi, e técnicos da ANA (Agência Nacional da Água) e do Ministério da Integração Nacional.

O Planalto já havia sinalizado que não estava disposto a aceitar o acordo. O ministro Geddel Vieira Lima (Integração Nacional) anunciou que pretende “levar adiante” a partir de hoje a execução das obras de transposição do rio São Francisco.

Geddel afirmou que o governo pretende anunciar hoje o lote da primeira licitação das obras do rio. O ministro evitou polemizar a decisão do STF. “A decisão do Supremo não significa vitória de ninguém sobre ninguém.”