Professores da Rede Municipal de Estância ocupam prefeitura

56

Como os projetos de lei têm como princípio a retirada de vários direitos da categoria que foram conquistados nos últimos anos, os professores batizaram os projetos como o “Plano da Morte. Os professores da Rede Municipal de Estância ocuparam a prefeitura na manhã da última quinta-feira, 31, para tentar convencer o prefeito Ivan Leite a não enviar a Câmara de Vereadores a nova proposta de Plano de Carreira de Remuneração do Magistério e do Estatuto. Como os projetos de lei têm como princípio a retirada de vários direitos da categoria que foram conquistados nos últimos anos, os professores batizaram os projetos como o “Plano da Morte.

Professores mostraram resistência

Os professores esperam que o prefeito receba a categoria e o diálogo seja mantido, já que nos últimos anos ele não se reuniu com os educadores em nenhuma ocasião. “O prefeito precisa compreender que o objetivo dos professores é fazer com ele veja o prejuízo que este projeto trará para a Educação da nossa cidade”, disse o coordenador geral da sub-sede Sul do SINTESE, José Domingos Machado Soares.

Em assembléia realizada após o ato os professores decidiram que caso o prefeito não desista de enviar o projeto a Câmara de Vereadores os professores não iniciam o semestre letivo de 2008 que está marcado para o dia 11 de fevereiro.

A direção do SINTESE questiona também a imagem que o prefeito quer passar, principalmente para a imprensa aracajuana. “Sempre vemos matérias em jornais dizendo que os professores estão bem e a educação de Estância é uma maravilha, mas isso não é verdade, os educadores estão sendo humilhados e perseguidos por esta administração”, disse a professora Maria José, também da coordenação da sub-sede Sul do sindicato.

Plano da morte

A proposta do prefeito quer retirar direitos conquistados pelos professores como:

Extinção do Estatuto do Magistério: a proposta do prefeito Ivan Leite extingue o Estatuto do Magistério que está em vigor, que por sinal é um dos melhores do Estado de Sergipe. Com isso o estatuto dos professores passará a ser o dos servidores que é omisso em quase tudo que refere ao magistério.

Regência de Classe: A proposta também quer diminuir a regência de classe que hoje é de 50% do salário base para 30%. O resultado é que o salário dos professores sofreria mais um abalo negativo.

Redução de Jornada por Tempo de Serviço: a profissão de professor é reconhecida pela OMS – Organização Mundial de Saúde como penosa, prova disso é o alarmante numero de educadores com problemas constantes de stress, distúrbios psicológicos, entre outros.

Por conta desta desgastante tarefa de reger aulas o professor passou a ter direito a redução da jornada de trabalho a partir dos 15 anos de trabalho em sala de aula. Com quinze anos de labuta a sua jornada é reduzida em 1/5, com 20 anos a redução é de 1/4.

Triênio: atualmente a cada três anos os professores acrescem aos seus salários 5% sobre o salário base. Pela nova proposta esse percentual seria de 3%.

Data base: no atual estatuto está estabelecido que a prefeitura deve reajustar os salários dos professores no mês de maio de cada ano. Apesar da administração atual não ter cumprido nenhuma data base os professores entendem que ela deve ser mantida.