Professores de Sergipe realizam ato para fazer valer a lei do piso

51
16/09/08 | Professores demonstram união e ocupam as ruas de aracaju para fazer valer a implantação do Piso Salarial Nacional.

“Vem cá prefeitos e o governador, paguem nosso piso, pois agora a lei passou”. Foi com esse refrão de um forró pé-de-serra, que os professores da rede pública cobraram a valorização do magistério durante ato no Centro de Aracaju.  Eles paralisaram as atividades nesta terça-feira, 16 visando mostrar à sociedade, ao governador de Sergipe e aos prefeitos dos 75 municípios sergipanos, que o Piso Salarial Profissional Nacional-PSPN é lei desde o dia 16 de julho deste ano e com isso, precisa ser implantado pelos gestores o mais rápido possível.

 

Durante a mobilização, o presidente do sindicato da categoria(SINTESE), Joel Almeida, afirmou que governadores dos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, estão fazendo pressão para que a lei do piso seja modificada, inclusive com o corte de gratificações. “Nós não concordamos com a atitude de resistência dos governadores no sentido de alterar a lei do piso e estamos lutando para que em Sergipe, ela seja implantada sem prejuízos para os professores”, ressalta Joel Almeida. 


Outro ponto que o SINTESE não abrirá mão é a criação de um grupo para discutir a lei do piso, com integrantes do sindicato e da Secretaria de Estado da Educação-SEED. “O grupo já foi formado, já entregamos os nomes dos representantes dos professores, mas até agora a Secretaria de Educação não divulgou os nomes dos representantes da SEED”, lamenta o presidente do SINTESE.

 

A implantação da Gestão Democrática nas Escolas também foi lembrada na manifestação dos professores.  Eles cobraram ao governador Marcelo Déda, o envio imediato do projeto de lei que dispõe sobre a regulamentação da Gestão Democrática na Rede Estadual para a Assembléia Legislativa, promessa feita pelo Governo de Sergipe no período da Campanha Salarial de 2008, e que até agora não foi cumprida.

 

 “O nosso objetivo é que o projeto chegue até outubro nas mãos dos deputados estaduais. O maior conflito é o fato de a secretaria exigir como pré-requisito para a implantação da Gestão Democrática, que os professores se submetam a uma prova com média 7,0, o que não aceitamos”, ressalta Joel.

 

O SINTESE defende a realização de cursos de formação para os candidatos aos cargos de gestores, que as provas sejam feitas por professores da Universidade Federal de Sergipe e que a média seja 5,0. A categoria teme que caso haja reprovação por conta da média alta exigida pela Secretaria, os cargos voltem a ser ocupados através de indicações.

 

O deputado federal Iran Barbosa, participou da luta dos professores em prol da implantação imediata do Piso Salarial Profissional Nacional de R$ 950 mensais para a formação em nível médio, na modalidade normal, com vencimento básico a partir de 1º de janeiro de 2008.  Para ele, a aprovação da lei do piso foi uma luta histórica dos profissionais do magistério. “Agora, a categoria enfrenta a resistência de alguns governadores. A continuidade da luta é necessária, pois a lei do piso é um mecanismo eficiente na política de valorização do magistério público e da qualidade do ensino”, enfatiza Iran Barbosa.

 

Os painéis colocados pelo SINTESE no calçadão da rua João Pessoa mostrando a importância da lei do piso e da Gestão Democrática, chamaram a atenção das pessoas que passavam pelo local.  “Eu não sou professora, mas entendo que essa luta é justa. Sou mãe de aluno e sei das dificuldades enfrentadas pelos educadores. Esses painéis mostram que os governantes precisam ter compromisso e que existem recursos. E destacam a importância de se valorizar os professores”, afirma a comerciante Ana Sueli Campos.

 

Ainda como parte do Dia Nacional de Mobilização, desenvolvido pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação(CNTE), os professores de Sergipe realizaram uma grande caminhada pelas principais ruas do Centro de Aracaju, com direito a um ato na porta da Assembléia Legislativa.