Iran reafirma que quer recursos do pré-sal na educação

53

O deputado federal Iran Barbosa disse, nesta quinta-feira (18/9), que os recursos dos campos sob a camada do pré-sal podem abrir investimentos fantásticos para garantir a ampliação e a melhoria da educação pública no Brasil. “As oportunidades são imensas, mas só vamos melhorar a educação se conseguirmos, também, investir este dinheiro na formação e na remuneração dos trabalhadores da área”, afirmou.


Segundo Iran, a qualidade do ensino passa diretamente pela valorização dos profissionais da educação, ainda, que muitos resistam a este princípio constitucional. “Qualquer plano de metas que venha a ser elaborado para a educação, com os recursos do pré-sal, deve passar, necessariamente, pela valorização dos trabalhadores”, afirmou.


O deputado lembrou que, neste momento, professores de todo o País travam mais uma luta: a da implementação do Piso Salarial Profissional Nacional do Magistério Público (PSPN) nos estados e municípios. “E, ainda que o piso tenha um valor baixo, sofre ataques por parte dos governos tucanos e neoliberais de São Paulo, Rio Grande do Sul e Minas Gerais”, disse.


De acordo com Iran é preciso ficar atento e também lutar pelo destino dos recursos do pré-sal. “Assim como existem ataques ao Piso, já vemos pessoas defendendo que o uso dos recursos seja destinado, por exemplo, para pagar dívida, o que é um absurdo”, observou. 


Neste sentido, Iran elogiou as declarações feitas na última segunda-feira (15/9), pelo ministro da Educação, Fernando Haddad. Na ocasião, o ministro defendeu, frente a correspondentes internacionais, que os recursos do pré-sal sejam usados para investir nos ensinos infantil, médio e profissionalizante, para abrir mais vagas nas universidades e para a valorização dos professores.


Estudos – Na mesma entrevista, Haddad disse ter conservado muito sobre este assunto com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele adiantou que irá constituir um grupo de estudos, até o final deste ano ou início de 2009, para avaliar o que poderia ser feito com esse fundo de recursos novos para a educação.


Os estudos vão ocorrer em paralelo com as discussões sobre o marco regulatório do petróleo, das quais o MEC não participa. Após as eleições, o presidente Lula deve se reunir com o ministro de Minas e Energia, Edson Lobão, para analisar o modelo de exploração da camada do pré-sal a ser adotado pelo governo brasileiro.


O presidente também deve se encontrar, após as eleições, com os governadores do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral; de Sergipe, Marcelo Dedá e do Espirito Santo, Paulo Hartung, para discutir o marco regulatório do pré-sal.


Os três governadores dirigem estados produtores de petróleo e têm em comum a preocupação com a partilha dos royalties do pré-sal.

 

fonte: Assessoria de Comunicação – Dep. Federal Iran Barbosa