SINTESE cobra do governo do Estado envio do projeto de Gestão Democrática para ALESE

51

O SINTESE volta a cobrar do governo do Estado o envio imediato para 
Assembléia Legislativa do projeto de lei que institui a gestão 
democrática nas escolas da rede estadual. Em maio deste ano, na mesa 
de negociação, foi acordado que uma comissão formada por 
representantes da Secretaria de Estado da Educação – SEED e SINTESE 
fariam estudos das propostas e chegariam a um consenso em um prazo de 
30 dias.

Já se passaram 90 dias após o prazo e projeto ainda não foi  encaminhado aos deputados estaduais. Em uma das últimas audiências  entre o sindicato e a SEED o secretário de Educação, José Fernandes 
Lima, garantiu que já tinha enviado ao governador Marcelo Déda, mas  ainda não há resposta.

“Parece que o governo do Estado não está com boa vontade em implantar  a gestão democrática, pois já estamos chegando ao final do ano letivo  e se projeto não for logo para a AL, a gestão não será viabilizada em  2009”, disse o diretor de comunicação do SINTESE, Roberto Silva  Santos. Ele continua dizendo que os professores entendem que é uma  necessidade do sistema de ensino da rede estadual ter uma gestão  verdadeiramente democrática nas escolas.

Formaçãoxavaliação

Um dos pontos de discordância entre a SEED e o SINTESE é sobre a  questão da forma como será feita a eleição direta para diretores de  escolas. A proposta da SEED é que os interessados façam uma prova onde  somente quem tiver média acima de sete poderá efetivar a candidatura.O SINTESE discorda dessa proposta porque uma prova não garante condições para uma boa gestão escolar. O Sindicato tem questionado quem será responsável na elaboração da prova? Como será a correção? Quais os critérios para elaboração? Quais bibliografias serão utilizadas?

Diante desses questionamentos, o SINTESE propõe que seja feito um curso de formação dos candidatos com professores da Universidade Federal de Sergipe que tem acúmulo na pesquisa sobre educação pública e gestão escolar. Entendemos, também, que os gestores eleitos devem ter cursos complementares. O objetivo dos cursos, de acordo com a  diretoria do sindicato, é promover uma melhoria na gestão escolar.

O  objetivo do sindicato em defender o curso de formação é fazer com que  gestão escolar tenha avanços e seja efetivamente democrática. “O curso  de formação em gestão escolar não beneficiará somente àqueles que  vencerem as eleições, mas toda a rede de ensino, pois as unidades  escolares vão contar com pessoas que compreendem melhor o processo de  gestão”, disse o presidente do SINTESE, Joel Almeida.