UFS aprova política de cotas para vestibular de 2010

50

O Conselho do Ensino, da Pesquisa e da Extensão (Conepe) da Universidade Federal de Sergipe (UFS) aprovou em reunião realizada na última segunda, 13, o Programa de Ações Afirmativas (Paaf) que, entre outras coisas, institui a política de cotas na instituição. A votação teve apenas dois votos contrários.

Diante do andamento em que se encontra o vestibular 2009, o programa valerá para o Processo Seletivo Seriado (PSS) 2010. A partir de então, 50% das vagas serão destinadas a estudantes de escolas públicas. Desse percentual, 70% serão dedicados aos que se declararem negros, pardos ou índios. Será garantida, também, uma vaga por curso aos portadores de necessidades especiais.

Segundo o reitor da UFS, a aprovação do sistema é mais um reflexo da política de expansão e inclusão vivida pelas universidades públicas nos últimos anos.

"Acredito que nossas políticas de ações afirmativas – neste caso, as cotas – é um coroamento para tornar a universidade mais inclusiva. Começamos com o aumento do número de vagas e, posteriormente, a ampliação de vagas nos cursos noturnos. Viabilizamos a interiorização da universidade, através do sistema a distância, e padronizamos o horário de ofertas dos cursos diurnos. Agora, aderimos às cotas. Todas essas medidas tornam a universidade mais receptiva", diz Josué Modesto dos Passos Subrinho.

A intenção é acompanhar as mais de trinta universidades que já adotam o sistema. No entanto, as discussões sobre o tema na UFS já existem desde 2003. A partir de 2006 elas se intensificaram e, desde 2007, foi instituída uma comissão para tratar e discutir o assunto.

O programa tem duração prevista de dez anos. No entanto, nos primeiro cinco anos, após a formatura das primeiras turmas, será feita uma avaliação. Para isso, será montada uma comissão com o objetivo de monitorar o funcionamento, avaliar os resultados e sugerir ajustes e modificações.

Entenda como funcionará a política de cotas na UFS  

Adotada no Brasil há cinco anos, com a Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), a política de cotas nas universidades públicas brasileiras é um tema bastante discutido. A Universidade Federal de Sergipe adotou o sistema que passará a oferecer vagas destinadas a portadores de deficiência, estudantes da rede pública, negros, pardos e índios. Saiba um pouco mais:

Quando o sistema começa a funcionar?
A política de cotas entra em vigor a partir de 2010 no vestibular que ocorrerá em 2009. Como as inscrições do PSS 2009 já foram encerradas, as provas de dezembro próximo acontecerão normalmente.

Quem poderá participar?
Poderão participar da política de cotas todos os estudantes que cursaram os quatro últimos anos do Ensino Fundamental e todo o Ensino Médio em instituições da rede pública de ensino.

Como será feita a distribuição de vagas para cada curso?
Serão destinadas 50% das vagas de cada curso para os estudantes da rede pública de ensino (conforme restrições descritas acima). Destas, 70% serão destinadas àqueles que se declararem negros, pardos ou índios, correspondendo a 35% do total de vagas oferecidas pela instituição. Além disso, cada curso deverá oferecer uma vaga aos candidatos portadores de deficiência.

Haverá uma comissão julgadora que comprove a descendência étnica do candidato?
Não. A etnia do candidato é auto-declaratória, devendo este ter ciência de suas afirmações. Para tanto, o candidato deve estar de acordo com o item central das cotas: ter feito os quatro últimos anos do Ensino Fundamental e todo o Ensino Médio na rede pública de ensino.

Ascom/UFS