Professores da rede estadual fazem ato em frente a SEED

63

Os professores da rede estadual realizam nesta quinta, dia 30, a partir das 8h, ato público em frente a Secretaria de Estado da Educação – SEED.

A categoria vai cobrar do secretário de Estado da Educação uma posição sobre o pagamento do piso salarial ainda este ano para aqueles que recebem remuneração abaixo dos R$950 em 2008. De acordo com a lei 11.738 que institui o piso, ele é válido a partir de 01 de janeiro de 2008.

O que preocupa o sindicato é que o grupo instituído para estudar os efeitos da implantação do piso, não se reúne há três semanas. “Todas as reuniões foram desmarcadas pela SEED e isso esta deixando os professores preocupados, principalmente aqueles que já têm direito de receber o piso este ano”, disse o professor José Francisco Andrade, da diretoria executiva do SINTESE.

Gestão democrática

A demora no envio do projeto que regulamenta a Gestão Democrática para Assembléia Legislativa é motivo de cobrança dos professores. “Há quase dois meses que o projeto já está nas mãos do governador e não foi enviado para os deputados”, disse Roberto Silva Santos, diretor de Comunicação.

O SINTESE, inclusive, solicitou, por duas vezes, audiência com o governador para discutir o assunto, mas não houve resposta.

Há um ponto de tensão entre o sindicato e a SEED. Para a Secretaria de Educação, ante do processo eleitoral os interessados devem fazer uma prova e os que tirarem nota acima de sete, podem ter suas candidaturas efetivadas. A proposta da secretaria prevê também que nas escolas onde ninguém alcançar a nota mínima o diretor seria indicado. “A proposta da SEED não é de gestão democrática e sim de perpetuação do apadrinhamento político nas escolas”, disse, José Francisco.

O sindicato concorda que deve haver qualificação, mas que ela seja feita na forma de cursos de formação que aconteceriam em dois momentos. Primeiro para os candidatos e depois para os gestores eleitos. “Dessa forma um grande grupo de professores estaria apto em gestão escolar, o que no futuro vai ajudar os gestores eleitos”, finalizou, Roberto.