Professores protestam em frente a SEED

55

Os educadores da rede estadual foram exigir o envio do projeto de Gestão Democrática e implantação do piso salarial. O ato terminou em frente ao Palácio de Governo

Centenas de professores da rede estadual estiveram em frente ao prédio da Secretaria de Estado da Educação – SEED para cobrar uma resposta sobre a implantação do Piso Salarial Nacional e também sobre o envio do projeto da Gestão Democrática para Assembléia Legislativa. “Os professores querem que a SEED se posicione sobre as duas questões, o ano letivo já está terminando e a secretaria demora em encaminhar essas questões”, disse o presidente do SINTESE, Joel Almeida.

Além do protesto, o SINTESE protocolou diretamente com o secretário José Fernandes Lima um ofício cobrando respeito do governo do Estado ao magistério público estadual. O motivo da cobrança é que as reuniões dos grupos de trabalho para discutir piso salarial, correção das distorções da folha de pagamento e análise curricular estão sendo sistematicamente desmarcadas pela SEED. “A ausência de diálogo da SEED com os professores trará prejuízos não só para a categoria, mas para a rede pública como um todo, pois os temas discutidos são de fundamental importância”, disse o vice-presidente do sindicato Carlos Sérgio Lobão.

Palácio

Os professores saíram da SEED e foram ao Palácio de Despachos cobrar do governador um posicionamento sobre as duas questões. A diretoria teve informações de que a Procuradoria Geral do Estado – PGE já tinha dado um parecer sobre o pagamento do piso em 2008. De acordo com a PGE o piso só deve ser pago a partir de primeiro de janeiro de 2009. “Mais uma vez a Procuradoria Geral do Estado tem um entendimento que prejudica os trabalhadores”, comentou Joel.

Perseguição

Durante o ato o SINTESE denunciou que dois membros da diretoria executiva estão sendo perseguidos. Os professores Morgan Prado Menezes e José Francisco Andrade são alvos de inquérito administrativo por parte da Secretaria de Estado da Educação. Eles vão prestar depoimento a comissão dia 05 de novembro.

De acordo com informações que chegaram ao sindicato dão conta de que quem deu entrada ao processo foi o diretor da Escola Estadual Armindo Guaraná. De acordo com os dois diretores do SINTESE, eles foram convidados pelo corpo docente da escola para ministrar palestra sobre o piso salarial e o diretor da escola não concordou com a palestra e entrou com processo contra os professores.

“O sindicato repudia a atitude do diretor da escola e também da SEED que aceitou o pedido. Os professores estavam no exercício pleno de sua atividade sindical e não podem ser ameaçados com esse tipo de postura é que fere a livre organização sindical”, frisou o diretor de comunicação do SINTESE, Roberto Silva Santos.