SINTESE realiza XII Congresso Estadual dos Trabalhadores em Educação

47

O SINTESE faz nesta quarta-feira, dia 05, a partir das nove da manhã, no Iate Clube de Aracaju, a abertura oficial da décima segunda edição do Congresso Estadual dos Trabalhadores em Educação.

O congresso contará com presença de aproximadamente dois mil educadores da rede estadual e redes municipais que vão participar de debates, tendo como tema principal “O impacto das políticas públicas neoliberais para os trabalhadores em educação”.

Além dos debates os congressistas vão definir as bandeiras de luta do sindicato para os próximos dois anos. “Esta é uma oportunidade onde os trabalhadores em educação discutem temas do seu cotidiano e também reforçam a sua unidade sindical”, disse o presidente do SINTESE, Joel Almeida.

No primeiro dia os congressistas vão participar do debate com o tema: “Os desafios do movimento sindical frente à atual conjuntura nacional e internacional” com o cientista político Ernesto Germano Parés, o professor da Universidade Federal de Sergipe – UFS. Fernando Sá e os jornalistas Cristian Góes, do sindicato dos Jornalistas e Raimundo Pereira, da revista Retratos do Brasil.

“Nós da educação: sujeitos, saberes e práticas cotidianas” com a professora Carmem Lúcia Vidal Perez, da Universidade Federal Fluminense abre os trabalhos do segundo dia de congresso. Na parte da tarde os congressistas vão debater “Os desafios e problemas da regulamentação da carreira dos profissionais do magistério” com a diretora executiva da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, Jussara Dutra Vieira e o deputado federal, Iran Barbosa.

O terceiro dia de congresso uma mesa explanará “A contribuição do SINTESE na resistência dos profissionais em Educação da rede pública” com os professores Ruy Belém e Cristina Martins da UFS e também “A situação do trabalho docente no Brasil e na América Latina”, com o professor Miguel Farah Neto, da UNIRIO.

Lançamentos

Além dos debates o congresso do SINTESE abriu espaço para diversos lançamentos. Na quarta, dia 05, às 17h30 acontece o lançamento da revista Retratos do Brasil, editada pelo jornalista Raimundo Pereira. A revista é um empreendimento nacional de jornalistas, intelectuais, propagandistas e outros trabalhadores da imprensa, capaz de acompanhar e desvendar as características básicas – sociais, políticas, econômicas e culturais – do processo de globalização no qual o Brasil está inserido.

Esta é uma nova edição do Retrato do Brasil. A primeira surgiu em 1984. Foi publicada em 43 fascículos semanais e, depois do encerramento da série, editada em quatro volumes, no começo de 1985. Esta nova edição também saiu em fascículos: foram 12 edições mensais, publicadas entre agosto de 2005 e julho de 2006.  A obra, agora, embora mantenha a mesma estrutura da anterior – com uma parte de textos, outra de gráficos, esquemas e tabelas e uma terceira de depoimentos de personalidades – está editada num único volume. Todos os textos foram refeitos e toda a base de informações foi atualizada.

No dia 06, às 17h, é a vez do livro de poemas Utopia Peregrina de autoria do professor da rede estadual, José dos Santos. O professor José dos Santos é militante sindical e atualmente compõe a diretoria executiva do SINTESE. “O professor José dos Santos, é um poeta do concreto, da vida e da luta dos trabalhadores”, diz o texto de abertura do livro.

No dia 07 está marcado, a partir das 8h30, o lançamento do livro “Políticas Públicas de Educação para as Séries Iniciais – Estudo sobre os programas Alfa e Beto, Se liga e Acelera nas escolas públicas da rede estadual de Sergipe”, de autoria das professoras Lianna de Melo Torres e Sônia Meire de Jesus. O livro mostra um estudo sobre os pacotes pedagógicos adotados pela rede estadual desde 2005.

Ato público

Também no dia 07 os professores realizam uma caminhada do local do Iate Clube até a Assembléia Legislativa. O ato público é em defesa do Piso Salarial. “Os professores vão buscar apoio dos deputados, solicitando a intermediação deles para que o projeto que altera o plano de carreira e estabelece o piso chegue para a Assembléia Legislativa”, disse o diretor de Comunicação do SINTESE, Roberto Silva Santos.