A tarefa da escola é promover o conhecimento prudente para uma vida decente

49

A professora Carmem Lúcia da Universidade Federal Fluminense (RJ) acredita que a alternativa para “amenizar” os impactos da políticas neoliberais para os trabalhadores da educação é preciso que eles se apropriem dos saberes que circulam nas escolas, se apropriaram dos conhecimentos informais e de vida dos alunos e da comunidade e que quebrem essa tendência a homogeneização do conhecimento,

De acordo com a palestrante, para uma prática emancipadora é preciso que os professores invertam a lógica ensino-aprendizagem para aprendizagem-ensino. “É preciso que os professores se dêem conta que é preciso aprender com o outro e aprender a ensinar”, disse a professora.

Ela ressaltou que a conjuntura política e as ações dos gestores e a própria forma de ver a escola tem feito com que os professores vejam sua prática de forma tecnicista, com hierarquização de conteúdos e com formas homogêneas de aprendizado. “Isso acontece porque sedimentam que os professores não são produtores de conhecimento, como