Ideli condena ação de governadores contra piso salarial dos professores

45

A líder do PT no Senado, Ideli Salvatti (SC), classificou nesta sexta-feira (7) "de uma afronta, apoiada em um movimento político", a decisão de cinco governadores de encaminhar ao Supremo Tribunal Federal (STF) ação para que seja declarada a inconstitucionalidade da lei que fixa o valor do piso salarial dos professores de todo o país em R$ 950,00. O projeto sobre o piso, que uniu as iniciativas do Poder Executivo e do senador Cristovam Buarque (PDT-DF), foi aprovado por unanimidade pelo Congresso Nacional e sancionado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para entrar em vigor até 2010.

– É necessário que a população saiba osnomes e os partidos políticos dos governadores que assinaram a ação direta de inconstitucionalidade (Adin) contra a implantação do piso salarial para os professores. São eles: a governadora Yeda Crusius (RS), do PSDB, que encabeça a lista; Cid Gomes (CE); do PSB; André Puccinelli (MS), Roberto Requião (PR); e Luiz Henrique (SC), todos do PMDB – listou a senadora.

Ideli Salvatti acusou também outros cinco governadores que, "apesar de não terem tido a coragem de assinar a Adin, ficaram insuflando os seus colegas a entrar na Justiça contra os professores". De acordo com Ideli, são eles: José Roberto Arruda (DF), do DEM; Aécio Neves (MG), José Serra (SP) e Anchieta Júnior (RR), todos do PSDB, além de Marcelo Miranda (TO), do PMDB.

O senador Geraldo Mesquita Júnior (PMDB-AC) pediu o impeachment (impedimento) de todos os governadores que assinaram ou apoiaram a ação no Supremo contra os professores, classificada por ele de "cruel e indecente". O senador Augusto Botelho (PT-RR) também condenou a ação, enquanto Cristovam Buarque (PDT-DF) estranhou que os governadores tenham se manifestado contrários ao piso somente após as últimas eleições municipais.

Ideli Salvatti concordou com Cristovam e estranhou que em nenhum momento os governadores questionaram o piso salarial que, observou, foi aprovado por unanimidade pelo Congresso Nacional depois de exaustivos debates. Isso demonstra, conforme avaliou, que os governadores "não tiveram a coragem de mostrar as suas faces durante as discussões".

A senadora por Santa Catarina anunciou também que parlamentares já começam a movimentar-se em defesa da implantação do piso para os professores, "uma reivindicação legítima, histórica e necessária", a começar pelas duas comissões de Educação- a do Senado e da Câmara -que se organizam para combater movimentos, como o dos governadores, contrários ao piso.

Cristovam defende piso de R$ 950 para professores

Da Redação / Agência Senado
(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)
79805