“Órfãos do Piso” queimam contracheques em ato público

51

Professores da rede estadual e das redes municipais queimaram cópias {joomplu:1710}de seus contracheques no ato público  realizado pelo SINTESE que encerrou a programação de luta da 10ª Semana em Defesa e Promoção da Educação Pública promovido pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação.

Além da questão das condições de trabalho e políticas educacionais o cumprimento da lei 11.738/08 que institui o {joomplu:1702} Piso Salarial Profissional Nacional está em pauta. “Os professores vieram para as ruas mostrar a indignação contra os gestores que não pagam o piso, incluindo o governo de Sergipe, pois 96% dos educadores da rede estadual não viram em seus contracheques o cumprimento da lei do piso”, disse o presidente do SINTESE, Joel Almeida. Os professores também distribuíram panfletos e informativos sobre o piso.

Para encerrar o ato os professores da capital e interior fizeram uma caminhada pelas ruas do centro comercial de Aracaju.

Debate na ALESE

Dia 28, o presidente do SINTESE, Joel Almeida, irá utilizar a tribuna da Assembleia Legislativa com objetivo {joomplu:1690}de mostrar aos deputados a Lei do Piso e como o governo do Estado a está descumprindo, pois 96% dos professores ainda não viram mudanças em seus contracheques.

Os professores estão na expectativa da realização da segunda audiência no Tribunal de Justiça, o prazo dado pelo desembargador, Edson Ulisses, se encerra no domingo, dia 26. O sindicato espera que o governo apresente uma formulação para que o piso seja efetivamente implantado na rede estadual.

Na quinta, dia 30, o sindicato realiza assembleia, às 9h no Instituto Histórico e Geográfico.