SINTESE discute política de comunicação

62

Dirigentes e coordenadores das sub-sedes do SINTESE discutem no próximo sábado e domingo, 12 e 13 de setembro, a política de comunicação do sindicato. O encontro acontecerá no Aracaju Praia Hotel, na Avenida Santos Dumont, nº 1001, a partir das 8h.

Durante o encontro, os participantes vão discutir o uso de ferramentas de tecnologias de comunicação como blog e Orkut e outras iniciativas que permitem maior articulação dos movimentos populares em contraposição à grande mídia tradicional. O grupo também vai discutir e definir ações estratégicas que farão parte do plano de comunicação do sindicato. A ação integra a Formação Permanente de Comunicadores Populares do Sintese, iniciativa do sindicato que visa instrumentalizar os trabalhadores da educação sobre a importância da comunicação no meio sindical.

Desde 2005, o SINTESE vem incentivando experiências na área da comunicação a partir da construção de uma Rede de Comunicadores Populares, numa parceria que se segue até hoje com o NPC. Os professores com essa função têm a tarefa de defender os direitos do magistério e da sociedade nos meios de comunicação da capital e do interior de Sergipe. Uma das primeiras ações dessa rede é a produção de um boletim mensal para as sub-sedes, chamado “SINTESE Informa” com notícias das redes de ensino estadual e municipais de cada região.

Para discutir a importância das ações de comunicação, o SINTESE convidou os jornalistas Vitor Gianotti e Claudia Santiago, ambos do Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC). O NPC existe há 14 anos com o objetivo de incentivar e melhorar a comunicação de movimentos sociais, populares e sindicatos.

Claudia Santiago é formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), assessora de comunicação da CUT-RJ por 20 anosa de Comunicação e assessora da Federação dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino no Estado do Rio (Feteerj).

Em co-autoria com Vito Giannotti, escreveu os livros Manual de Linguagem Sindical e Comunicação Sindical — Falando para milhões. Atualmente, está na organização das rodas de diálogo no Rio de Janeiro, para mobilizar representantes de movimentos sociais, sindicatos e membros da sociedade civil para o tema da Conferência Nacional de Comunicação.