Representantes da prefeitura de Boquim faltam a audiência com professores

42

Frustração e indignação. Esses são os dois sentimentos que permeiam entre o magistério municipal de Boquim.

Na manhã desta quarta-feira (11) estava marcada uma reunião entre professores e representantes da administração municipal para discutir a implantação do Piso Salarial Profissional Nacional – PSPN no município, mas os membros da comissão de negociação foram surpreendidos, nenhum representante da administração do prefeito Pedro Barbosa compareceu a local e data marcados para a reunião.

“Boquim está às vésperas da Festa da Laranja (que acontece de 13 a 15/11), mas isso não justifica o descaso com que os educadores foram tratados, em nenhum momento fomos comunicados que a reunião tinha sido cancelada. Isso é um desrespeito”, desabafa o professor José de Jesus Santos, delegado sindical do SINTESE no município.

Os professores realizam assembleia na próxima semana e a indicação é que eles deliberem que só negociam com o prefeito, pois os membros da comissão indicados por ele não têm autonomia para decidir, isso quando aparecem para as reuniões.

Negociação se arrasta

Há mais de nove meses o SINTESE tenta negociar a implantação do piso no município, e até agora a administração não apresentou nenhuma proposta. A única atitude do prefeito foi baixar um decreto, onde os professores com nível médio tiveram um abono para que a respectiva remuneração não ficasse abaixo dos R$950.

Os demais professores não tiveram um centavo integralizado ao vencimento inicial. “A categoria espera que o Prefeito Pedro Barbosa tome uma decisão sobre a implementação do Piso, visto que Boquim não pode retroceder na história da educação enquanto cidades vizinhas já avançaram e foi aplicado o Piso Salarial”, disse Adilson Ribeiro Lino, membro da comissão de negociação. O sindicato já apresentou várias propostas, inclusive fazendo um análise da folha de pagamento e apontando as irregularidades, mas a prefeitura silencia.

Irregularidades

De acordo com os membros da comissão a prefeitura contrata pessoas para serem diretoras de escola, ferindo a Gestão Democrática, desvaloriza os professores da rede concedendo cessões e permutas ilegais de profissionais em estágio probatório, escolas dos povoados fazem dos banheiros dos alunos e professores de depósitos. Essa é uma situação que desqualifica o trabalho docente em Boquim.

Chamada pública

O Poder Executivo tem alegado falta de recursos para a implantação do piso, mas o sindicato já apresentou uma solução para este problema. O município deve abrir uma chamada pública para recuperar o número de alunos matriculados, pois como bem sabemos os recursos da Educação são vinculados a matrícula. A reorganização da rede com nucleação de escolas também seria uma das alternativas.