Professores de Boquim fazem ato pela implantação do piso salarial

42
Ato_em_Boquim

Ato_em_Boquim“Professor na rua! Pedro a culpa é sua”. Essa foi a frase que chamou a atenção da população de Boquim na última terça-feira (08), os educadores da rede municipal estavam nas ruas protestando contra a decisão da prefeitura em não implantar a lei 11.738 que trata do piso salarial.

Ao chegarem à frente da prefeitura foram surpreendidos com uma equipe de filmagem, que registrava o ato. Para os educadores isso foi uma forma de intimidar a categoria, mas que não surtiu efeito. “Estamos nas ruas buscando um direito nosso”, disse o professor José de Jesus, da comissão de negociação do SINTESE, em Boquim.

Nesta quarta, aconteceu uma reunião entre a comissão de negociação e o prefeito e mais uma vez ele não apresentou proposta e insiste em utilizar somente 70% dos recursos do Fundeb para implantação do piso. Os professores entregaram a proposta aprovada pela categoria para o prefeito. Quinta-feira (10) os professores realizam assembleia para definir um calendário de lutas.

Abono

Atualmente o prefeito Pedro Barbosa Neto diz que paga o piso, mas na realidade o chefe do executivo se utilizou de uma manobra administrativa. Ao invés de implantar os 2/3 dos R$950 ao vencimento dos educadores, considerou a remuneração e para quem recebia menos de R$950 ele complementou através de um abono. Com isso professores com formação em nível superior (graduação e pós-graduação) foram excluídos do processo.

Progressão

Outro problema está na progressão da carreira dos professores, a administração municipal bloqueou a progressão automática dos educadores. Há solicitações para mudança de nível (médio para superior) que esperam resposta desde o mês de julho. De forma contraditória a administração nega o avanço na carreira, mas paga várias gratificações a professores que estão fora da sala de aula e estão com cargos em comissão.

Merenda escolar

Alunos e professores de diversas escolas do município denunciam que a alimentação escolar oferecida não é confeccionada de forma adequada.

Censura

Durante o ato os professores pararam em frente a secretaria de Educação e repudiaram a atitude autoritária da secretária de Educação, Simone Moura, em proibir os professores de fazerem reuniões com os pais e alunos nos estabelecimentos de ensino.